Blackbox Free #1

Este é o meu setup de trabalho atual, em uma nova postagem atualizada. Veja como ele ficou!


Durante pouco mais de um mês deixei este projeto de molho para tentar a sorte com a combinação Nvidia + Wayland no Ubuntu 22.04 LTS. Mas o resultado não foi o esperado e, assim como o Linus, resolvi mandar a Nvidia para aquele lugar.

Ele me representa!

As minhas tarefas de desenvolvimento são voltadas para a plataforma Windows por pura demanda de mercado, com ambientes virtualizados de codificação para testar diferentes situações e configurações (versões do Windows, do .NET, dentre outros). Porém como sistema operacional base nada melhor do que o Linux: ele é rápido, robusto e estável, mesmo quando lidando com dezenas de máquinas virtuais simultaneamente. 

Vamos aos componentes desta workstation puramente do lado vermelho da força!

Processador - AMD Ryzen 9 3950X

Um monstro de produtividade com 16 núcleos e 32 threads, 73 MB de cache e frequência de 3,5-4,7 GHz. Para o meu trabalho threads são vida! Por mais que os Zen 4 estejam no horizonte, eu não me vejo trocando de chip tão cedo. Detalhes.



Placa-mãe - Asus TUF Gaming X570-PLUS/BR

Traz o poderoso chipset X570 com suporte ao PCI Express 4.0, bem como componentes com certificação militar, um circuito regulador de tensão robusto, duas portas M.2, oito portas SATA e um codec de áudio topo de linha. Detalhes.


 
Placa de vídeo – AMD Radeon RX 590 (PowerColor)

Para trabalho é muito mais do que suficiente, e por ser uma AMD conta com módulo presente diretamente no kernel Linux e suporte pleno ao Wayland. Uma maravilha! Detalhes.

 
RAM - 2x XPG Spectrix D45G de 32 GB DDR4-3600

São módulos com temporização CL18 e frequência de 3600 MHz, a mais indicada por ficar perfeitamente sincronizada com a frequência do Infinity Fabric do 3950X. Mas o melhor é o RGB que dobra a performance! Detalhes.
 
 
SSD #1 - Corsair Force MP600 de 500 GB

No padrão PCI Express 4.0 x4, casa perfeitamente com o Ryzen 9 e o chipset X570 exibindo taxas absurdas de 4950 MB/s para leitura e 2500 MB/s para escrita. Um monstro! Além do sistema operacional base, contém as máquinas virtuais usadas para desenvolvimento. Detalhes.
 

SSD #2 - WD Blue SN550 de 1 TB

É um SSD NVMe PCI Express 3.0 x4 alocado para a partição home do Debian. Detalhes.
 
 
Disco rígido – Seagate Ironwolf de 3 TB

Possui interface SATA-600, rotação de 5900 RPM e 128 MB de cache. Por ser um modelo voltado para a confiabilidade é a unidade de armazenamento para o primeiro nível dos backups. Em tempo, todas as unidades mostradas usam o sistema de arquivos ext4.
 

Unidade óptica - Asus DVD-RW

Às vezes ainda preciso acessar e gravar mídias físicas. Vida longa a elas! Detalhes.


Sistema de refrigeração - Deepcool Castle 280 RGB

Conta com radiador e ventoinhas de 280 mm, além do RGB que melhora bastante o desempenho de refrigeração! Detalhes.
 

Fonte de alimentação - XFX XTR2 de 850 W

Esta fonte é topo de linha e tem potência de sobra para a configuração, além de uma ótima eficiência enérgica típica de 90%, contando com a certificação 80 Plus Gold. Detalhes.
 

Gabinete - Corsair Carbide Air 540 Black

É um gabinete maravilhoso, com muito espaço para a montagem e uma organização de cabos excelente. Além de ser lindo! 
 

Monitor - LG UltraGear 34GL750 de 34"

Conta com a resolução de 2560 X 1080 no formato ultrawide e frequência de 144 Hz que propicia um grande conforto visual. Detalhes.
 

Teclado e mouse – Logitech MK235

Bastante confortáveis e, o melhor, sem encher a mesa de fios. Detalhes.
 

Áudio - Edifier X100B

No formato 2.1, com dois speakers e um subwoofer, possui uma qualidade de áudio muito boa. Detalhes.
 
 
Sistema operacional - Debian Sid

Aproveitei a retomada do projeto para também voltar ao Debian - não tenho absolutamente nada contra o Ubuntu, mas o Debian é a minha distro do coração. 💗

Apesar de ser chamada de “instável”, a sua ramificação conhecida como Sid está longe disso desde que sejam tomados alguns poucos cuidados. A sua grande vantagem é trazer versões bem recentes dos pacotes. Detalhes.
 

Até a próxima parte!

Comentários

Postar um comentário

Mais lidas da semana

RIP IBM