Especial Ryzen: Configuração dos arranjos RAID e finalização da montagem

Veja aqui como configurar um arranjo RAID 0 em uma placa soquete AM4, bem como a finalização da montagem do sistema com o Ryzen 7 1700.


Configurando os arranjos RAID 0

O primeiro passo para a configuração de arranjos RAID é alterar o parâmetro “SATA Mode” presente na guia “Advanced” - “Storage Configuration” do Setup, conforme vimos na postagem anterior desta série.


Inicialmente criarei um arranjo RAID 0 com dois SSDs AMD Radeon R3 de 240 GB (os mesmos que utilizava em conjunto com o meu antigo Core i7 3770K), arranjo este que será a minha unidade de boot.


Para acessar o utilitário de configuração do RAID devem ser pressionadas as teclas Ctrl + R quando a tela do firmware de armazenamento do chipset for exibida. Porém aqui tive um problema incomum: o utilitário simplesmente não entrava mesmo pressionando várias vezes a combinação Ctrl + R. Pesquisei sobre o problema sem encontrar nada conclusivo, até que resolvi testar com um antigo teclado PS/2 que tenho no laboratório (utilizo um modelo USB) e bingo! Funcionou!

Como não tenho outra placa mãe AM4 para testar não posso dizer se é um problema comum do firmware RAID da AMD ou um bug específico do firmware da ASRock Fatal1ty X370 Gaming K4. De qualquer modo resta aguardar que isto seja resolvido em uma futura atualização.

Com o teclado PS/2 conectado foi possível acessar o utilitário de configuração. O primeiro passo é ativar a opção “Initialize Disk(s)”:


Selecione as unidades que farão parte do arranjo pressionando a tecla Ins, ou a tecla A para selecionar todas:


Logicamente que todos os dados das unidades serão perdidos (faça backup antes caso tenha arquivos importantes nas mesmas!).


Selecione agora o tipo do arranjo RAID que será criado, que no meu é o 0. Caso você queira saber mais sobre as diferenças dentre os arranjos, leia esta postagem. 😉


Devemos escolher o tamanho do arranjo, que tipicamente deve ser o máximo disponível:


Escolhemos agora o modo do cache – aqui coloquei para leitura e escrita.


A última confirmação antes da criação do arranjo:


A tela de inicialização do firmware RAID da AMD:


Após criar o arranjo principal, vou agora criar um secundário também RAID 0 para armazenamento com dois discos Seagate Barracuda de 2 TB (7.200 RPM e 64 MB de cache).


Os passos são os mesmos. A única diferença é que o utilitário faz um alerta quanto à compatibilidade de arranjos de 2 TB ou mais, com uma pegadinha: deve ser pressionada a tecla Esc para permitir a criação, enquanto que a Enter limita o tamanho em 2 TB:


Arranjo RAID 0 de 4 TB criado:


Instalação do Windows 10

O programa de instalação do Windows 10 não contém driver para o modo RAID do chipset AMD X370:


Desta forma você deve baixar o driver RAID (que no caso da ASRock chama-se “SATA Floppy Image”) e copiá-lo em um pendrive, de modo a carregá-lo durante a instalação. Como eu utilizo o instalador do Windows 10 em um pendrive criado com o Rufus, deixo o driver no mesmo pendrive para facilitar o processo. Basta clicar em “Carregar driver” e apontar para a pasta onde o mesmo encontra-se.


Finalização da montagem

Com os arranjos RAID criados e o sistema operacional instalado, é hora de finalizar a montagem: instalei a segunda placa de vídeo Gigabyte GeForce GTX 1070 e a ponte SLI HB que acompanha a placa mãe.


Este PC Ryzen também concentrará as tarefas de captura de vídeo em conjunto com a placa AverMedia C127:


Detalhe da placa AverMedia instalada no último slot PCIE x1:


Aqui vemos a placa Comtac SATA instalada no primeiro slot PCIE x1. Esta placa possui duas portas SATA-300 que farão interface com as minhas unidades ópticas, poupando assim duas das seis portas SATA-600 presentes na placa mãe.


A janela lateral em acrílico do gabinete Corsair Carbide Air 540:


O painel traseiro:


E finalmente o painel frontal. Para esta configuração não resisti à tentação de colar os adesivos do Ryzen, da ASRock e das memórias Kingston HyperX. 😀


Contar com 16 threads é uma delícia para tarefas como encodar vídeos e rodar diversas máquinas virtuais ao mesmo tempo. 😛


É isto aí! Na próxima postagem da série a parada vai ficar séria, com o overclock do Ryzen e a comparação com o antecessor Core i7 3770K. Até!

Próximo:
Especial Ryzen: Overclock e Benchmarks

Anterior:

Comentários

  1. São seria mais sensato com os HDs de 2tb criar um RAID 1 ao invés de RAID 0, visto a quantidade de informações e a segurança adicional?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida a preocupação quanto à segurança dos dados é válida.

      Tenho backups em dois outros PCs na rede e os dados mais importantes também ficam em um HD externo, assim optei pelo RAID 0 devido à performance: é neste arranjo que ficam as minhas máquinas virtuais, além dos arquivos de vídeo e imagens que edito.

      Excluir
  2. Se os HDs forem usados pra guardar material de gloriosa e jogos concordo plenamente com o RAID 1, além de vários backups. Mas se for coisa sem importância, tipo comprovantes de pagamentos e dados da declaração da Receita, vai de RAID 0, mesmo :D

    ResponderExcluir
  3. Me deparei com o problema de não conseguir acessar a opROM do controlador RAID numa Asus AM3+ com teclado USB. Se você deixa, no menu "Boot", "Fast Boot" habilitado, tem que configurar logo abaixo "USB Support" como "Full Initialization". Funcionou comigo. Segundo o manual, o padrão "Partial Initialization" deveria fazer teclados funcionarem, mas não foi o caso aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, na minha placa mesmo com o Fast Boot desabilitado acontece o problema. A ASRock liberou a versão 3.0 do firmware, vou atualizar para ver se resolve.

      Excluir

Postar um comentário