O mito 80486 (Parte 5 – Benchmarks clássicos do Intel DX2 com o barramento PCI)

Será que a mudança de barramento do VLB para o PCI trará algum ganho para o intrépido Intel 80486 DX2 de 66 MHz? Confira aqui nesta postagem especial!

O Doom é o mais novo integrante do rol de benchs clássicos


Antes de prosseguirmos vale a pena dar uma olhada em algumas postagens relacionadas a esta. Uma delas é a página de compilação de benchmarks que facilita bastante a comparação dentre os sistemas clássicos já avaliados. Também é interessante dar uma olhada na configuração do DX2 com a placa mãe PCI, com a placa mãe VLB e finalmente os benchmarks com esta última.

Partindo para os testes, como sempre inicio com as telas de configuração do sistema do Norton System Info (NSI) 6.01. Curiosamente o utilitário não identificou que a placa mãe conta com o barramento PCI: observe a linha Bus Type:



As informações da placa de vídeo, uma Trident 9680 PCI com 1 MB de VRAM.



As interrupções de hardware:



Mas vamos aos resultados! Para facilitar a compreensão, nominarei os resultados como “PCI” e “VLB” apenas. No índice de CPU do NSI o DX2 PCI teve um resultado 87% superior ao VLB (sinceramente, não acredito muito neste número):



No índice de disco o Quantum Fireball de 620 MB que equipa o PCI foi 16% mais rápido do que o guerreiro WD Caviar de 420 MB do VLB:



No índice geral o PCI foi 81% superior. Novamente um número sem muita credibilidade (muito provavelmente seja algum bug do NSI):



No teste gráfico Superscape o PCI foi 9% mais rápido do que o VLB:



No índice de CPU do SpeedSYS o PCI e o VLB ficaram tecnicamente empatados, com diferença inferior a 1%. Como curiosidade, note que a BIOS desta placa possui o famoso bug do milênio (veja a linha em vermelho “Year2000 Bug”), que tanto assombrou a humanidade na década de 1990.



No Chris´s 3D a diferença entre os dois foi de meros 4%.



Abrindo um parêntese, fiz um vídeo curto que mostra estes ancestrais do 3DMark. Confiram e curtam! :p


Uma baixa importante aqui foi o PC-Config, que não rodou nem com reza brava no DX2 PCI:

Tela exibida quando era executado o PC-Config


Em compensação para esta postagem adicionei mais dois benchmarks - um deles é o Doom (Demo 2). Este jogo infelizmente não foi testado no VLB, porém se comparado com o 80386 DX-40 o DX2 PCI foi nada menos do que 391% superior. Realmente não há como jogar Doom em um 386, não é à toa que este jogo foi um dos grandes responsáveis por incontáveis upgrades de 386 para 486 no início dos anos 1990... :-)


Estes resultados representam cerca de 30,49 FPS


O outro utilitário incluído foi o Super Pi 1M, que levou quase uma hora e meia para terminar:

Quase uma hora e meia para concluir o Super Pi 1M :-)


Concluindo, acredito que foi possível verificar que o PCI representa uma evolução em relação ao VLB, mas nada acentuado. Portanto se você, caro leitor entusiasta de retrocomputing, tiver o seu 486 de estimação em uma placa mãe VLB não precisa sair descabelado para comprar uma PCI, até mesmo pela dificuldade cada vez maior de encontrar componentes clássicos com um preço justo.

Próximo:

O mito 80486 (Parte 6 – O Cyrix 80486 DX2 de 66 MHz e benchmarks clássicos)

Anterior:

Comentários

  1. Interessante. E nos livros que eu lia por 1995,1996 e 1997 falavam que era uma gigantesca diferença entre Vesa Local Bus e PCI... Mas vimos agora que deu uma mudada, mas não tão grande assim igual aos autores que escreviam livros naquela época....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O maior problema do VLB não era tanto a performance, mas sim algumas limitações impostas pelo seu design. Veja:
      http://www.michaelrigo.com/2014/07/historia-barramentos-expansao-pc-parte3.html

      Excluir
  2. Livros da editora Erica e uns que eram publicados pelo jornal O estado de são paulo.... bem didáticos por sinal.

    ResponderExcluir

Postar um comentário