Dual boot transparente

Está cansado dos problemas do sistema das janelinhas, mas precisa mantê-lo no PC por algum motivo? Veja como fazer um dual boot “transparente” em PCs com firmware UEFI, de modo em que você quase se esquece de que ele (ainda) está lá!



O primeiro passo é, logicamente, fazer o dual boot propriamente dito. Com os dois sistemas operacionais devidamente instalados o gerenciador de boot GRUB exibe um menu a cada vez em que o PC é iniciado, para escolher o sistema que será carregado.

Como a ideia aqui é deixar o Windows em um claro segundo plano devemos editar o comportamento do GRUB. Para tanto, entre no seu Linux (como vocês provavelmente devem saber, aqui eu uso o Debian 11) e editem o arquivo de configuração do GRUB:

$ sudo nano /etc/default/grub

No arquivo altere apenas a linha GRUB_TIMEOUT para o valor zero, como mostrado abaixo:


Salve e feche o arquivo (no editor de texto nano use Ctrl+O e Ctrl+X). Agora devemos atualizar a configuração no GRUB, o que pode ser feito pelo comando:

$ sudo update-grub


Pronto! Agora o PC irá automaticamente carregar a sua distribuição Linux, e ainda por cima reduzindo o tempo de boot! 😎

Preciso entrar no Windows, e agora?

Para entrar no sistema do tio Bill acesse o utilitário de configuração da placa-mãe (geralmente pressionando as teclas DEL ou F2 ao iniciar o PC), localize as opções de boot e escolha o Windows Boot Manager. O nome da opção pode mudar conforme o modelo e fabricante da placa, mas o procedimento é o mesmo.


O PC carregará o Windows, mas na próxima inicialização abrirá a sua distribuição Linux automaticamente.

No meu caso cansei de sofrer com os bugs do Windows 11 em sistemas Ryzen (recentemente a AMD declarou que vai “investigar” os problemas…) e abracei definitivamente o Debian 11 com o KDE como o meu sistema operacional principal. Engasgos nunca mais!

Todas as minhas necessidades de aplicativos estão resolvidas, seja com o uso de opções de software livre ou por virtualização – estou desenvolvendo um software no Visual Studio 2022 totalmente em uma máquina virtual. No lado dos jogos o Proton faz um trabalho fenomenal, se bem que por falta de tempo ando jogando cada vez menos.

Mantive o Windows 10 no PC (vade retro Windows 11! 👹) apenas para usar a minha placa de captura que não tem driver para Linux (nem para Windows ela tem bom suporte, visto que o seu último driver é de 2012 feito para o Windows 8, mas que funciona no 10), e porventura para jogar algum título que não funcione de jeito nenhum no Proton.

Comentários

  1. Dica bastante interessante! Infelizmente não é tão fácil assim nos livrarmos do Windows, principalmente para quem gosta de jogar no PC e depende de outros tipos de softwares que rodam somente nele! Por esse motivos que eu opto pelo Dual Boot até hoje!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais lidas da semana

AGP Beast #3