Eu tentei, Microsoft!

Sim, eu juro que tentei usar o Windows 11 com maior regularidade. Mas um novo bug me fez repensar a decisão.


Como eu expliquei nesta postagem, estou iniciando um novo projeto de software no Visual Studio 2022 e assim ao menos durante o desenvolvimento do mesmo usaria o Windows 11 como o meu sistema operacional principal. Oohhhh, que legal!

Desde imemoriáveis tempos tenho o costume de trabalhar ouvindo música, seja pelo Spotify ou mesmo com os velhos e bons CDs de áudio, e um comportamento bizarro acontecia de vez em quando: a música em execução dava uma picotada de um ou dois segundos e voltava ao normal, mesmo sem nenhuma carga no equipamento.

Sem dúvida é algo imperdoável para um PC com processador de 32 threads e 64 GB de RAM, com o sistema operacional e softwares instalados em um SSD PCI Express 4.0. A princípio achei que fosse algo relacionado com o driver do codec de áudio (que na minha placa-mãe é um Realtek ALC1200), mas após pesquisar descobri que, na verdade, o problema está relacionado à combinação Windows 11 com o firmware TPM 2.0 da AMD, e que a reclamação é geral ao redor do mundo.

Pouco me importa se o problema é da AMD, da Microsoft ou de ambas. Vão à merda porra!

Assim resolvi voltar para onde jamais deveria ter saído, o meu amado Debian! Só que agora com uma novidade: entra o KDE Plasma no lugar do Gnome como interface gráfica. Enquanto que no Gnome faltam opções e temos que recorrer a extensões, no KDE tudo pode ser configurado até nos menores detalhes. Para os “micreiros” das antigas considero a melhor interface do mundo Linux.

Para o meu ambiente de desenvolvimento recorri a uma máquina virtual parruda, com 16 GB de RAM e oito núcleos para o processador. E no Linux o VirtualBox pode usar a interface KVM nativa do próprio kernel, o que faz a máquina virtual ficar bastante rápida! Claro que o fato do disco virtual estar fisicamente alocado em um SSD (em um WD Blue SN550, que é a minha unidade secundária) certamente ajuda.


Ah, como é bom contar com um sistema operacional elegante, visualmente ainda mais bonito (cortesia do KDE) e sólido como uma rocha… Windows 11? Definitivamente passo, ao menos no meu PC de produção.

Comentários

  1. Eu estou usando o sistema desde o lançamento praticamente e, por enquanto, não tenho reclamações! Qual software você usa para ouvir música? Eu geralmente uso o VLC e não notei essas "picotadas" durante a leitura dos arquivos de áudio e vídeo! E uso em um PC com processador AMD Ryzen e 12GB de RAM. O KDE realmente é o melhor Desktop do mundo Linux (eu gostava bastante do antigo KDE 3.5).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. https://www.reddit.com/r/Windows11/comments/sccict/amd_ftpm_causes_random_stuttering_issue/

      Tive exatamente os mesmos sintomas relatados nessa thread, em qualquer reprodutor.

      Excluir
    2. O KDE 3 me faz lembrar na hora do velho e bom Kurumin Linux, que com certeza foi a porta de entrada para uma galera. Grande Morimoto!

      Excluir
    3. A primeira distro que usei de maneira séria foi o Red Hat 9 (a última versão gratuita dele) em dual boot com Windows ME! Depois migrei para o Slackware usando a distro em máquina física até a versão 13.37 (sim, existiu uma versão com essa numeração maluca - rsrsrs). Depois disso finalmente migrei para Debian e Ubuntu (uso as duas)! Nesse meio tempo cheguei a usar algumas versões do Kurumin em Live CD (5.1, 6.1 e 7.0) e achava o sistema fantástico e acessível. Pena que não deram o devido valor ao trabalho do Morimoto, infelizmente ele desistiu da T.I., hoje em dia o site que era dele (www.hardware.com.br) caiu bastante em qualidade! :(

      Excluir
    4. A primeira distro que usei foi o Conectiva 2.0 Marumbi lá em 1998... depois passei pelo Mandrake, Kurumin, Ubuntu (e derivados) e finalmente o Debian.

      https://www.michaelrigo.com/2014/10/minha-experiencia-pessoal-linux-parte1.html
      https://www.michaelrigo.com/2014/11/minha-experiencia-pessoal-linux-parte2.html

      Excluir
    5. Até agora a melhor distro pra mim é o Zorin OS, no qual a M$ "se inspirou até demais" pra fazer a interface do seu W11.

      Ainda não consegui me desapegar das distros baseado no Ubuntu, isso é desde 2008, vício!

      Excluir
    6. Também não consigo sair das distros Debian-like, desde a época do Kurumin.

      Excluir
  2. Respostas
    1. É phoda! Mas tudo tem um lado bom... foi por causa do Ruindows 11 que eu redescobri o KDE, que não usava desde a época do Kurumin!

      Excluir
  3. Esqueci de mencionar no texto, mas também em jogos o problema acontece. A taxa de quadros por segundo trava por um ou dois segundos e depois volta ao normal. Uma caca!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não testei o Windows 11 com jogos nativos (só com emuladores de outros sistemas), pois o uso primário do note que está com ele instalado é trabalho! No fim de semana instalo alguma coisa e testo para ver...

      Excluir
  4. O Windows 10 estava bem. Um dia resolveu fazer uma cirurgia plástica pra se sentir mais “moderno”, então decidiu ir numa antiga clinica que conhecia há tempo, mas o antigo dono não trabalhava mais lá, era meio diferente agora, (eu acho que os caras lá são meio picaretas).
    Mas com o desejo de se sentir melhor, pensou: “tudo bem, faço assim mesmo!”
    Cara! Ele passou por cirurgia, acordou com cara de 11, mas teve tantas complicações que morreu no dia seguinte!
    Era tão mais feliz quando era 10!!!

    ResponderExcluir
  5. Eu NUNCA uso sistema operacional recém lançado. A Microsoft faz esses usuários serem beta testers de graça, basicamente. Daí esses usuários é que quebram a cara com bugs, incompatibilidades, gambiarras, etc. Até hoje eu uso Windows 8.1 no meu Notebook de trabalho (Um Positivo com Celeron N3010, 8GB de Memória RAM e 500GB de HD mecânico) e Windows 7 no meu I5 4570 e 8GB de RAM, vídeo onboard e HD mecânico, que eu mal uso por falta de tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "A Microsoft faz esses usuários serem beta testers de graça"

      Ela faz isso em dois grandes grupos: os beta testers voluntários e não remunerados (Windows Insider) e os involuntários (os early adopters). 😁

      Excluir
    2. W8.1 é ótimo, excelente substituto do W7 ainda com suporte até ano que vem, o menu tenebroso é facilmente substituído instalando o startisback (no qual tem a versão pro W10 que eu uso inclusive), e é super leve pra quem tem fósseis em casa (Pentium Sandy Bridge pra pras) pra trás).

      Eu usava o 8.1 até 2017, me servia muito bem, até achava melhor que o W7 que já me incomodava o visual extremamente "acrílico, envidraçado" que era moda nos fins dos anos 2000

      Excluir
    3. Rigo, quando puder, faça um review com aqueles SSD Goldenfir barato do Aliexpress, ainda sendo SATA, se já tiver feito, me passa o link.

      Eu comprei um por 81 reais de 128GB só pra colocar Windows mesmo, estou achando ótimo, se comporta como um SSD normal, vamos ver até quando vai funcionar né, rsrsr!

      Excluir
    4. Testei um de 32 GB e os resultados foram péssimos. Mas é praticamente certo que internamente devem ser componentes completamente diferentes, mantendo apenas o mesmo "nome fantasia".

      https://www.michaelrigo.com/2017/09/primeiras-impressoes-ssd-generico.html
      https://www.michaelrigo.com/2020/05/chinadisk-retorno.html

      Excluir
    5. "W8.1 é ótimo, excelente substituto do W7"

      Sim, com certeza. O Windows 8.1 é um pouco mais pesado que o Windows 7, mas o Win 8.1 ainda tem suporte da Microsoft. E o Win 8.1 não precisa desesperadamente de um SSD além de não ter Windows UPDATE OBRIGATÓRIO como faz o Windows 10. Para ter o menu iniciar no Win 8.1 eu instalei o Classic Shell.

      Uma curiosidade é que a partir da 7ª geração da arquitetura Core da Intel só existem drivers para Windows 10 ou seja, esta é uma forma de inviabilizar o uso do Windows 8.1 hoje em dia em processadores razoavelmente atuais. A AMD com certeza deve ter combinado com a Microsoft algum golpe semelhante.

      Excluir
  6. Aqui continuo com o Windows 10 21H2, funcionando perfeitamente no meu Xeon velho de guerra, não pretendo trocar de sistema até o Tio Bill me obrigar, está funcionando muito bem.

    Agora que o W10 atingiu a maturidade com dezenas de att, inventaram esse W11 pra ganhar mais alguns trocados em novas licenças, já que, W10 roda ótimo até em Core 2 Duo e Phenom II, grana sempre é bom né.

    W10 21H2 funciona melhor que a versão LTSC 2019 que tinha adotado como versão definitiva, como o 21H2 será a última grande att, será meu novo LTSC espiritual.

    Daqui uns 2-3 anos, quando montar meu novo PC, talvez largo a mão do W10, por enquanto, vou ficar nesse.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lá nos anos 90 chamavam isso de "efeito Wintel", pois cada nova versão do Windows levava a uma onda de upgrades.

      É a história se repetindo.

      Excluir
  7. Estou tendo o mesmíssimo problema com o Windows 11 num Ryzen 7. Mas já deixei o Windows apenas para tarefas secundárias e meu SO principal é o Linux.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora no Debian estou rodando o Chrome (com umas 15 abas abertas), duas VMs do VirtualBox (uma delas com o Windows 10 compilando um projeto no Visual Studio 2022 - essa VM tem oito núcleos virtuais para o processador e 12 GB de RAM) e renderizando um vídeo no DaVinci Resolve, enquanto ouço música no Spotify.

      Nada de engasgos, lentidão e áudio picotado. E sem a patifaria de TPM (isso para mim significa outra coisa que igualmente dá muito problema... rsrs), secure boot e afins.

      Excluir
    2. Lembrando que o Debian suporta Secure Boot desde a versão 10.

      Excluir
  8. https://www.amd.com/en/support/kb/faq/pa-410

    Agora vai.

    ResponderExcluir
  9. Eu fiz a burrada de instalar esse W11 quando o pop-up apareceu...

    Meu problema é com o scanner. Tenho uma HP 1516 velha de guerra que, depois do W11, não funciona mais o scanner.

    Tenho que reinstalar o driver toda vez que vou usar o scanner. A impressão está certinha, mas o scanner é um parto...

    Tenho saudades do Linux Mint, que usei por uns anos. Talvez volte pro linux ainda esse ano.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais lidas da semana

RIP IBM