Kepler Beast (Parte 3 – Over & Benchs & Games)

Na terceira parte do especial sobre a besta, mostrarei como foi o seu comportamento em overclock, nos benchmarks e em jogos. Será que é possível jogar com quatro GPUs? Com vídeo! 😀

Aos que ainda não viram, a seleção dos componentes do Kepler Beast está na primeira parte da série, enquanto que a montagem é mostrada na segunda.  

Core i7 monstrinho

Os processadores Intel de segunda e terceira geração para o soquete LGA 1155 são excelentes para a prática do overclock, talvez os melhores chips já lançados neste quesito. O meu exemplar do Core i7 3770K atingiu 4,5 GHz apenas subindo o seu multiplicador, com ínfimos 1,32 V de tensão de alimentação. Considerando que originalmente este processador roda a 3,4 GHz, é algo espetacular!

Como mencionei na segunda parte, na placa-mãe Asus Sabertooth Z77 os módulos de memória funcionaram no máximo a 2000 MHz, o que ainda é uma boa marca.


Já a solução de refrigeração Cooler Master Hyper 212 RGB foi plenamente capaz de manter a temperatura do 3770K em overclock sob controle. Em plena carga, o chip chegou a pouco mais de 70 graus Celsius. Excelente!

Benchs

Como sempre costumo fazer, colocarei o resultado de dois extremos que mensuram o desempenho sintético do processador: o novo Cinebench R20 e o clássico Super PI – neste último o 3770K em overclock atingiu o melhor desempenho dentre todos os chips que já testei. 😲


Tendo em vista a facilidade e a baixa tensão requerida, os ganhos com o overclock foram excelentes. Aos que possuem um processador desta linha, o overclock pode expandir ainda mais a vida útil destes chips, permitindo aos mesmos obter um nível de desempenho equiparável ao de processadores mais recentes.

Teste Stock Overclock Diferença
PCMark 10 (Score) 3681 4042 8,93%
3DMark Time Spy Extreme (Score) 683 688 0,73%
3DMark Time Spy (Score) 5922 6182 4,21%
3DMark Fire Strike Ultra (Score) 208 221 5,88%
3DMark Fire Strike Extreme (Score) 8943 9050 1,18%
3DMark Fire Strike (Score) 14555 15156 3,97%
3DMark Sky Diver (Score) 27368 32360 15,43%
3DMark 11 (Score) 17544 18454 4,93%
3DMark Vantage (Score) 39926 45916 13,05%
3DMark 06 (Score) 25387 28743 11,68%
3DMark 05 (Score) 32050 35352 9,34%
3DMark 03 (Score) 24232 24278 0,19%
3DMark 2001 SE 50645 57315 11,64%
Cinebench R15 CPU (CB) 706 815 13,37%
Cinebench R15 CPU Single Core (CB) 142 165 13,94%
Cinebench R20 CPU (CB) 1505 1753 14,15%
Cinebench R20 CPU Single Core (CB) 294 345 14,78%
CPU-Z Multi Thread (Score) 1875,1 2167,9 13,51%
CPU-Z Single Thread (Score) 358,6 436,2 17,79%
7-Zip Multi Thread (MIPS) 29008 33376 13,09%
7-Zip Single Thread (MIPS) 3926 4420 11,18%
Super PI 1M (Segundos) 9 8 -12,50%
Unigine Heaven (Score) 2802 2823 0,74%
Unigine Valley (Score) 3707 4426 16,24%
Unigine Superposition (Score) 5120 5101 -0,37%
V-Ray CPU (Ksamples) 3932 4382 10,27%
Handbrake (Segundos) 798 700 -14,00%

Como podemos ver na página de comparativo dos benchmarks, o 3770K rodando a 4,5 GHz travou uma boa batalha com o Ryzen 5 1400, um processador que também conta com quatro núcleos e oito threads, porém é bem mais recente.

O Kepler Beast apenas não foi competitivo nos testes gráficos em 4K, como o Time Spy Extreme:

Isto é devido ao fato de que cada placa de vídeo GeForce GTX 690 conta com apenas 2 GB de VRAM (1 GB para cada GPU), e em SLI a VRAM não é somada: o arranjo final fica com os mesmos 2 GB, mesmo com quatro GPUs. Isto certamente é um fator limitante em resoluções maiores.

Aproveito para deixar também os resultados obtidos pelas unidades de armazenamento, começando pelo SSD Maxtor Z1:

E o do disco rígido WD Blue, que obteve um resultado bem interessante para um disco mecânico.

Besta Gamer

Mas será que é possível jogar com quatro GPUs no mesmo PC? Até é possível, apenas com a ressalva de que atualmente cada vez menos jogos suportam mais de uma GPU. Avaliei com dois títulos comprovadamente capazes de fazer uso de todos os chips gráficos: o GTA V e o Battlefield 1, ambos em 1080p e com os ajustes gráficos no nível alto. Testei também com o Doom, que em OpenGL suporta até duas GPUs.

De um modo geral é perfeitamente possível jogar com a besta, a taxa de quadros por segundo ficou quase sempre na casa dos 60 quadros, entretanto chamou-me a atenção a ocorrência de alguns stutterings eventuais. Realmente não deve ser nada trivial para a engine dos jogos fazer a distribuição do processamento ao longo de quatro GPUs e manter um perfeito sincronismo.

Certamente que ninguém em sã consciência montaria um PC como o Kepler Beast para jogar atualmente.

Até o próximo projeto!

Comentários