Montando o PC CrossPhenom (Parte 6 – Fenão gamer)

No derradeiro episódio desta primeira temporada da série CrossPhenom, mostrarei que ainda é possível jogar títulos atuais com o bravo 1090T anabolizado. Confiram comigo!


Recapitulando a série CrossPhenom, na primeira parte eu mostrei os componentes (ainda com o Phenom II X6 1055T), na segunda a montagem, na terceira a análise de desempenho, na quarta o upgrade para o 1090T e, por fim, na quinta o overclock da lenda, que é a configuração usada aqui.

Na presente parte eu demonstrarei que sim, ainda é possível se divertir em alguns jogos atuais em 1080p usando um processador lançado há nove anos como o Phenom II X6 1090T, ainda mais em overclock. Vamos lá!

Esses tomam Crossfire

Max doidão

Este jogo é um exemplo de título com uma otimização fina, que faz pleno uso de quaisquer recursos que o PC possa oferecer. Ele deveria ser um exemplo aos preguiçosos desenvolvedores que infelizmente são a maioria no mercado.


Notem que o jogo tira pleno proveito das duas Radeon HD 7850:


Acharam que eu obtive esse desempenho com tudo na qualidade baixa? Muito pelo contrário! 😎


Grande ladrão de Opala V

Apesar de muitos torcerem o nariz, eu considero o GTA V um título que contém uma otimização bem razoável, ao contrário do antecessor IV que certamente merece o prêmio de pior otimização de todos os tempos.

Notem que aqui o processador é mais exigido, e desta forma é o 1090T que está “gargalando” as duas Radeon:


Isto posto, podemos fazer alguns ajustes para lidar com isso, como diminuir a densidade e a variedade demográfica que demandam muito processamento e até mesmo aumentar a qualidade das texturas e habilitar o FXAA, de modo a “dar mais trabalho” para as GPUs:


Nas áreas com menor densidade do mapa o jogo fica muito fluído, superando os 100 FPS:



Porém dentro da cidade o bicho pega um pouco para o Fenão (notem o uso dos núcleos), mas mesmo assim ele consegue manter a taxa sempre próxima dos 60 quadros, o que é muito razoável:



Bérou 1

Assim como o GTA, esse jogo “esmaga” o mito 1090T sem dó:


De forma análoga ao que fiz com o GTA, aqui também foi possível aumentar a qualidade gráfica de baixa para média mantendo o mesmo nível de performance, uma vez que as Radeon ainda tinham um pouco de gás sobrando.


O jogo fica na casa dos mágicos 60 FPS na maior parte do tempo, muito bom!


Em áreas mais abertas a taxa cai um pouco...


... enquanto que nas mais fechadas ela sobe:


Esses não tomam Crossfire

Infelizmente o bicho pegou em jogos que não fazem uso de mais de uma GPU, que são cada vez mais a tendência atual.

Bérou V

Por pura preguiça da EA o novo Bérou não manteve o bom suporte a mais de uma GPU (pelo menos no DirectX 11) que havia no seu antecessor. Até deve ter uma gambiarra forma para habilitar o Crossfire nesse jogo, mas sinceramente estou um pouco de saco cheio de ir atrás disso depois de muito pedalar com o SLI.


Mesmo com apenas uma das Radeon sendo usada, até que é possível manter um mínimo de desempenho para jogar com algum conforto. Notem que esse jogo é menos dependente da CPU do que o anterior.


Até que os gráficos continuam bem bonitos, apesar da qualidade gráfica estar na mais baixa:



Com apenas uma das GPUs sendo utilizada, não há muito o que fazer.


Duum

Tanto em OpenGL quanto no Vulkan o resultado é o mesmo: o Crossfire não é ativado e não dá para sair da casa dos 40 FPS, ao menos em 1080p. O interessante é que o meu antigo SLI ao menos funcionava no OpenGL.


Nas áreas abertas fica ainda pior, caindo para o nível de desempenho “console-like”. 😁


Não há milagre.


Conclusão

De um modo geral, o Phenom II X6 1090T em overclock para 3,8 GHz se saiu melhor do que eu esperava em jogos lançados bem depois dele. É claro que para um processador de 2010 ele já começa a mostrar o peso da idade, mas eu diria que ele envelheceu razoavelmente bem.

Certamente que o X6 vai “gargalar" uma GPU intermediária atual como uma Radeon RX 570, muito embora acredito que ele ainda conseguiria entregar bons 60 FPS em praticamente qualquer jogo. Este pode ser um caminho de upgrade parcial muito interessante, até ser possível substituir o bravo Fenão pelo seu descendente direto Ryzen.

Comentários

  1. Vendo os resultados dos benchmarks e das jogatinas fica claro o quão bom eram os Phenom, e mesmo quando ele perde pro FX não é por grande margem. Parabéns aos projetistas, só espero que não tenham sido os mesmos que depois cometeram o FX, porque seria doloroso demais pra todos os envolvidos, vulgo nós, eles próprios e a AMD.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pena que na época eu não tive um Phenom II X6, mas felizmente consegui reverter esta frustração agora! :p

      E pior que teve muita gente que trocou o X6 pelos FX 6100/6300, pensa numa cagada!

      Excluir
  2. oi, eu dei uma lida em tudo no blog sobre os phenom e eu possuo exatamente o 1090t com o t2 queria fazer overclock nele mas não sei mexer muito com isso tenho pesquisado pra saber, porém li em algum lugar que a temperatura dele pra trabalhar tranquilo era de 62º nao tem problema fazer esse over e manter ele acima disso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se faz tempo que o cooler está instalado, é interessante trocar a pasta térmica pois com o tempo ela vai ressecando e perde a eficiência. Com isso você já pode ganhar alguns graus a menos de temperatura.

      Eu recomendo subir a frequência sem alterar o Vcore, no meu consegui 3.8 GHz assim e ficou muito bom. A temperatura de 62 graus recomendada pela AMD é a Tcase, ou seja, aquela dentro do gabinete.

      A temperatura máxima do encapsulamento não encontrei em lugar algum, assim pela minha experiência pessoal, se ficar abaixo dos 80 graus em plena carga está de bom tamanho.

      Excluir
  3. E eu esqueci de escrever acho, mas gostei muito disso sobre o phenom que você fez. Muito bacana ter umas reviews e testes em ptbr de processadores antigos assim.

    ResponderExcluir

Postar um comentário