Montando um PC de captura

Das cinzas do meu antigo servidor doméstico surgiu um equipamento dedicado para a tarefa de capturar imagens e vídeos. Confira aqui as minhas escolhas e a configuração em detalhes.



Processador – Intel Celeron G1610

Como infelizmente o zumbi Core i7 2600K não voltou à vida totalmente, vou ter que ir mesmo com o Celeron G1610 que equipava o servidor.



Apesar de simples, o G1610 não é ruim. Conta com a microarquitetura Ivy Bridge, roda a 2,6 GHz e possui 2 MB de cache, além dos conjuntos de instruções utilizados por muitos programas de captura e edição de vídeos tais como o SSE 4.X.



Sua única grande desvantagem é ser completamente “capado” pela Intel em termos de overclock – com o multiplicador travado, a única forma de subir a sua frequência é aumentar o clock base da placa mãe (BCLK), o que gera muito mais implicações de estabilidade uma vez que todas as demais frequências do sistema também são alteradas, tais como o barramento da RAM e do PCI Express. Desta forma, não pretendo fazer overclock. Caso o Celeron comece a “gargalar” compro um Core i5 2500K usado e boa.




Placa mãe - Gigabyte Z68X-UD3-B3

Eis uma placa muito estável e bem construída, baseada no chipset Z68 que por certo tempo foi o carro chefe do soquete 1155. Conta com duas portas SATA-600 e quatro SATA-300 controladas pelo Z68, além de mais duas portas SATA-600 controladas pelo chip Marvell 88SE9172. As demais características básicas são as seguintes:

  • Quatro slots de memória DDR3 até 2133 MHz;
  • Quatro portas USB 3 controladas por dois chips Etron EJ168, além de 14 USB 2 controladas pelo Z68;
  • Codec de áudio Realtek ALC889;
  • Interface de rede Gigabit Ethernet controlada pelo chip Realtek RTL8111E;
  • Um slot PCIE 2.0 x16/x16 e um x16/x8 com suporte a Crossfire e SLI;
  • Três slots PCIE x1;
  • Dois slots PCI de legado.




O painel traseiro, da esquerda para a direita: porta PS/2 para mouse e teclado, 8 portas USB 2 (vermelhas), interface S/PDIF, porta IEEE 1394, duas portas USB 3 (em azul), conector RJ-45 e seis conectores de áudio analógico.



Paguei 300 reais nesta placa no final de 2011 – e olha que ela possui o chipset topo de linha na época e suporte ao SLI. Hoje uma placa mãe com SLI custa uma pequena fortuna.



Placa de vídeo – AMD Radeon HD 5770 XFX

A série HD 5000 da AMD foi pioneira no DirectX 11 e dentre elas a HD 5770 era a campeã do custo x benefício. Conta com 1 GB de VRAM GDDR5 acessada a 128 bits e interface PCIE 2.0 x16. Quem sabe um dia eu não compre outra usada para brincar com um Crossfire. :-)



Eis as especificações completas da HD 5770. Servirá perfeitamente para o propósito do equipamento.



A lendária GPU AMD Juniper e os quatro chips de memória GDDR5 Samsung (removi a solução de refrigeração para limpeza).



RAM – 8 GB Geil Enhance Corsa DDR3-1600 (2x 4 GB)

Estes módulos estavam “sobrando” desde que ampliei a RAM do PC Principal para 32 GB. São de boa qualidade e 8 GB é uma quantidade razoável para o propósito.



Eis as suas especificações:



Armazenamento – um "catadão"

Para capturar vídeos e imagens quanto mais espaço melhor. Assim peguei todos os discos que estavam sobrando com capacidade mínima de 500 GB, além de um SSD Kingston V300 para agilizar a carga do sistema operacional. Da esquerda para a direita:

  • Disco rígido WD Caviar Black de 500 GB, 7.200 RPM, 32 MB de cache, SATA-300;
  • Disco WD Caviar Green de 1 TB, 5.400 RPM, 32 MB de cache, SATA-300;
  • Disco Samsung de 1,5 TB, 5.400 RPM, 16 MB de cache, SATA-300;
  • SSD Kingston V300, 60 GB, SATA-600.



Fonte – C3Tech DSA-500VE de 500 W

Não é a melhor do mundo e tampouco a mais desejada, mas serve ao propósito visto que a potência dissipada pelo conjunto é de apenas 259 W.



Gabinete - Thermaltake Armor VA8000B

Realmente este gabinete é uma verdadeira armadura! Grande e espaçoso (e pesado), possui uma profusão de baias de expansão: seis de 5,25”, três de 5,25”/3,5” e mais três de 3,5”. Os seus pontos negativos são relacionados à idade do seu projeto, visto que não conta com baias de 2,5” para SSDs, portas USB 3 externas e o gerenciamento de cabos inexiste. Por outro lado, a sua refrigeração é excelente: uma ventoinha de 250 mm lateral, mais duas de 120 mm e duas de 92 mm internas.





Cooler da CPU – Cooler Master Hyper N620

Sem dúvida trata-se de um overkill para um simples Celeron G1610 em stock, mas era um pecado deixa-lo parado.





Placa de captura - AverMedia Game Broadcaster HD C127

Logicamente esta é a grande estrela da configuração. Todos os detalhes dela estão aqui.





Sistema operacional – Windows 8.1 Pro

Estava sobrando uma chave desse sistema sem uso... o qual depois do Update 1 até que ficou melhorzinho. Não pretendo atualizá-lo para o Windows 10.





Montagem

Eis aqui o sistema na bancada para testes preliminares e instalação do sistema operacional. Pegou de prima! :p




Ao fundo o 80386 DX manda lembranças :-)

O Thermaltake Armor desmontado e limpo, como novo:




Aqui já com a placa mãe, fonte e algumas ventoinhas instaladas. Este gabinete é bastante espaçoso.




Instalando a placa de captura em um slot PCIE x1:




Com tudo montado é visível que realmente não há um gerenciamento de cabos no Armor VA8000B. A seta laranja indica o posicionamento da placa de captura, que ficou escondida entre o cooler e a placa de vídeo.




Finalizando, esta é a máquina que terá a nobre missão de capturar e armazenar as imagens dos PCs antigos, que são as verdadeiras estrelas desta humilde publicação. E o melhor: foi feita totalmente com peças reaproveitadas. Tirando a placa de captura, não precisei comprar mais nenhum componente sequer - eis uma ótima forma de reaproveitar sobras de upgrades e componentes sem uso.


Veja também:

Comentários