Games que eu jogo (3): The Walking Dead – PC

Assim como a famosa série televisiva, o jogo The Walking Dead também é ambientado nos quadrinhos de Robert Kirkman e mostra um mundo pós-apocalipse zumbi. Porém ele não é apenas “mais um jogo de zumbis” como tantos outros que infestam o mercado e possui os seus encantos próprios, a começar pelo seu formato, que traz de volta o estilo Point And Click que andava meio esquecido dentre os jogos para PC. Confira aqui a resenha RETROWARE deste título!



Bem-vindo ao fim do mundo

Até o momento em que escrevo foram lançados duas temporadas para o jogo. Na primeira você é Lee, um assassino condenado (por matar o amante da mulher) quando há o início do apocalipse zumbi. Na sua jornada pelo mundo tomado pelos walkers ele vai encontrando outros sobreviventes, entre eles a pequena Clementine, pela qual acaba sentindo um afeto paternal. Por sua vez Clementine é a protagonista da segunda temporada do jogo – não entrarei aqui em maiores detalhes da história para evitar spoilers indesejáveis.

Lee e Clementine


A ambientação do jogo é intensa e o apocalipse zumbi acaba se tornando um mero pano de fundo. Como você faz parte de um grupo de sobreviventes (com nenhuma ligação com o grupo mostrado na série de TV), deverá tomar decisões cruciais que alteram todo o curso do jogo. Aqui a psique humana é bastante explorada, com situações tensas e realmente difíceis. Ao final de cada episódio o jogo compara as decisões que você tomou com as dos demais jogadores ao redor do mundo, o que é um diferencial e tanto, e que no meu caso serviu para medir o nível da minha esquisitice... :p

Como curiosidade, eu terminei o jogo duas vezes e na segunda vez tomei decisões opostas em relação as que havia tomado na primeira, e realmente o desenrolar da história muda aumentando bastante a vida útil do título. Muito bom!

Inserido em um grupo de sobreviventes, você terá que tomar decisões difíceis


Outro destaque positivo é que as ações que você tomou na primeira temporada refletem também na segunda: ao inicia-la o jogo importará o arquivo save da anterior quando disponível. Embora nada impeça o jogador de começar diretamente na segunda temporada, recomendo fortemente seguir a ordem correta do jogo para não prejudicar a imersão na história, um dos maiores atrativos do título.

Ao iniciar a segunda temporada você poderá importar o save da primeira

Aspectos técnicos

Sem dúvida o grande destaque do jogo é o estilo Point And Click para a interação com outros personagens e com o cenário. Para os não versados nos temos "gamísticos", neste estilo de jogo é utilizado principalmente o mouse para a movimentação e demais ações do personagem nos cenários. A visão logicamente é em terceira pessoa. Se não me falha a memória o último jogo para PC que joguei que utilizava este sistema foi o clássico Full Throttle lá nos idos de 1995. Nerdgasm total!

O clássico e esquecido estilo Point And Click está de volta em grande forma


Outro destaque absoluto deste título são os belos gráficos e o seu estilo “desenhado”, que te passa a sensação de ter diretamente entrado nos quadrinhos que inspiram o jogo. As vozes e efeitos sonoros também são muito bons.

Gráficos no estilo HQ


Outro aspecto bastante positivo são os modestos requisitos de sistema – bem que poderia servir de exemplo para certas produtoras que acham que hardware dá em árvore.

Mínimos

  • CPU Intel Pentium 4 ou equivalente de 2 GHz;
  • 3 GB de RAM;
  • Placa de vídeo DirectX 9c AMD ou Nvidia com 512 MB de memória;
  • Disco rígido com 2 GB livres;
  • Windows XP Service Pack 3 ou superior.

Recomendados

  • CPU Intel Core 2 Duo ou equivalente de 2 GHz;
  • 3 GB de RAM;
  • Placa de vídeo DirectX 9c AMD ou Nvidia com 1 GB de memória;
  • Disco rígido com 2 GB livres;
  • Windows XP Service Pack 3 ou superior.


Indicado para

Quem gosta dos quadrinhos e da série de TV com certeza apreciará bastante o jogo. Porém mesmo para aqueles que não acompanham o universo de The Walking Dead este título é recomendado pela ótima história e por resgatar com maestria o estilo Point And Click, além de ser um mergulho para dentro da psique humana. Sem falar dos belos gráficos, cenários e efeitos sonoros.



Além do PC o jogo está disponível para Xbox 360 e PS3. Também o joguei no 360 e digo que o PC é de longe a plataforma mais indicada, pelos melhores gráficos e pelo fato de que um jogo Point And Click fica um tanto quanto estranho com um joystick. Outro ponto favorável para a versão PC são os requerimentos de sistema bastante modestos.

Próximo:

Games que eu jogo (4): os títulos que me fizeram comprar um Xbox 360

Anterior:

Comentários