Faça você mesmo: trocando a placa mãe do seu PC (Parte 3 - Teste de bancada)

Chegou o momento da verdade! Depois de finalizarmos os preparativos para o teste de bancada conforme foi demonstrado na Parte 2 do nosso especial, chegou a hora mais aguardada por todos aqueles que estão montando ou fazendo alterações no hardware do seu PC: será que ele vai funcionar? A resposta virá agora!

Placa mãe Gigabyte Z77X-UP7 pronta para ser ligada - quando energizada, o led do botão liga-desliga se acende


Recapitulando, estamos agora com a placa mãe na bancada de testes apenas com o processador (que caso seja Intel ele conta com vídeo integrado em todos os modelos recentes), cooler do processador, módulos de memória e a fonte de alimentação conectados. Plugue agora ao menos um teclado na porta correspondente (USB ou PS/2) e o cabo de sinal do monitor em uma das saídas de vídeo da placa mãe, sendo as mais comuns a DB15 (VGA) e a DVI. Também é interessante instalar um pequeno alto falante de diagnóstico, os conhecidos buzzers - no manual da placa localize onde ficam os pinos de contato (são quatro pinos) referentes ao mesmo, que geralmente posuem o nome de SPEAKER ou SPK. Tal procedimento não é obrigatório mas facilita bastante o diagnóstico em caso de problemas.  Feito isto, ligue a fonte de alimentação na corrente elétrica.


Ligando a placa mãe sem um botão

A placa Gigabyte Z77X-UP7 que estou montando possui um botão liga-desliga que se ilumina quando a placa está energizada. Caso a sua placa não possua tal botão, não há problema: com a ajuda do manual, localize na placa onde ficam os pinos de contato mais comumente denominados como PWR SW, sigla para Power Switch.

Exemplo de contatos Power Switch ou PWR SW

Localizados estes contatos, com uma chave de fenda pequena feche um "curto" entre os dois pinos, isto é, encoste a ponta da chave nos dois pinos simultaneamente. A placa mãe deverá ligar.

Se o sistema inicializou

O monitor deverá exibir os procedimentos do POST (Power On Self-Test) que o firmware da placa (seja ele BIOS ou UEFI) sempre executa ao ser iniciado, com a opção de acessar o SETUP (programa de configuração do firmware) geralmente pressionando a tecla DEL. Caso tenha sido instalado, o buzzer emitirá um bipe curto indicando que o sistema inicializou corretamente. Hora de curtir o seu nergasm!! Oh yes! :-)

Tela do SETUP da Gigabyte Z77X-UP7. Oh yes! :-)

Nesta etapa é interessante entrar no SETUP e conferir se tudo está realmente OK: temperatura e tensão do processador, se toda a memória disponível foi reconhecida e demais leituras do sistema como tensões e rotação das ventoinhas. É interessante acionar a opção de carregar as opções otimizadas do SETUP (geralmente chamada de "Load Optimized Defaults"). Para o momento esta é a única configuração que iremos fazer, deixaremos os ajustes finos para quando todos os periféricos e placas de expansão estiverem instalados.

Se o sistema não inicializou

Neste caso será necessário fazer o diagnóstico do que pode estar impedindo a placa mãe de iniciar. Caso a placa tenha um display que informe os códigos de inicialização do POST, anote o último valor exibido e procure no manual da placa o seu significado, o que lhe dará uma pista de onde está o problema. Caso não tenha, é necessário ouvir com atenção os bipes emitidos pelo buzzer e pesquisar no manual o seu significado (exemplo: bipes curtos e infinitos, um bipe longo e dois curtos e por aí vai).

Para os casos onde não seja possível fazer este diagnóstico (caso você não conte com um buzzer e a sua placa mãe não tenha um display de diagnóstico) ou ele seja inconclusivo, fiz uma "receita de bolo" que aperfeiçoei durante as duas décadas que trabalho com o hardware padrão PC (os procedimentos devem ser feitos com o PC desligado, é claro). Após cada procedimento tente ligar o sistema para ver se o mesmo inicia:

  1. Verifique se o cabo de alimentação do cooler do processador está ligado no conector apropriado da placa mãe. Algumas placas, para proteger o processador, não inicializam se não houver presente um sinal de rotação da ventoinha. Verifique também se a ventoinha não está travada;
  2. Pode parecer algo bobo, mas verifique nas fontes de alimentação que possuem a chave seletora de tensão 110V/220V se ela está na posição correta. Caso a fonte tenha um botão liga-desliga, veja se esta ligada (eu já presenciei várias gafes destas...);
  3. Com a ajuda do manual, verifique os procedimentos para zerar a memória de configuração da placa mãe. Tal procedimento é conhecido como Clear CMOS;
  4. Caso você tenha conectado mais de um módulo de memória, deixe apenas um conectado. Se continuar não iniciando, experimente outro soquete de memória. Se o problema persistir, teste com outro módulo;
  5. Caso esteja utilizando uma placa de vídeo, tente trocá-la de slot ou a remova para iniciar o sistema a partir do vídeo integrado, caso o processador ou o chipset da placa mãe possuam tal funcionalidade;
  6. Caso você tenha um aparelho testador de fontes de alimentação como o Thermaltake Dr.Power II ou um multímetro, efetue uma avaliação da fonte. Se não possuir tais aparelhos, teste com outra fonte de alimentação;
  7. Se nada disto funcionar, provavelmente o problema está na placa mãe (mais provável) ou no processador. Se você tiver outros componentes para testar (outra placa e/ou outro processador compatíveis) pode tentar substituí-los para efetuar o diagnóstico. Caso não os tenha, entre em contato com a loja onde foi comprada a placa mãe se esta for nova.
Prosseguindo com a montagem

Caso o teste de bancada tenha sido bem sucedido, é hora de finalizar a montagem no gabinete. Desligue o sistema, desconecte os cabos da fonte de alimentação e instale a fonte novamente no gabinete. Em seguida instale o plate do painel traseiro do gabinete.


Plate do painel traseiro para instalação no gabinete

Em seguida você terá que tomar uma decisão: instalar os conectores do painel frontal, de áudio e USB do gabinete com a placa dentro (e já fixada) ou fora do mesmo. Eu particularmente prefiro instalar com a placa mãe dentro a não ser que o gabinete seja de dimensões compactas e com pouco espaço para trabalhar, por um simples motivo: mitigar possíveis acidentes que podem acontecer com a placa mãe enquanto ela estiver solta porém com fios que a prendem ao gabinete. Acreditem: já vi verdadeiras tragédias tecnológicas acontecerem desta forma!


Conectores do painel frontal
Conectores USB 2.0 do gabinete

Conectores de áudio interno do gabinete


De qualquer modo, não tem segredo: consultando o manual da placa, localize os conectores apropriados. No caso dos conectores do painel frontal, na grande maioria dos casos o fio branco indica o polo negativo (-). No caso do USB 2.0 (assim como o 3.0) e o de áudio há um pino que não é usado no conector, o que só o permite encaixar em uma única posição. Para o conetor de áudio, caso o seu gabinete e a placa mãe suportem é preferível utilizar o conector HD Audio.

Instalando a placa mãe no gabinete

Caso você tenha seguido a recomendação que fiz na Parte 1 desta série, no item "Primeiras checagens e procedimentos", o gabinete já está preparado para receber a nova placa mãe. Desta forma, a desça suavemente no gabinete tomando o cuidado de alinhar os conectores do painel traseiro bem como a furação da placa com os pontos de fixação do gabinete. Com a placa devidamente posicionada no "fundo" do gabinete, aparafuse a mesma em todos os pontos de fixação disponíveis.


Posicionando o parafuso no ponto de fixação. Esta é a vantagem de utilizar uma chave com ponta magnetizada

Placa devidamente instalada. As setas indicam os pontos de fixação

Instalando as placas de expansão e demais componentes

Com a placa devidamente fixada, é hora de instalar todos os cabos e conectores: os do painel frontal, USB e de áudio (caso não os tenha feito), os cabos de alimentação da fonte e os cabos de dados SATA. Caso a sua placa mãe tenha controladores SATA além dos oferecidos pelo chipset, prefira sempre os nativos - no caso os Intel. Olhe no manual para checar quais conectores SATA devem ser empregados preferencialmente. Também sempre é bom utilizar o conceito de organização de cabos se o seu gabinete o permitir - infelizmente o meu não possui muitas possibilidades neste sentido.

Finalmente, instale as placas de expansão nos slots apropriados. No caso das placas de vídeo, as instale nos slots PCIE x16 que estejam realmente conectados a 16 linhas PCIE, os chamados slots PCIE x16/x16 - vide o manual da placa mãe. Conecte também os cabos de alimentação auxiliar PCIE nas placas de vídeo que necessitem de tais conectores.


Finalizando a montagem

Faça também a conexão dos cabos de alimentação e dos cabos de dados SATA nos discos rígidos, SSDs e unidades ópticas que houverem.

Passos finais

Reconecte o cabo de alimentação externo na fonte de alimentação e ligue o seu novo sistema. Agora é o momento de fazer um ajuste fino no SETUP do firmware da placa mãe. Como há uma grande variedade de modelos é quase impossível cobrir todas as opções que possam existir - para isto siga sempre o manual da placa. Concluído este procedimento, pode-se partir para a reinstalação do sistema operacional, o que é altamente recomendável quando é efetuada a substituição de um componente vital como a placa mãe, principalmente no caso do Windows. Acreditem em mim: o sistema ficará mais rápido e estável se for reinstalado.

Espero que tenham curtido! Grande abraço a todos!

Anterior:

Faça você mesmo: trocando a placa mãe do seu PC (Parte 2 – Preparativos)

Veja também:
Questão de organização

Comentários