Athlon Server (Parte 4 – Benchs & Games com a GTX 1070)

Será que o humilde Athlon 3000G aliado a uma GPU dedicada consegue dar conta nos jogos?


A série Athlon Server é composta de mais três partes: na primeira foram mostrados os componentes, na segunda a montagem e na terceira os testes com a Vega 3, a GPU integrada do Athlon 3000G.

Para a presente parte decidi testar o bravo Athlon 3000G em conjunto com a velha conhecida GeForce GTX 1070, que é a GPU oficial das avaliações do blog, juntamente com o Discoringa bombado. Abaixo a vemos instalada no gabinete HT-3000: ela entrou raspando e eu tive que remover a fonte de alimentação do lugar para ela caber.



Na análise feita pelo GPU-Z chamou-me a atenção a GTX 1070 estar operando a apenas no modo x4. Isto mostra a arquitetura interna do Athlon 3000G: o chip conta com 16 linhas PCI Express 3.0, sendo que oito são para a comunicação com a GPU integrada Vega 3 e quatro para comunicação com o chipset, assim sobrando apenas quatro linhas para o slot PCIE que está conectado diretamente ao processador.

Vale lembrar que uma conexão PCIE 3.0 x4 se equivale a uma 2.0 x8 ou a uma 1.0 x16. Assim não acredito que seria um gargalo relevante para a maioria das GPUs de entrada ou intermediárias – ninguém em sã consciência associaria uma RTX 3090 com um Athlon 3000G.


Vamos aos testes! De fato, a adição da GTX 1070 representou um ganho de desempenho bastante respeitável. Para reduzir possíveis gargalos os testes foram feitos com o processador overclockado a 4 GHz.

Teste Vega 3 GTX 1070 Diferença
3DMark Time Spy Extreme (Score) 220 2097 89,51%
3DMark Time Spy (Score) 501 4633 89,19%
3DMark Fire Strike Ultra (Score) 310 4178 92,58%
3DMark Fire Strike Extreme (Score) 639 6960 90,82%
3DMark Fire Strike (Score) 1381 10461 86,80%
3DMark Sky Diver (Score) 4926 21185 76,75%
3DMark 11 (Score) 2236 11954 81,29%
3DMark Vantage (Score) 6537 28646 77,18%
3DMark 06 (Score) 12968 24282 46,59%
3DMark 05 (Score) 24892 27541 9,62%
3DMark 03 (Score) 33353 100522 66,82%
Unigine Heaven (Score) 698 4586 84,78%
Unigine Valley (Score) 248 3445 92,80%
Unigine Superposition (Score) 854 12481 93,16%

Comparado aos demais PCs testados pelo blog, é visível que o 3000G gargalou forte a GTX 1070, ficando atrás de praticamente todos os demais processadores já avaliados com a mesma GPU, exceto o Core 2 Quad Q9450.

Gargalos à parte, será que dá para jogar com um Athlon 3000G turbinado pela GTX 1070? Bem, ele foi capaz de segurar a onda em todos os jogos mesmo ficando quase sempre com 100% de uso. Por algum motivo o MSI Afterburner não funcionou de jeito nenhum no Metro Exodus, mas neste título e no Battlefield V o sistema sofreu para ficar na casa dos 40 quadros por segundo, o que não ocorreu nos demais onde foi possível jogar com bastante conforto.

Todos os testes foram feitos em 1080p com os ajustes gráficos maximizados, de modo a tentar transferir parte do “peso” para a GPU.


E a que conclusão chegamos? Bem, na minha opinião o Athlon 3000G é um processador de entrada bastante digno, principalmente em uma época onde o preço do hardware está na estratosfera. A longevidade da plataforma AM4 permite a substituição apenas do processador caso necessário, o que é um ótimo diferencial. 

Findada a análise do hardware, passarei para as funções de servidor deste projeto. Até!

Comentários



Mais lidas da semana

Avaliando o ReFS

Revisitando o Windows 8