Rebuild #6 – Bartão (Parte 1 – Apresentação)

A sexta temporada da série Rebuild será estrelada por outro clássico da AMD: o Athlon XP Barton! 😃


O contexto histórico e pessoal

Ao lado ao atual AM4, muito provavelmente o soquete A foi a mais longeva plataforma da história dos chips x86. Começou com o suporte às memórias SDR-SDRAM (que transferem um bit por ciclo) como mostrado na Rebuild #4, passando pela adoção dos módulos DDR (dois bits por ciclo) abordado na Rebuild #5 e finalmente chegando ao barramento de memória DDR de dois canais, presente nesta série.

Os processadores disponíveis também sofreram grande evoluções, começando pelo Athlon Thunderbird e Duron Spitfire, que foram seguidos pelo Athlon XP Palomino e T-Bred (que teve as variações A e B), Duron Morgan e os Sempron. O ápice da plataforma foram os processadores Athlon XP Barton, que traziam 512 KB de cache L2 e foram o estágio final de desenvolvimento da consagrada microarquitetura AMD K7.

Dentre os chipsets a peleja foi se afunilando durante o desenvolvimento da plataforma. Se no início diversos fabricantes disputavam o mercado (Via, Nvidia, Ali, SiS e a própria AMD) no final apenas dois deles sobraram: a Nvidia com o NForce2 Ultra 400 (e demais variações), amplamente considerado como o melhor chipset para o soquete A, e a Via com o KT880 que ficou pronto somente no ocaso da plataforma e teve pouquíssima participação no mercado – placas com o KT880 são difíceis de serem encontradas e por isso muito cobiçadas pelos colecionadores de hardware clássico.

No lado pessoal, desde o PC mostrado no Rebuild #5 eu já estava consolidado em um bom emprego e sem maiores responsabilidades como o sustento de uma família, assim os recursos para empregar com hardware eram virtualmente ilimitados, assim na época resolvi me divertir com o Bartão e o NForce2. Mas vamos à apresentação!

Processador – AMD Athlon XP 2500+

Na época eu também tive um 2500+ Barton, que foi comprado usado e algum tempo depois vendido. Ao contrário do primeiro, este exemplar ainda estava lacrado na caixa! Detalhes


Placa-mãe - Gigabyte GA-7N400

Embora enxuta em termos de recursos, conta com o poderoso chipset Nvidia NForce2 Ultra 400. Não precisa de mais nada. Detalhes.


Placa de vídeo - Nvidia GeForce 6800 (Leadtek)

Com suporte ao DirectX 9.0c, foi uma ótima GPU no seu tempo. Esta é a exatamente a mesma placa que eu usei na época. Detalhes.


RAM – Dois módulos DDR-400 de 512 MB CL3

Para aproveitar o dual channel! 😎


Disco rígido – WD Caviar de 80 GB

Com 7.200 RPM e 2 MB de cache, foi o mesmo disco que tive na época!


A interface é a clássica IDE/PATA-100:


DVD-RW – LG 16X

Este foi o primeiro drive DVD-RW que eu tive, que funciona até hoje apesar de às vezes dar algumas falhas de leitura. Foi com este PC que eu fiz as primeiras cópias alternativas dos DVDs de filmes. 😇


Rede – Realtek Fast Ethernet

Plaquinha com o clássico chip Realtek RTL8139D, que funciona em praticamente qualquer sistema operacional.


Cooler - AMD Box

Este é o cooler que originalmente acompanha o Athlon XP 2500+. Fabricado pela AVC, possui boa qualidade construtiva.


Fonte – C3 Tech de 500 W

Se essa fonte de fato fornecer 300 W já está de bom tamanho. De qualquer modo, será testada antes da montagem.


Gabinete – ATX genérico

Gabinete típico do início do século, está precisando de uma boa limpeza pelo tempo de inatividade.


Sistema operacional – Windows XP Professional SP3

Um PC deste período não pode ficar sem o atemporal Windows XP.


Na próxima parte a montagem dessa beleza! 😎

Comentários