Reunindo os mitos Ryzen 7 1700 e GeForce GTX 690 (Parte 3 – A batalha das janelas)

Na terceira parte da série farei uma disputa entre irmãos: o caçula Windows 10 enfrentará o veterano Windows 7. Quem vencerá a peleja?


Instalando o Windows 7 em um sistema AM4

É preciso “preparar o terreno” antes de partir para a instalação. Primeiramente deve-se ativar o módulo CSM para que o firmware de legado dos diversos subsistemas do PC seja carregado, tendo em vista que oficialmente o Windows 7 não pode rodar no modo UEFI puro (há muitos que afirmam que esta limitação é artificialmente imposta pela Microsoft, com o que concordo).


Em seguida é necessário alterar a imagem de sistema do Windows 7 para incluir os drivers da controladora USB da plataforma AM4, procedimento que mostro em detalhes nesta postagem. Para tanto, usei este utilitário da ASRock que funcionou perfeitamente. Este procedimento é particularmente obrigatório aos que foram instalar o sistema a partir de um pendrive (ou outro dispositivo de armazenamento USB).


Seguindo estes passos o sistema deverá ser instalado corretamente e você poderá proceder com a instalação dos drivers dos diversos dispositivos.


Quase gabaritei na classificação de sistema... 😎


As 16 threads do Ryzen 7 1700 no gerenciador de tarefas. Que imagem linda!


Há também uma limitação artificial do cliente do Windows Update que impede que atualizações sejam baixadas no Ryzen, porém este patch não oficial resolve o problema sem dificuldade.


O sistema

O PC está configurado da mesma forma do que nos testes com o Windows 10 mostrados na segunda parte, isto é, com o processador rodando a 3,8 GHz em todos os núcleos e os módulos de memória rodando a 3200 MHz. A versão de todos os drivers é a mesma.



Benchmarks

Primeiramente abra a página de benchmarks modernos para uma melhor comparação. Vamos aos resultados!

3DMark 11

Neste teste houve um rigoroso empate técnico.


Cinebench R15

No modo com múltiplas threads a pontuação foi exatamente a mesma, enquanto que no single thread a diferença foi de um mísero ponto. Já no OpenGL o Windows 7 ficou quase 12% à frente.


CPU-Z

Tanto em multi quanto em single thread a diferença ficou abaixo dos 3%.


7-Zip

Aqui o Windows 10 saiu-se melhor: pouco mais de 3% acima no multi e 22% a mais no single thread.


V-Ray

Não houve qualquer variação digna de nota no desempenho, tanto no índice de CPU quanto no de GPU.


Handbrake

Também não houve qualquer variação.


Mas cadê os outros benchmarks?

Os leitores mais atentos, que viram a postagem sobre a suíte de benchmarks modernos, com certeza devem ter notado algumas ausências, das quais a única esperada seria a do 3DMark Time Spy que roda no DirectX 12, não disponível no Windows 7 (outra limitação artificial da Microsoft).

Quanto aos demais, houveram problemas diversos. O PCMark 10 sempre dá erro no teste de carregamento do LibreOffice (como podemos ver na imagem abaixo), enquanto que os testes 3DMark Fire Strike, Sky Diver e os Unigine simplesmente congelam no meio da execução.


O que tentei fazer, sem sucesso:


  1. Tirar o overclock do processador e memória;
  2. Verificar se a placa de vídeo e os módulos de memória estavam firmemente encaixados nos respectivos slots;
  3. Usar o plano de desempenho máximo (para o Windows 7 não há o plano de gerenciamento de energia personalizado para o Ryzen);
  4. Desativar os recursos de economia de energia da placa de vídeo;
  5. Verificar a temperatura das duas GPUs da GeForce GTX 690 em stress (mal passam dos 70 ºC);
  6. Usar uma versão mais antiga dos drivers da AMD (18.1 > 17.7);
  7. Usar uma versão mais antiga do driver da Nvidia (série 390 > 380).
  8. Testar sem os drivers do chipset estarem instalados, com os drivers padrão do Windows.

Como o sistema funciona perfeitamente no Windows 10, acho improvável ser algo relacionado ao hardware fisicamente – este é o problema de usar um sistema operacional que não é oficialmente suportado. Acredito que se testar com drivers mais antigos da AMD e/ou da Nvidia o problema possa ser resolvido, a questão é que achar a versão exata destes drivers seria como procurar uma agulha em um palheiro. De qualquer modo, caso descubra algo avisarei vocês e atualizarei esta postagem.

Conclusão

Apesar do supracitado problema muito provavelmente ser específico da minha combinação de componentes de hardware e versão de drivers, é realmente difícil recomendar o uso de um sistema operacional sem suporte oficial a uma determinada plataforma, por melhor que o Windows 7 seja (eu mesmo gosto muito deste sistema operacional). Quanto ao desempenho, houve um intenso equilíbrio com apenas dois testes saindo do padrão, cada um deles com vantagem a uma versão do sistema.

Isto posto, instalar o Windows 7 em um sistema Ryzen deve ser encarado apenas como uma curiosidade, não sendo recomendado principalmente em PCs de produção, até mesmo por oficialmente não suportar o modo UEFI nativo. Apesar do ritmo mais lento do que gostaríamos, inegavelmente o Windows 10 evoluiu muito nos últimos três anos e, queiramos ou não, é o atual padrão do mercado.

Comentários