Rebuild #3: juntando-se à Aliança Rebelde (Parte 3 - Benchmarks)

O bravo PC baseado no processador AMD K6-III e na placa de vídeo 3dfx Voodoo3 foi colocado a prova, o que incluiu também novos testes. Confira os resultados!


Enquanto que na primeira parte do Rebuild #3 foram apresentados os componentes e na segunda foi realizada a montagem, nesta o K6-III enfrentou a tradicional bateria de benchmarks. Como sempre, abra a página de resultados de benchmarks para fazer uma comparação entre todos os PCs já testados pelo blog. 😉

Norton System Info 6.01

Um 80486 de 770 MHz. Eu adoro o NSI 6.01! 😛


Curiosamente o K6-III obteve uma pontuação menor do que o Pentium MMX e o K6. Enfim, o NSI 6.01 é um software bem antigo que pode apresentar distorções com processadores mais novos, assim resolvi manter os seus resultados apenas por curiosidade. O teste foi rodado várias vezes com resultados muito próximos.


3DBench 1.0c

Neste teste o K6-III massacrou a concorrência, como era esperado.


SpeedSYS 4.78

Pelo índice deste software o K6-III de 400 MHz ficou no mesmo nível do Pentium II de mesma frequência.


Chris´s 3D

Outro banho do K6-III.


PC-Config 8.20

Um “AMD 5k86” de 518 MHz... 😎


Neste teste a diferença do K6-III para o Pentium MMX e o K6 foi menos pronunciada.


Doom (Demo 2 – 320 X 240)

Este resultado representa nada menos do que 190 FPS.


Doom II (Demo 2 – 320 X 240)

Foram 223 FPS cravados!


Super PI 1M

O K6-III completou o cálculo em quase 7 minutos, um número 36% superior em relação ao Pentium MMX em overclock para 280 MHz.


Quake (Demo 2 – 320 X 240)


GLQuake (Demo 2 – 640 X 480)

Os testes com a Voodoo2 (Pentium MMX e K6) ficaram cravados nos 33 FPS. O K6-III com a Voodoo3 levaram o resultado a outro patamar.


3DMark 99 Max

No índice de CPU o K6-III detonou!


3DMark 2000 Pro

O resultado foi quase o triplo do obtido pelo Pentium MMX com a Voodoo2. Nesta época realmente valia a pena fazer upgrade.


Sandra 99

Conforme os índices do software, em inteiros o K6-III é capaz de fazer frente a um Pentium II de 450 MHz, mas não em ponto flutuante. Realmente até os K6 este era o calcanhar de Aquiles dos processadores AMD.


No teste de banda de memória o Ali Aladdin V ficou em torno de 15% à frente do SiS 530 - realmente este era um dos melhores chipsets para o soquete 7. Porém conforme o Sandra ele fica bem atrás do Intel 440BX.


Novidade! O Drive benchmark do Sandra 99 mostra que o Maxtor 9102U3 do K6-III é cerca de 33% mais rápido do que o Quantum Fireball EX utilizado com o Pentium MMX. A evolução dos discos rígidos realmente era impressionante, hoje estão estagnados.


Quake II OpenGL (Demo 2 – 640 X 480)

Continuam as novidades! Eis o clássico Quake II em OpenGL:


Quake III OpenGL (Demo 2 – 640 X 480)

Um resultado bastante respeitável no icônico Quake III.


Unreal Tournament 99 Glide (City intro – 640 X 480)

Como o lendário UT99 suporta uma variedade de API´s gráficas, procurarei utilizar a mais indicada para cada placa de vídeo. Logicamente que com uma Voodoo a Glide é de longe a melhor escola.

O K6-III conseguiu pouco mais de 20 FPS, realmente o UT99 exige bastante da unidade de ponto flutuante (bem mais do que o Quake III) e sabemos que a mesma não é lá essas coisas nos K6. Lembro-me bem disto na época, o quanto eu lamentei ser pobre a não poder ter pego um Athlon Slot A.


Fico por aqui! Na próxima parte o K6-III será experimentado em overclock. Até!

Comentários

  1. O cache L2 no processador fez alguma diferença considerável? E falando em cache L2 o L3 da placa-mãe (com o K6-III, instalado, claro) fazia diferença no desempenho?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Setup da Asus P5A permite desabilitar o cache interno e externo. Porém não está claro se desabilitar o interno seriam desligados o L1 e o L2 ou apenas um dos dois. Assim, para mensurar o impacto do cache L2 on-die acho melhor comparar com um K6-2 de igual frequência.

      Pelo que me lembro dos testes da revista PCs, o cache L2 on-die fazia o K6-III competir em pé de igualdade com o Pentium III de igual frequência em inteiros (a unidade de ponto flutuante dos K6 é fraca). Ainda conforme a revista, o cache externo (que no K6-III é o L3) fazia pouca diferença, algo em torno dos 5%.

      Excluir
    2. Poxa. Saudosa Revista PCs. Pois é, o K6-2 não fazia feio com inteiros, mas era massacrado em ponto flutuante.

      Falando em desativar os caches uma vez fiz isso com um Duron 800 numa M812 para ver o que acontecia. Não sei se você já teve a curiosidade de fazer tal teste em algum momento, mas minha experiência foi ver um Duron 800 64 MB virar instantaneamente um 80386 com 4 MB iniciando o Windows 98 num HD Pio 2. Da inicialização após o POST até poder conseguir movimentar o mouse foram quase 15 minutos!! Palavra de honra! O L2 impacta na performance, sem dúvida, mas eu não imaginava que o L1 fazia uma diferença tão abissal no desempenho do processador.

      Excluir
    3. Não duvido! Qualquer hora dessas faço uma postagem sobre isto, realmente é um tema muito interessante.

      Excluir

Postar um comentário