CPU Wars: Intel Pentium MMX versus AMD K6

Sem dúvida o Intel Pentium MMX era o processador mais famoso e desejado em 1997. Mas será que o AMD K6 realmente foi um competidor à altura? Confira a resposta aqui!


Sobre o AMD K6

Desde os primeiros 8088 até os 80486 todos os processadores da AMD eram produzidos sob licenciamento da Intel ou via engenharia reversa. Podemos considerar que o primeiro projeto próprio da AMD foi o K5, que tinha o objetivo de concorrer com o Pentium.

Diferentemente do que ocorre hoje, na década de 1990 havia uma verdadeira peleja entre diversos fabricantes de chips x86. Um destes fabricantes era a NexGen, que havia lançado um processador chamado de Nx586 que trazia um conceito inédito, hoje onipresente: ele contava com um núcleo RISC, porém com um decodificador CISC-RISC para converter as instruções x86 (que são CISC) para equivalentes RISC, as chamadas micro-ops ou micro-operações.

Os processadores Nx586 chamaram a atenção da AMD, que adquiriu a NexGen em 1996. Nesta época a NexGen tinha um novo projeto de processador pronto, o Nx686, e este projeto foi a origem dos processadores K6, lançados em abril de 1997.


As características técnicas dos K6 são as seguintes:

  • Frequências de 166, 200 e 233 MHz (aqui será avaliado o de 233 MHz);
  • Frequência do barramento frontal de 66 MHz;
  • Cache L1 de 64 KB (32 KB de dados e 32 KB de instruções);
  • Conjunto de instruções MMX;
  • Tensão de alimentação de 2,9 V (166 e 200 MHz) e de 3,3 V (233 MHz);
  • Litografia de 0,35 µm;
  • Plataforma soquete 7.

Em 1998 a AMD lançou uma versão do K6 com litografia de 0,25 µm e frequências de operação de até 300 MHz.


O K6 instalado na placa-mãe Asus P5S-B:



A configuração utilizada nos testes é a mesma no PC Rebuild #2, onde eu também detalho as características do Pentium MMX, as quais resumo abaixo:

  • Frequências de 166, 200 e 233 MHz (aqui será avaliado o de 233 MHz);
  • Frequência do barramento frontal de 66 MHz;
  • Cache L1 de 32 KB;
  • Conjunto de instruções MMX;
  • Tensão de alimentação de 2,8 V;
  • Litografia de 0,35 µm;
  • Plataforma soquete 7.

Como sempre, confira a página de resultados de benchmarks para ver todos os números - os resultados do Pentium MMX estão aqui. Mas vamos ao que interessa, os benchmarks!

Norton System Info 6.01

O K6 foi detectado pelo NSI como um 80486 de 450 MHz… 😎


Mas o resultado obtido foi o maior dentre todos os testes feitos pelo blog até agora, ficando nada menos do que 75% acima do Pentium MMX. Wow!


3DBench 1.0c

Neste teste o K6 impôs 27% a mais do que o MMX.

Nota: os testes com o 3DBench 1.0 (sem o "c") não foram incluídos pois ele traz o resultado zerado quando é executado em processadores mais rápidos.


Chris´s 3D

Aqui o K6 e o MMX tiveram um empate técnico (diferença de 2%).


PC-Config 8.20

Eis sumário do PC-Config. O K6 é detectado como um AMD “5k86”.


Neste teste o MMX levou a melhor, com uma vantagem de 28%.


SpeedSYS 4.78

Aqui o K6 aplicou uma surra no MMX: 51% superior.


Doom (Demo 2)

Este resultado representa cerca de 101 FPS, ficando em um empate técnico com o MMX (diferença de 2%).


Doom II (Demo 2)

São 123 FPS, em outro empate técnico (diferença de 1%).


Super PI 1M

O tempo de 13 minutos e 23 segundos é 11% maior do que o do MMX (neste teste, quanto menor o tempo, melhor).


3DMark 99 Max

Aqui o K6 não se deu muito bem. Em relação ao MMX, foram 5% a menos no índice geral e 21% e menos no índice de CPU.


3DMark 2000

No 3DMark 2K o K6 reagiu e ficou 4% acima do MMX.


WinQuake (Demo 2)

No lendário Quake o MMX ficou 9% acima do K6.


GLQuake (Demo 2)

No Quake renderizado em OpenGL houve empate técnico (diferença de 1%).


Sandra 99

Neste novo teste a integrar a suíte o K6 ficou 25% acima no teste de CPU (inteiros) e no de ponto flutuante (FPU, que testa o coprocessador aritmético) ouve um empate técnico (diferença de 3%).


No teste de banda de memória da CPU o MMX ficou 19% a frente.


Conclusão

O AMD K6 e o Intel Pentium MMX alternaram a liderança nos diversos testes deste ensaio. O K6 mostrou que tem uma unidade de processamento de inteiros fortíssima (cortesia da NexGen), enquanto que a de ponto flutuante não passou vergonha – na época era amplamente divulgado que os coprocessadores aritméticos das CPUs não Intel eram inferiores. De fato, nos testes que usam intensivamente esta unidade (como o Super PI) há uma certa superioridade do MMX, mas não tão exacerbada a ponto de inviabilizar o K6.

Quanto colocamos na mesa os preços da época, a coisa muda de figura. Conforme o ótimo site CPU-World, o Pentium MMX de 233 MHz custava, em junho de 1997 quando foi lançado, nada menos do que US$ 594. Já em abril do mesmo ano, quando foi lançado, o K6 233 MHz custava US$ 469, sem dúvida um custo x benefício muito melhor.

Para o próximo round desta batalha teremos o K6 turbinado no overclock. Aguardem!

Comentários

  1. Excelente post sobre benchmarks, só para fechar com chave de ouro, tinha que entrar nesta briga o Pentium Pro 200. Meus parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! O Pentium Pro demandou maiores esforços para entrar em operação, contarei todos os detalhes em uma futura postagem.

      Excluir

Postar um comentário

Mais lidas da semana

Salvando uma placa 286

Ficou feio

Avaliando o ReFS