Montando um novo PC-XT (Parte 2 – Configuração do disco rígido e upgrade de RAM)

Ao contrário de discos mais modernos como os IDE e SATA, as unidades nos padrões MFM e RLL como o Seagate ST-238R necessitam ser formatados em baixo nível antes de serem utilizados. Confira aqui esta epopeia, bem como também o primeiro upgrade do XT: a ampliação da RAM de 256 para 512 KB. 



Formatando o disco em baixo nível

Como vimos no final da primeira parte desta série, discos rígidos nos padrões MFM e RLL (como é o caso do Seagate ST-238R utilizado) devem ser formatados em baixo nível antes de os particionarmos e o formatarmos em alto nível. O software que faz a formatação em baixo nível está na própria ROM da controladora Seagate ST-11R e é acessado através do utilitário DEBUG do MS-DOS.

Primeiro roda-se o DEBUG e em seguida devemos entrar com o seguinte comando:

-G=C800:5

Onde o C800 é o endereço da memória da controladora e o :5 indica qual software será inicializado.



A primeira tela do utilitário pede que selecionemos qual disco será formatado, visto que a controladora ST-11R comporta até dois discos:



Devemos agora selecionar o modelo do disco:



Mesmo selecionando o modelo ST-238R a controladora opta pelo ST-138R - provavelmente os modelos tenham a mesma geometria. Devemos agora selecionar o valor do interleave, que deixei no padrão 4.



O utilitário pergunta se entraremos com o mapa de defeitos do disco – é este “mapa” que permite que setores defeituosos (os famosos bad blocks) sejam mapeados por setores reserva na mídia física do disco. Como não tenho a menor noção do estado deste disco, não forneci o mapa e vou deixar para a própria controladora examinar o disco.



A clássica pergunta: are you ready?



Pressione Enter e cruze os dedos:



Uma falha inesperada

Logo ao iniciar a formatação o utilitário foi subitamente encerrado com a enigmática mensagem de erro "Bad Write_Geom". Oh no! 😭



Pesquisei sobre a mensagem de erro sem muito sucesso, visto que esta unidade é muito antiga e informações sobre a mesma são bem escassas. Experimentei utilizar outros valores para o interleave, igualmente sem sucesso. Já desanimado decidi conferir a fixação dos cabos no disco (lembrem-se que discos MFM e RLL usam dois, um para dados e outro para controle) e não é que depois de um reaperto a formatação prosseguiu? Oh yeah! 😆



A todo vapor!



Após a formatação o utilitário faz uma checagem da mídia do disco, uma vez que eu não forneci o mapa de defeitos.



Dos 32 MB apenas 27 MB estão aptos a serem utilizados - algo normal visto que este disco tem cerca de 30 anos de idade (provavelmente é mais velho do que muitos dos que estão lendo esta postagem...). Agora é só partir para os velhos conhecidos FDISK e FORMAT:



Particionamento e formatação em alto nível

Agora o FDISK conseguiu criar a partição primária com sucesso, diferentemente da tentativa feita anteriormente e mostrada na primeira parte.





O FORMAT identificou os setores defeituosos mapeados pelo utilitário da controladora:



Formatação concluída!



Com o disco formatado, fiz uma instalação manual do MS-DOS 6.22 no mesmo, ou seja, transferi o sistema do disquete de boot para o disco com o clássico comando SYS A: C:, criei o diretório C:\DOS e copiei para o mesmo os utilitários do sistema operacional. Agora já é possível bootar o XT diretamente pelo disco rígido!

Upgrade de RAM

Com apenas 256 KB de RAM não há muito que podemos fazer. Nem o EDIT do MS-DOS funciona!



Felizmente tenho alguns chips de memória no formato DIP disponíveis no laboratório:



Memória ampliada para 512 KB. Afinal de contas, 512 KB de RAM devem ser suficientes para qualquer um! 😂



Agora já podemos usar o EDIT!



Apêndice: estacionando as cabeças do disco rígido

Ao contrário dos discos IDE e SATA que ao serem desligados movem automaticamente as cabeças de leitura e gravação para uma área segura, nos discos MFM e RLL as cabeças “pousam” na mesma posição em que se encontram, o que pode causar problemas na mídia magnética caso o disco sofra algum impacto ou vibração.

Desta forma, para tais discos deve ser rodado o utilitário de parking sempre antes de transportá-los isoladamente ou o próprio PC. Este utilitário move as cabeças para uma área segura e também é acessível pelo DEBUG do MS-DOS, única diferença é que o índice do mesmo é o 6:



Ficamos por aqui! Na próxima parte o glorioso XT receberá um convidado para lá de especial: o Windows 1.0. Até lá!

Próximo:
Montando um novo PC-XT (Parte 3 – Instalando o Windows 1.04)

Comentários