Montando um novo PC-XT (Parte 1 – Apresentação e montagem)

Desde que produzi a série Restaurando uma relíquia da Reserva de Mercado fiquei com vontade de montar um XT mais completo, com tudo o que temos direito. Após mais de dois anos de um verdadeiro trabalho arqueológico para obter os componentes (alguns deles são tão raros quanto um artefato Inca ou Maia), é com muita satisfação que apresento aos meus diletos leitores o resultado. Espero que vocês gostem da matéria da mesma forma que eu gostei de fazê-la.




Gabinete

Para o gabinete reaproveitei o que era utilizado pelo exemplar da reserva de mercado. Porém o mesmo implorava por uma boa faxina:



Pronto, parece que acabou de sair da loja!



Placa mãe e processador

Esta é uma das joias desta montagem e um belo achado: uma placa zero quilômetro baseada no processador AMD 8088-1 que opera a 10 MHz. Destacam-se na placa três chips da UMC: o UM82C54 (1 - controlador CMOS), UM8237AE (2 - controlador de DMA) e o UM8259A (3 - controlador de interrupções). A placa conta também com 256 KB de RAM e oito slots ISA de 8 bits.


.




Realmente uma placa dessa zero bala não se acha todo dia. Simplesmente demais!



No detalhe a etiqueta que data de 1991:



A placa inclusive conta com o manual, raridade!



A montagem

Placa instalada no gabinete:



Apesar de a placa mãe ser da categoria XT, o seu conector de alimentação já é no padrão AT. Desta forma tive que trocar a fonte, visto que o conector AT (esquerda) é diferente do conector XT (direita).



A interface de vídeo

Será utilizada esta plaquinha CGA que também conta com uma porta paralela:





O XT agora com a interface de vídeo e uma fonte AT instaladas:



Como teclado, utilizei um modelo AT em conjunto com o conversor de teclado AT-XT. 

Chegou a hora da verdade: o teste inicial. O XT funcionou, oh yeah!



O disco rígido

Depois de tanta procura obtive não apenas um, mas dois lendários Seagate ST-238R RLL de 32 MB!



Este disco utiliza a mesma tecnologia de motor de passo das unidades de disquete. Diferentemente da tecnologia dos discos atuais, as unidades MFM e RLL movimentam as cabeças de leitura e escrita trilha a trilha. Por exemplo, se em um dado momento a cabeça estiver na trilha 1 e receber a requisição de um dado presente na trilha 10, terá que passar pelas trilhas 2 a 9 até chegar à décima.



O disco conectado à placa controladora ISA de 8 bits Seagate ST-11R RLL. Este padrão utiliza dois cabos, um para dados e outro para informações de controle e correção de erros.



A controladora Seagate ST-11R possui apenas um jumper de configuração, que ajusta o seu endereço de memória. Quando nenhum jumper está conectado ela responde no endereço padrão C800. Incrivelmente o FTP da Seagate ainda tem o manual da ST-11R em formato TXT,  show!



O ruído destas unidades acelerando e desacelerando é apaixonante. Confiram:


A controladora e o disco instalados no gabinete:



O frontal:



A controladora de disquete

Como controladora de disquete utilizei esta placa de 8 bits baseada no chip UMC UM8397, que tem a grande vantagem de suportar unidades de 720 KB e 3,5”. Como unidade de disquete foi empregado o emulador de disquetes USB configurado para o formato de 720 KB.



O teste do disco rígido

Inicialmente o disco ST-238R não estava sendo detectado pela controladora de jeito nenhum. Foi apenas depois de certo tempo que notei que o cabo de controle do disco estava conectado com o pino 1 invertido. Duh! Resolvido este pequeno problema o ST-238R entrou em funcionamento, muito embora tenha sido detectado pela controladora como um ST-138R.



O sistema deu boot normalmente pelo disquete virtual no MS-DOS 6.22. Yeah!



Não foi possível acessar o disco rígido. Estes erros de mídia inválida geralmente ocorrem quando o disco não está formatado.



Com o FDISK.EXE, pude ver que há uma partição criada:



Ao tentar formata-lo, o programa de formatação subitamente é encerrado e o sistema volta para o prompt de comando. Realmente, para estes discos é necessária outra aproximação – confira no próximo capítulo!


Comentários

  1. Com certeza uma das profissões mais lindas desse mundo é a "arqueologia da computação", e você é um dos melhores arqueólogos que conheço. Cada postagem como essa faz escorrer um suor masculino dos olhos dos saudosistas. Parabéns mais uma vez, de coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado amigo, valeu mesmo!
      Infelizmente não tenho como me dedicar integralmente à profissão de arqueólogo, no momento ela é um hobby para mim nas horas vagas. Quem sabe um dia...

      Excluir

Postar um comentário