Restaurando uma relíquia da Reserva de Mercado (Parte 1 - Visão geral)

Estimados leitores, nesta nova série de postagens documentarei todo o processo de restauração de uma verdadeira joia da época da Reserva de Mercado da Informática, um clone autenticamente nacional do IBM PC-XT! Apertem os cintos a façam uma boa viagem neste túnel do tempo!

Clone nacional do PC-XT com direito ao botão Turbo e a chave para travar o teclado


Antes de mais nada, gostaria de agradecer novamente aos amigos Evandro M. de Aguiar pela doação do equipamento e Jeferson Mombach de Sousa pelo transporte do mesmo, que estava a 600 quilômetros de distância daqui! Meus eternos agradecimentos!

Em um primeiro momento realmente era difícil julgar se o equipamento era ou não oriundo da Reserva de Mercado, tendo em vista que não havia um fabricante claramente identificado no gabinete ou nos componentes internos, bem como que a placa mãe possui uma elegância na disposição dos componentes incomum para as máquinas da época. Mas durante os trabalhos com o equipamento surgiram evidências inquestionáveis que permitiram apontar com segurança de que o equipamento de fato foi produzido no mercado interno entre 1984 e 1991, que foi o período de vigência da Política Nacional de Informática (PNI). Irei compartilhando com vocês tais evidências no decorrer da apresentação do equipamento.

Visão frontal

O gabinete, aliás, é bastante pesado possuindo folhas de aço de boa espessura e excelente qualidade, de fazer morrer de inveja os gabinetes descartáveis de hoje em dia!

O gabinete possui grandes dimensões

A parte de trás do gabinete mostra a grande fonte de alimentação.

Traseira

Abrindo a relíquia

Retirando-se dois parafusos na parte frontal é possível abrir o gabinete, que se abre para cima como um capô de um automóvel. Muito bacana!

O gabinete se abre como um capô de um motor de carro

O PC estava um pouco empoeirado, o que é esperado para um equipamento que não era ligado há aproximadamente duas décadas. Abrindo o gabinete pude perceber que a placa de vídeo não estava presente e que o sistema tinha apenas uma unidade de disquete de 5 1/4, o que é normal para a grande maioria dos equipamentos baseados no XT. A fonte é de 200 W no padrão AT e chama a atenção pela etiqueta toda em português (uma das evidências sobre a PNI) e pelo seu tamanho, bem grande para os padrões atuais.

Fonte de 200 W

Configuração

Como todos provavelmente sabem, o IBM PC-XT original é baseado no processador Intel 8088. Este clone, porém, possui o processador NEC V20, que por sua vez é um clone do 8088 compatível pino-a-pino feito pela NEC do Japão via engenharia reversa. Apesar de ser totalmente compatível com o 8088, o V20 apresenta algumas vantagens em relação ao processador da Intel, como uma maior frequência de operação e um melhor IPC (instruções por ciclo de processamento). Seguem algumas características do V20:
  • Conjunto de instruções no mesmo nível do Intel 80186 (ou seja, mais completa do que a do 8088);
  • 29 mil transistores;
  • Frequência de operação de 8 a 16 Mhz;
  • É aproximadamente 30% mais rápido do que o 8088 de mesma frequência;
  • Possui um modo de emulação do processador 8080;
  • Lançando em 1984.

Também nos EUA este processador equipou alguns clones do IBM PC-XT, como os feitos pela Commodore e Tandy.

Destaque para o processador NEC V20 (clique para ampliar)

Prosseguindo com a configuração da nossa relíquia, ela conta com o já citado processador NEC V20 de 12 Mhz, 1 MB de RAM, uma placa controladora de disquete com duas portas seriais e uma paralela, e um drive para disquetes de 5 1/4 de 360 KB de dupla densidade.

Destaque para o conjunto de chips DIP que formam 1 MB de RAM

Outro detalhe interessante é uma etiqueta escrita à mão com o nome "XT" colada sobre o chip do BIOS.

Etiqueta colada sobre o chip que contém o BIOS

Na próxima parte descreverei os desafios que surgiram para colocar em funcionamento esta relíquia, principalmente por não ter vindo com uma placa de vídeo. Aguardem as cenas dos próximos capítulos! :-)

Próximo:

Comentários

Postar um comentário