Unboxing e primeiras impressões: Fonte de alimentação XFX ProSeries de 1250 W

Nesta postagem compartilharei com vocês, estimados leitores, as minhas primeiras impressões sobre esta fonte de alimentação top de linha de alta potência da XFX, bem como um singelo vídeo do unboxing da mesma agora em um novo formato! Vejam também dicas de como remover um parafuso espanado - cliquem para conferir!

A etiqueta da XFX ProSeries de 1250 W


A fonte XFX ProSeries 1250 W, cujo projeto é o mesmo da série Platinum da Seasonic, sem dúvida não é um produto para qualquer configuração e para todos os públicos, até mesmo em função do seu preço: é voltada para PCs com grande consumo elétrico, como aqueles com três ou quatro placas de vídeo nos modos SLI ou Crossfire, ou ainda estações de trabalho profissionais. A adquiri para equipar o meu PC principal em função de ter encontrado uma boa promoção dela, bem como também pelo fato de que tenho alguns planos para futuras modificações na minha configuração e a fonte que eu utilizava (Seventeam V-Force de 850 W) seria um fator limitador: a minha configuração atual já consome cerca de 600 W de potência, o que corresponde à cerca de 70% da potência máxima disponível da Seventeam. E como diz o senso comum, não é recomendável manter uma fonte funcionando muito próximo da sua capacidade máxima o tempo todo, tanto em termos de durabilidade quanto em eficiência energética.

A ProSeries é totalmente modular

Características principais

A ProSeries de 1250 W conta com as seguintes características principais:

  • Padrão ATX 2.2;
  • 1250 W de potência total, com o fornecimento de até 104 A na linha de 12 V (que é a que interessa hoje em dia);
  • Cabeamento totalmente modular;
  • Ventoinha de 135 mm com rolamento de fluído dinâmico e controle automático de rotação e acionamento. É acionada conforme a carga da fonte, recurso que a XFX batizou de Hybrid Mode e que pode ser desativado se assim desejar;
  • Certificação 80 Plus Gold (92% de eficiência com 50% de carga a 230 V, ou 90% a 115 V);
  • PFC ativo.

Aqui os destaques são o cabeamento completamente modular (ótimo para a organização de cabos no gabinete), a alta eficiência energética (quanto maior este índice melhor, pois menos energia elétrica é consumida pelos circuitos da própria fonte) e a ventoinha com controle de acionamento, o que ajuda em reduzir a quantidade de ruído.


Os conectores são os seguintes:

  • ATX de 20/24 pinos;
  • 1x EPS 12 V de 8 pinos;
  • 1x ATX 12 V de 4/8 pinos;
  • 8x PCIE de 6/8 pinos;
  • 11x SATA;
  • 8x Periféricos padrão (também conhecido como Molex);
  • 2x Unidade de disquete de 3,5”.

A quantidade de plugues disponíveis nesta fonte é excepcional e de acordo com o que se espera de uma unidade de 1250 W. Chama a atenção os oito conectores PCIE, o que torna possível a utilização de até quatro placas de vídeo em conjunto – aliás, a publicidade da fonte é bastante focada neste aspecto. Os onze conectores SATA também garantem ótimas possibilidades de expansão.


Testes

Sempre antes de colocar uma nova fonte (ou uma desconhecida) em funcionamento faço alguns testes básicos com o Thermaltake Dr.Power II:


A XFX for aprovada com louvor. Todas as tensões e o seu tempo de resposta estavam de acordo com o preconizado pela especificação ATX.


Montagem e o parafuso espanado

Aos interessados em comprar este produto tenho o seguinte aviso: com os seus 150 mm de largura, 86 mm de altura e 190 mm de comprimento, ela não cabe em qualquer gabinete! Recomendo fortemente checar a compatibilidade com o seu gabinete antes da compra. Por exemplo, considerava o meu gabinete, que é um Thermaltake Armor VA8000B, bastante espaçoso. Mas para colocar a XFX no seu interior tive que desmontá-lo quase por inteiro: ela não entra pela lateral pois devido ao seu maior comprimento ela “colide” com um dos suportes. Desta forma, tive que desmontar todo o frontal do gabinete (com a retirada dos botões de liga-desliga e reset) e remover os conectores de áudio e USB (que ficam na parte de cima) para que a fonte pudesse ser inserida pela frente do gabinete.

Esta foi a única forma da fonte entrar no meu gabinete

Note os conectores USB e de áudio pendurados

O painel traseiro

Abrindo um parêntese, gostaria de compartilhar com vocês o “causo” do parafuso espanado. Durante a desmontagem do painel frontal do gabinete, me deparei um parafuso que estava completamente preso – bastou apenas uma “derrapagem” da minha parafusadeira elétrica para destruir todas as fendas do parafuso, que era um Philips.

Um parafuso espanado pode acabar com o seu dia...

O parafuso estava completamente incrustado! E o que eu fiz? Primeiramente, borrifei bastante óleo desengripante em ambos os lados do parafuso e deixei agir por aproximadamente uma hora. Após isto, com a ajuda de uma faca de serra, abri uma nova fenda no parafuso visto que a original simplesmente não mais existia. Com a nova fenda criada, consegui finalmente remover o parafuso juntamente com uma chave de fenda comum e muita força. Ufa! :p


Nova fenda criada

Vejam agora a finalização da instalação da fonte com todos os cabos:


Infelizmente o gerenciamento de cabos do meu gabinete é péssimo. Em função disto e também devido ao espaço exíguo para acomodar a XFX estou estudando seriamente a sua substituição.


Também convido-os a verem o singelo vídeo do unboxing que fiz desta maravilha. Decidi mudar um pouco o formato do vídeo: agora ao invés de uma musiquinha pentelha e apenas legendas na tela, agora vocês poderão ouvir a minha voz sensual! :p


Finalizando, a fonte de alimentação XFX ProSeries de 1250 W sem dúvida é um componente top que oferece todos os recursos desejados para um produto da sua linha. Os seus destaques são a eficiência energética, os ótimos valores de potência e corrente (sendo capaz de sustentar até quatro placas de vídeo top de linha da AMD ou da Nvidia tranquilamente), o grande número de conectores e o fato de ser totalmente modular, além do modo híbrido da sua ventoinha. Sem dúvida vale o que pesa (e o que custa).

Comentários