De volta aos 32

Estou de volta aos 32... que história maluca é essa? Veja aqui!


Não, infelizmente eu não tomei emprestado o DeLorean do doutor Brown e voltei dez anos no tempo. O fato é que o meu PC principal, o Black Power NG, voltou a ter “apenas” 32 GB de RAM mesmo após ter recebido um upgrade para 64 GB recentemente.

O motivo foi por estabilidade, com dizia aquela antiga propaganda de pneus: potência não é nada sem controle. Com quatro módulos instalados, não raramente o PC tinha problemas em iniciar a partir de cold boots (quando o equipamento é ligado), congelando antes da carga do sistema operacional. Tentei reinserir os módulos, trocar os mesmos de slot, limpar os contatos, atualizar o firmware da placa para a última versão do AGESA, aumentar as latências e nada: o PC somente fica totalmente estável com dois módulos instalados.


A culpa seria de quem? Da AMD? Da Asus, que é a fabricante da placa-mãe? Os Ryzen de primeira geração notoriamente eram temperamentais com mais de dois módulos de memória instalados, mas não esperava que tal comportamento se repetisse com um Zen 2. De qualquer modo, popular todos os slots de memória sempre foi e é um fator que aumenta possíveis ruídos nos sinais elétricos.

No lado da placa-mãe, a maioria das placas AM4 (inclusive a minha) usa o esquema de sinalização do tipo Daisy Chain, onde o segundo e o quarto slot recebem os sinais e os repassam aos slots um e três, em contraste com a topologia em T onde os sinais são divididos igualmente para todos os slots. A ilustração abaixo que encontrei na Web mostra a diferença:


Ambas as topologias tem as suas vantagens: a Daisy Chain propicia melhor desempenho quando são usados somente dois módulos (o cenário mais comum em PCs tradicionais) pois não há divisão do sinal, enquanto que a T melhora a estabilidade com quatro módulos. Como a plataforma AM4 é voltada para o segmento mainstream, não é de se espantar que a maioria esmagadora das placas sejam Daisy Chain.

Quem saiu ganhando com essa história foi o Super Cobaia, que ganhou dois módulos com maior frequência:


O principal uso que eu fazia dos 64 GB era múltiplas máquinas virtuais, agora caso necessário dividirei este processamento com o já citado Super Cobaia, que também é um monstro de PC. Somente voltarei a ostentar tal quantidade de RAM em um futuro sistema com DDR5, ou então se eu vier a ter um Threadripper ou afins, que conta com quatro canais no acesso à memória. Dado o custo destes processadores, é algo infinitamente improvável.

Como prêmio de consolação, com dois módulos o Black Power NG os roda numa boa em 3600 MHz (originalmente eles são de 3200 MHz), o que sincroniza o Infinity Fabric na mesma frequência, valor considerado ideal pela própria AMD e que pode otimizar o desempenho principalmente em jogos. Também no Super Cobaia houve ganhos: nele os módulos rodam a 3400 MHz, e uma vez que o seu processador é um Zen+ (R7 2700X) está de ótimo tamanho.

Comentários

Mais lidas da semana

Ficou feio

Avaliando o ReFS