Rebuild #7 - When I´m 64 (Parte 3 – Over & Benchs)

Na terceira parte da sétima temporada, o lindo Athlon 64 X2 3800+ foi levado ao limite! 😨


Antes de prosseguir, confira a apresentação dos componentes e a montagem deste projeto caso ainda não tenha feito. 😉

Fazendo overclock em um AMD K8

Os processadores K8 usam uma frequência de referência de 200 MHz que serve como base para todas as outras da plataforma: a do próprio processador, da RAM, do link HyperTransport e das demais interfaces como o AGP (ou PCI Express, dependendo do chipset) e o PCI de legado.

Como a maioria dos processadores Athlon 64 possuem o multiplicador travado para cima, aumentar a frequência de referência é a única forma de fazer overclock. No exemplo do 3800+ que conta com o multiplicador 10 (originalmente ele roda em 2000 MHz), subir a frequência de referência para 240 MHz resulta em 2400 MHz no chip. Felizmente o setup da Asus A8V permite fixar as frequências do AGP e do PCI, o que evita possíveis instabilidades no sistema.


Pelo mesmo motivo também é recomendável ajustar a frequência do HyperTransport, que na plataforma 939 é de 1000 MHz (multiplicador 5). Com a frequência base em 240 Mhz, reduzir o ajuste do HT para 800 MHz (multiplicador 4) resulta em uma frequência final de 960 MHz, bastante próxima da original.


Este foi o melhor que consegui com o bravo 3800+ mantendo a estabilidade:


O pequeno Cooler Master conseguiu manter a temperatura do 3800+ overclockado em níveis muito bons:


Da mesma forma que o HyperTransport, o divisor da frequência do barramento de memória pode ser ajustado de modo que a mesma fique o mais próximo da frequência original, para evitar uma possível instabilidade.


Benchs

O Athlon 64 e a plataforma soquete 939 são boas opções para rodar jogos clássicos com um desempenho espetacular, como o GLQuake e o Quake III:



Entretanto, em benchs mais exigentes como o 3DMark 06 a coisa muda de figura, certamente com maior limitação oriunda da GPU.


Vamos aos resultados:

Teste Stock Overclock Diferença
Super PI 1M (segundos) 44 39 -12,82%
3DMark 2000 Pro (score) 16521 18363 10,03%
3DMark 2001 SE (score) 21200 23423 9,49%
3DMark 03 (score) 13269 13523 1,88%
3DMark 05 (score) 6384 7084 9,88%
3DMark 06 (score) 3393 3466 2,11%
Sandra 99 CPU (MIPS) 7361 7894 6,75%
Sandra 99 FPU (MFLOPS) 2742 3216 14,74%
Sandra 99 Memory Bandwidth (MB/s) 1796 1896 5,27%
Quake (FPS) 370,6 379,3 2,29%
GLQuake (FPS) 847,8 844,5 -0,39%
Quake II (FPS) 432,8 551,8 21,57%
Quake III (FPS) 266,3 282,0 5,57%
Unreal Tournament 99 (FPS) 158,7 165,5 4,11%
Unreal Tournament 2003 Flyby (FPS) 258,6 278,9 7,28%
Unreal Tournament 2003 Botmatch (FPS) 95,8 103,3 7,26%

Os ganhos foram condizentes com o aumento da frequência. Em relação aos demais PCs clássicos testados pelo blog o Athlon 64 X2 liderou a grande maioria dos testes.

Até a próxima parte!

Comentários

  1. Já fiz esse overclock num Athlon 64 x2 3800+ que eu tenho por aqui. Testei alguns benchs na época, o desempenho é parecido melhor que os Pentium D e parecido com os Core2Duo/ Dual Core E2xxx e E4xxx.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante. Vai ser legar fazer comparativos, assim que for possível. 🙂

      Excluir

Postar um comentário