Unboxing e primeiras impressões: placa de vídeo Nvidia GeForce RTX 2080 Ti (Galax SG Edition)

Finalmente chegou a hora de revelar a minha nova placa de vídeo: a hiper-mega-ultra-poderosa RTX 2080 Ti, com 11 GB de pura ostentação!


Eu trabalho com hardware e possuo PCs desde os 15 anos, e somente agora aos 40 que consegui ter pela primeira vez uma placa de vídeo topo de linha de última geração. Estou sentindo-me plenamente realizado como nerd, o rei do camarote do hardware! 😂


Como todos devem saber, até pouco tempo atrás eu era um não muito feliz utilizador de um SLI com duas GTX 1070. Assim passei a procurar uma alternativa com uma potência bruta no mínimo equivalente ao SLI, porém sem as aporrinhações que a tecnologia tem atualmente, livrando-me assim da maldição dos profiles.

Cheguei a cogitar duas alternativas inicialmente, a RTX 2080 e a Radeon VII. A 2080 eu desanimei por ser inferior às duas GTX 1070 em desempenho bruto e ter “apenas” 8 GB de VRAM, já a alternativa da AMD eu desisti pois simplesmente não existe no mercado (não tenho coragem de arriscar com os muambeiros do Mercado Livre), além de ter um desempenho na melhor das hipóteses apenas equivalente ao da RTX 2080. Também pesou o fato do meu monitor ter o G-Sync, assim eu perderia esta tecnologia se comprasse uma GPU da AMD.

Passei um bom tempo indeciso sobre o que comprar, até que pintou a chance de pegar uma poderosa RTX 2080 Ti por menos de 6 mil bolsonaros. Pensei: “quer saber de uma coisa? Vou chutar o balde e ao menos uma vez na vida ter uma placa topo de linha!”, assim arrematando a placa. A decisão também foi motivada por este modelo da Galax ter três ventoinhas (de 80 mm), pois já vi em alguns reviews que placas 2080 Ti com duas ventoinhas esquentam consideravelmente mais.

A Galax dá dois anos de garantia no Brasil (três anos se a placa for registrada no site deles em até 30 dias após a compra), com o processo de RMA sendo feito dentro do país, conforme este termo no site deles. Sem dúvida é um bom diferencial.

E cá está a bichinha!


Como afirmei anteriormente, o meu objetivo com esta placa é ter o mesmo nível de desempenho que tinha com o SLI, porém em todos os jogos (independente de suporte) e sem ter a chateação dos profiles. Ficar procurando no Google sobre como ativar o SLI no jogo X será algo do passado! 😄

Eu sinceramente não ligo muito para o Ray Tracing e companhia, o que eu quero mesmo é o PC cuspindo sempre algo próximo dos 144 FPS (já que o meu monitor é de 144 Hz) em 1440p com ajustes gráficos em níveis mais altos. Claro que avaliarei a tecnologia, porém não faço questão de ter alguns meros efeitos visuais a mais se houver uma queda muito grande na taxa de FPS. Enfim, isto é algo que somente os testes irão mostrar.


Voltando ao unboxing em si, a caixa tem um acabamento muito refinado, o que era de se esperar de um produto de mais de mil trumps.


Abrindo e desembalando a belezinha!



Retirar o plástico protetor de novos componentes é uma das melhores coisas que tem na vida. É algo orgástico para um nerd! 😛


Eis a Galax SG Edition como veio ao mundo!


A placa tem as mesmas especificações das RTX 2080 Ti Founders Edition, a saber:

  • Frequência turbo de 1635 MHz (na 2080 Ti padrão é de 1545 MHz) e base de 1350 MHz;
  • 4352 CUDA Cores na arquitetura Turing;
  • 68 RT Cores;
  • 544 Tensor Cores;
  • 11 GB de VRAM GDDR6 de 14 Gbps, com barramento de 352 bits e largura de banda de 616 GB/s;
  • Suporte ao DirectX 12, Vulkan e OpenGL 4.6;
  • Interface PCI Express 3.0 x16;
  • TDP de 260 W (a Nvidia recomenda uma fonte de 650 W);
  • Requer dois conectores de alimentação PCIE de oito pinos.


No detalhe, os dois conectores de alimentação PCIE:


A placa conta com um plate de proteção do PCB:


Este é o conector para a instalação da nova ponte SLI NVLink. Muito obrigado Nvidia, mas eu não caio nessa novamente! 😒


São três conectores DisplayPort 1.4, um HDMI 2.0 e um USB Tipo C para uso com dispositivos de realidade virtual.


Uma pose sexy:


O kit da Galax SG é bem enxuto. Além de um folheto com instruções de instalação, vem apenas dois adaptadores de energia para o formato PCIE de oito pinos. Ao menos não há um CD com drivers desatualizados que ninguém usa.


Aqui a RTX 2080 Ti no seu melhor habitat, em conjunto com o meu Ryzen 7 2700X:



A Galax SG tem um acabamento com leds coloridos, que podem ser configurados pelo software da Galax. Agora sim tenho a certeza de que ganharei ao menos uns 10 FPS! 😆


Em breve publicarei os resultados da bateria de testes com a grandiosa GeForce RTX 2080 Ti. Até lá! 😉

Comentários

  1. Meus parabéns pela conquista,mesmo assim vc e muito corajoso Eu não teria coragem de que trabalhar quase 3 meses pra uma placa de vídeo preferiria gastar em uma moto mas cada um sabe o que fazer de sua vida... Mesmo assim espero que ela te dê muitas alegrias...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado!

      Já eu acho moto muito perigosa.... Rsrs

      Excluir
    2. A moto na rua não é perigosa,o perigo está nos outros motoristas e condutores

      Excluir
    3. Tranquilo velho, cada um sabe o que é melhor para si. Abraço.

      Excluir

Postar um comentário