Apresentando o primeiro modelo do Pentium MMX (Parte 2 – O Mito!)

Nesta nova postagem sobre o modelo pioneiro do Pentium MMX descrevo o processo de overclock e os resultados obtidos. O bichinho mitou! 😎



O overclock

Como originalmente o Pentium MMX de 166 MHz roda com o barramento frontal (FSB) de 66 MHz e multiplicador 2,5, decidi inicialmente proceder com uma leve redução do multiplicador para 2 e assim poder subir mais a frequência do FSB. Vale lembrar que este processador foi apresentado em detalhes na primeira parte desta série.

O bravo MMX atingiu sem problema algum 224 MHz com o FSB em 112 MHz, que é o máximo suportado pela placa-mãe Asus P5S-B utilizada no teste. Wow! E tudo isso sem qualquer alteração na tensão de alimentação, metodologia que sigo desde o Pentium clássico para mitigar a chance de danificar os processadores antigos. 

Um aumento de 58 MHz em um processador de 166 MHz é algo impressionante, nem mesmo na temperatura houveram alterações dignas de nota e o processador continuou muito estável. MMX mito!

O SpeedSYS informou erroneamente a frequência do FSB

Um 486 de 215 MHz. Eu adoro o Norton System Info! 

Benchmarks

A tabela comparativa mostra que os ganhos de desempenho igualmente impressionam, é uma diferença maior do que a que seria obtida em muitos upgrades de processador. O resto da configuração é o mostrado na série Rebuild #2 ou seja, além do K5 temos a placa-mãe Asus P5S-B, 64 MB de RAM, placa de vídeo 2D S3 ViRGE e 3D Voodoo2, com um disco rígido Quantum Fireball EX de 5 GB. Como sempre, use a página de benchmarks clássicos para ver todas as comparações.

Teste Pentium MMX 166 Pentium MMX 166 OC Diferença
Norton System Info 6.01 CPU (Score) 567,6 761,2 25,43%
Norton System Info 6.01 Disk (Score) - - -
Norton System Info 6.01 System (Score) - - -
3DBench 1.0 (FPS) 25 66,6 62,46%
3DBench 1.0c (FPS) 123,8 162,0 23,58%
SpeedSYS 4.78 CPU (Score) 126,2 169,3 25,46%
Chris´s 3D (Score) 187,9 245,8 23,56%
PC-Config 8.20 CPU (Score) 35,0 47,0 25,53%
Doom - Demo 2 – 320 X 240 (FPS) 93,7 116,5 19,57%
Doom II - Demo 2 – 320 X 240 (FPS) 108,4 136,2 20,41%
Super PI 1M (Segundos) 887 605 -46,61%
Quake - Demo 2 – 320 X 240 (FPS) 30,6 45,0 32,00%
GLQuake - Demo 2 – 640 X 480 (FPS) 33,3 33,6 0,89%
3DMark 99 Max (Score) 789 1106 28,66%
3DMark 99 Max CPU (Score) 1215 1719 29,32%
3DMark 2000 Pro (Score) 324 477 32,08%
Sandra 99 CPU (MIPS) 423 583 27,44%
Sandra 99 FPU (MFLOPS) 191 257 25,68%
Sandra 99 Memory Bandwidth (MB/s) 74 118 37,29%
Sandra 99 Drive Benchmark (Score) - - -
Quake II OpenGL - Demo 2 – 640 X 480 (FPS) 25,4 34,4 26,16%
Quake III OpenGL - Demo 2 – 640 X 480 (FPS) - - -
Unreal Tournament 99 - City intro – 640 X 480 (FPS) - - -

Os resultados também mostraram que este MMX em overclock “chegou junto” do MMX de 233 MHz e do K6 também overclockados, que contam respectivamente com as frequências de 280 e 262 MHz. A diferença entre os três processadores ficou sempre abaixo dos 10% em praticamente toda a suíte de testes, algo impressionante!

Chama muito a atenção também o teste com o Super PI, com uma diferença de quase 50%: o tempo para a conclusão dos cálculos reduziu em mais de quatro minutos! 😱

Conclusão

Sem dúvida este é um dos melhores overclocks que eu já fiz em muitos anos, pela baixa complexidade e riscos, além dos ótimos resultados. Como eu afirmei na postagem “Pentium MMX Super 7”, é algo que plenamente justifica o uso de placas-mãe Super 7 no lugar das placas soquete 7 tradicionais, mesmo para processadores que não requerem tais placas como o Pentium MMX.

Comentários

  1. Resultados impressionantes!
    Uma vez eu comentei no blog, que li a respeito do pentium 166 mmx. O artigo dizia que na produção do pentium 233 mmx, eram realizados testes de desempenho, e caso o processador não atingisse os resultados esperados para uma frequencia comercial de 233 mhz, eram rebaixados para pentium 166. Mas como a exigencia era alta, eles poderiam trabalhar a 233 mhz. O que aconteceu com isso, é que “empresas de garagem” compraram lotes desses processadores 166 e remarcavam como 233, até a Intel alterar a marcação para evitar falsificações.
    Mas daí se vê que as exigencias da Intel eram bem altas! Talves por isso o Pentium 233 mmx ficou tão famoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida, nesta época os processadores da Intel tinham uma margem muito maior do que os AMD. É só ver os testes de overclock que fiz com o K5 e K6, em comparação com o Pentium clássico e MMX.

      Excluir

Postar um comentário