O lado azul da força desperta

Intel pretende entrar com tudo no mercado de GPUs dedicadas, de onde está ausente há quase vinte anos. Sua intenção é derrotar a arqui-inimiga Nvidia.


O i740 foi o último chip gráfico dedicado da Intel

Desde o início do milênio, depois da queda da 3dfx e da S3, que o mercado de placas de vídeo é dominado por dois times apenas: o verde e o vermelho. Porém um novo time quer entrar na peleja: o azul, da gigante Intel. O anúncio veio apenas um dia depois dela tirar Raja Koduri da divisão Radeon.

Raja Koduri

A última tentativa da Intel no mercado de chips gráficos dedicados foi com o i740 em 1998, o qual não foi um sucesso de público pois o seu desempenho ficava bem atrás das soluções da Nvidia, ATI e 3dfx. A empresa continuou tentando com o projeto Larrabee, que porém não viu a luz do dia e acabou sendo aproveitado nos processadores Xeon Phi.

Passados quase vinte anos a Intel novamente deseja entrar neste mercado altamente competitivo, com um único objetivo: derrotar a Nvidia, que em 2009 moveu um processo (a velha guerra de patentes) que resultou em um acordo pelo qual a Intel pagou 1,5 bilhão de trumps por ano até 2016. E para isto vale tudo, inclusive juntar forças com a AMD.

Não podemos jamais duvidar da gigante azul: ela tem tanto dinheiro em caixa que a sua verba para pesquisa e desenvolvimento é maior que o lucro líquido de muitas empresas. Juntando a fartura de recursos com as pessoas certas como Raja Koduri, as chances de sucesso são enormes.

Fonte: Ars Technica.

Comentários

  1. Será que a cada novo modelo de placa a Intel vai modificar alguns detalhes para que o modelo novo não sirva numa placa mais antiga e desta forma todo o conjunto vai ter de ser substituído?
    Zoeiras a parte, concorrência é sempre bem vinda, e a Intel tem tudo para ser um concorrente de peso nessa disputa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda bem que as GPUs não usam soquetes, senão já viu.... rsrs

      Mas falando sério, acho que vem coisa boa por aí. Raja Koduri operava milagres com o orçamento limitado da AMD, imagina agora com o caminhão de dinheiro da Intel? Eu se fosse do alto escalão da Nvidia estaria bem preocupado.

      Excluir
    2. Michel, não duvido nada da criação de um slot de GPU proprietário caso a Intel deseje entrar de vez no mercado de GPUs de alto desempenho.

      Excluir
    3. Como a Intel domina o mercado de CPUs e chipsets x86, teoricamente ela teria forças para isto.

      Ou ainda pode ser um padrão não proprietário, com a Intel liderando outros fabricantes para a criação de um novo padrão que traga vantagens para o seu produto, assim como foi com o AGP e em menor escala com o próprio PCI Express.

      Excluir
  2. Em termos de verba e pesquisa Intel, Google, Microsoft e Apple são empresas que podem se dar ao luxo de arriscarem em um projeto e se recuperarem a médio prazo em caso de fracasso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Incluiria nesta lista a Amazon e até a Samsung - os Galaxy Note 7 explosivos teriam arruinado muitas outras empresas, mas para ela foi apenas um arranhão.

      E digo a você que dependendo da situação elas se recuperam até mesmo no curto prazo.

      Excluir
  3. Para quem quer entrar no mercado de placas dedicadas, a decisão mais estúpida seria não utilizar a interface padrão da indústria.

    ResponderExcluir

Postar um comentário