O Linux completa um quarto de século

Foi exatamente no dia 25 de agosto de 1991, um domingo, que Linus Torvalds fez a divulgação da criação do kernel do Freax, nome que logo depois seria mudado para aquele que hoje é tão aclamado. Conforme as palavras do próprio Linus:


"Inicialmente o nome era Freax, porém a única pessoa que tinha um servidor FTP na Finlândia não gostou e sugeriu Linux, uma junção entre o meu nome e o Minix, no qual o sistema era baseado."


De fato, para ser possível compilar as primeiras versões do Linux era necessário utilizar o Minix, também um sistema Unix-like. A primeira distribuição como conhecemos hoje foi o Slackware, surgido em 1993, e logo o Linux passou a fazer muito sucesso no meio acadêmico e em servidores. O meu primeiro contato com o sistema foi em 1998 com o Conectiva 2.0 Marumbi, epopeia que conto na série Minha experiência pessoal com o Linux.

Xiitismos à parte, o Linux sem dúvida merece muito respeito quer você goste dele ou não. Afinal de contas, ele roda no seu smartphone Android, no seu access point Wi-Fi e em incontáveis servidores - aos que não sabem, servidores Linux são considerados como um dos pilares da Internet moderna. Diante disto, não ter conseguido conquistar os desktops não faz a menor diferença.

Para fechar com chave de ouro, eis o anúncio original feito pelo Linus:


From: torvalds@klaava.Helsinki.FI (Linus Benedict Torvalds)
Newsgroups: comp.os.minix
Subject: What would you like to see most in minix?
Summary: small poll for my new operating system
Message-ID: <1991Aug25.205708.9541@klaava.Helsinki.FI>
Date: 25 Aug 91 20:57:08 GMT
Organization: University of Helsinki

Hello everybody out there using minix –

I’m doing a (free) operating system (just a hobby, won’t be big and
professional like gnu) for 386(486) AT clones. This has been brewing
since april, and is starting to get ready. I’d like any feedback on
things people like/dislike in minix, as my OS resembles it somewhat
(same physical layout of the file-system (due to practical reasons)
among other things).

I’ve currently ported bash(1.08) and gcc(1.40), and things seem to work.
This implies that I’ll get something practical within a few months, and
I’d like to know what features most people would want. Any suggestions
are welcome, but I won’t promise I’ll implement them :-)

Linus (torvalds@kruuna.helsinki.fi)

PS. Yes – it’s free of any minix code, and it has a multi-threaded fs.
It is NOT protable (uses 386 task switching etc), and it probably never
will support anything other than AT-harddisks, as that’s all I have :-(.


Tecla SAP:


"Olá a todos usando minix -

Estou fazendo um (livre) sistema operacional (somente um hobby, não será grande e profissional como o gnu) para o 386 (486) AT clones. Isto está maturando desde abril e está ficando pronto. Gostaria de qualquer feedback de coisas que vocês gostam/desgostam no minix, uma vez que o meu SO assemelha-se a ele (por motivos práticos o layout físico do sistema de arquivos, entre outras coisas).

Atualmente portei o bash (1.08) e o gcc (1.40) e parecem funcionar. Isto implica que terei algo funcional nos próximos meses, e gostaria de saber quais recursos a maioria gostaria de ter. Quaisquer sugestões são bem-vindas, mas não vou prometer que irei implementá-las :-)

Linus (torvalds@kruuna.helsinki.fi)

PS: Sim - é livre de qualquer código do minix, e tem um fs com múltiplos threads. Ele NÃO é portável (utiliza a alternância de tarefas do 386 etc), e provavelmente jamais suportará nada além de discos rígidos AT, pois são tudo o que tenho :-("


Confira aqui a lista de discussão completa. :p

Linus Torvalds na década de 1990


Veja também:
Dica Linux: programando em Shell Script
Criando um pendrive com a imagem de instalação da sua distribuição Linux favorita

Comentários

  1. Cara, o meu primeiro contato com o Linux foi através do Caldera OpenLinux, tentando instalá-lo no meu 486. Mas até eu conseguir exorcizar minhas frustrações com esse sistema levou anos. Posso dizer que adotei o Linux decididamente como segundo sistema operacional foi através do saudoso Kurumin 4.2 (que os deuses dos abandonwares o tenham, Kurumin). Uma curiosidade é que nunca consegui usar uma distro não-Debian por muito tempo, e não foi muito por causa de imperícia. Mandriva, OpenSUSE, Fedora, nah! Não desciam. Dias depois eu voltava correndo para o Debian. APT-GET Forever! E hoje a minha distro definitiva de muitos anos é o Ubuntu.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também sou admirador do jeito Debian-like de ser. Minha distro favorita é o Xubuntu, gosto bastante do XFCE: leve e tem tudo o que um desktop clássico precisa. Além de contar também com a "musculatura" do Ubuntu.

      Excluir
  2. A evolução do kernel é monstruosa. O espaço de usuário, por outro lado, só de uns anos para cá começou a pegar no tranco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente a evolução do kernel é gigante, também em termos de portabilidade.

      Citando o Linus: "won’t be big and professional like gnu"... rsrs. E pensar que hoje o Hurd ficou diminuto perto do kernel Linux (que me perdoem os discípulos do Stallman).

      Excluir
  3. Quando será que o Linus sai do armário? hihi

    Laura Pacheco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que você se confundiu. Aqui não é o blog do Nelson Rubens ou do Leão Lobo.

      Excluir

Postar um comentário