Como configurar o boot múltiplo entre diferentes versões do Windows

Desde os tempos do Windows 95 já era possível criar um ambiente de boot múltiplo entre diferentes versões do sistema operacional da Microsoft. O que muitos talvez não saibam é que este recurso não é necessariamente limitado a duas instalações: com um pouco de planejamento e certos critérios, não há um limite definido quanto ao número de versões do Windows que podem ser acomodados no mesmo disco rígido.

Neste ensaio instalei as cinco últimas versões do Windows no mesmo disco, do velho XP ao novíssimo 10. Confira aqui todos os detalhes!

A tela de seleção do sistema operacional a ser iniciado

Configuração e pré-requisitos

Para a presente postagem utilizei uma máquina virtual criada no VMWare Player com o processador virtual com um núcleo, 3 GB de RAM, disco rígido de 160 GB e as imagens ISO das versões do Windows que foram instaladas – aqui utilizei as edições de 32 bits, porém para as de 64 bits os procedimentos são idênticos.

Da mesma forma não há diferenças de procedimentos caso seja utilizado um PC físico ao invés de uma máquina virtual, as únicas observações neste caso é que o PC deve ter uma configuração capaz de executar a contento as versões do Windows a serem instaladas e espaço em disco suficiente (recomendo uma unidade de pelo menos 160 GB), além de também ser necessário ter em mãos as mídias de instalação das diferentes versões do Windows, estejam elas em um CD/DVD ou em um pendrive – confira aqui a minha dica de como criar um pendrive com os arquivos de instalação de diferentes versões do Windows. Em tempo, vou partir do princípio de que o disco rígido (seja ele virtual ou físico) está “limpo”, sem quaisquer partições existentes.

Iniciando os trabalhos

A chave do sucesso para este procedimento é a ordem de instalação das versões do Windows, que sempre deve ser da mais antiga para a mais nova (até há como sair desta ordem, porém com algumas complicações). Neste caso, portanto, a ordem da instalação será:

XP > Vista > 7 > 8.X > 10

Para começar instale o XP criando uma partição para o mesmo (5 GB está de bom tamanho, salvo se você for instalar muitos softwares), porém deixe o restante do espaço em disco sem uso. No próximo tópico explicarei o motivo disto.

A questão das partições

Aqui temos um pequeno detalhe: o utilitário de instalação das diferentes versões do Windows geralmente cria partições primárias, o que pode se tornar um problema devido ao fato do protocolo ATA suportar no máximo quatro partições primárias no mesmo disco. Desta forma, é necessário criar unidades lógicas ao invés de partições primárias caso você for instalar mais do que quatro versões do Windows.

Voltando ao nosso exemplo, estamos agora com apenas o Windows XP instalado e será a partir dele que criaremos as unidades lógicas. Para tanto, inicie o sistema e acesse o utilitário Gerenciamento de disco dentro do applet Gerenciamento do Computador. Como podemos observar apenas a partição (primária) do XP está criada:



Vamos finalmente criar as unidades lógicas para cada versão do Windows. Para tanto, clique com o botão direito sobre a área não alocada do disco e depois clique em Nova partição. Na tela exibida, selecione a opção Partição estendida.



A partição estendida deve utilizar todo o espaço disponível no disco:



Com a partição estendida criada, clique com o botão direito sobre a mesma e escolha Nova unidade lógica. Agora você deverá definir o tamanho que a unidade lógica terá: cada unidade destas comportará a instalação de uma versão do Windows. De um modo geral algo em torno dos 20 GB está de bom tamanho, porém sinta-se livre para dimensionar os espaços conforme a capacidade do disco e o número de versões a serem instaladas.



Defina agora com qual letra a unidade lógica será montada:



Para a formatação recomendo utilizar o sistema de arquivos NTFS e o tamanho padrão para a unidade de alocação. No rótulo do volume é interessante colocar a versão que será instalada para facilitar a identificação posterior.



Repita o procedimento para criar quantas unidades lógicas forem necessárias (e couberem no disco). Veja como ficou o nosso exemplo:



Agora podemos prosseguir com as instalações do Windows, na ordem correta das versões (lembre-se: sempre das mais antigas para as mais recentes!) e tomando o cuidado de selecionar a unidade lógica correta durante a instalação, por isto a importância de preencher o rótulo de cada unidade com a versão a ser instalada.

Personalizando a tela de seleção do sistema operacional

Após a instalação de todas as versões do Windows desejadas e se tudo correu bem, a tela de seleção do sistema a ser iniciado (exibida no início do boot) deverá estar mais ou menos assim:



Vamos agora personalizar os nomes exibidos para dar um toque mais elegante. Até o XP era possível fazer isto apenas editando um arquivo (o boot.ini), porém a partir do Vista o Windows utiliza outro gerenciador de boot o qual dificulta um pouco este procedimento. Para tanto utilizei no exemplo o freeware Visual BCD Editor - instale-o na versão mais recente do Windows (que no meu caso é a 10) e o execute como administrador.

Na sua interface principal, expanda o item Loaders que contém alguns itens referentes aos gerenciadores de boot das diversas versões do Windows. Em cada um deles edite o item Description com o nome que você julgar mais adequado.



Após concluir o procedimento para cada versão reinicie o PC (ou máquina virtual): o resultado deverá ficar parecido com o mostrado na imagem de abertura da postagem. Agora é só curtir o seu boot múltiplo entre diversas versões do Windows, um verdadeiro fetiche Nerd! :p

Veja também:

Comentários