Instalando o Windows 9X/Me do zero (Parte 1 - Particionamento e formatação)

Prezados leitores, nesta série de postagens irei demonstrar o procedimento de instalação "do zero" dos sistemas operacionais Windows da família 9X, que compreendem o Windows 95, 98, 98 SE e Me, incluindo instruções de como operar o seu famigerado utilitário de particionamento de discos, o FDISK.EXE. Acredito que será bastante interessante e proveitoso para os retrowarers e também para técnicos que eventualmente necessitem efetuar manutenção de equipamentos mais antigos. Nesta parte irei demonstrar os procedimentos de particionamento e formatação do disco.


 Obtendo e gravando um disquete de boot

O procedimento desta postagem foi realizado em um equipamento com o disco rígido completamente vazio, portanto torna-se necessário inicializar o PC através de um disquete de inicialização ("boot"). Caso você não tenha um, é necessário baixar a imagem dele e efetivamente gravá-la em um disquete - obviamente a partir de outro equipamento que possua uma unidade de disquete de 1,44 MB.

Felizmente o clássico site bootdisk.com continua no ar e nele é possível baixar imagens de disquetes de boot de várias versões do Windows e do DOS. Após baixar a imagem do sistema desejado, basta executar o arquivo EXE (com um disquete vazio na unidade) que o mesmo automaticamente gravará a imagem no disquete. Nos Windows Vista, 7 e 8.X pode ser necessário clicar com o botão direito no executável e selecionar a opção "Executar como administrador" para o procedimento funcionar. O bom das imagens disponíveis no bootdisk.com é que elas já possuem os controladores de CD-ROM de modo real (para DOS) o que permite acessar os arquivos de instalação do Windows presentes no CD.

Configurando o equipamento para inicializar pelo drive de disquete

Insira o disquete de boot no drive apropriado do equipamento onde será realizada a instalação e o ligue. Na maioria dos casos o sistema deverá iniciar automaticamente pelo disquete. Caso isto não ocorra, é necessário configurar o SETUP (programa de configuração do BIOS) para que a inicialização do sistema seja feita pelo drive de disquete. Para tanto, reinicie o equipamento e pressione a tecla DEL (ou em alguns casos, F2) para entrar no SETUP.

Como existem inúmeros modelos, versões e fabricantes de BIOS e do SETUP, é impossível listar todas as opções que você poderá encontrar. Porém, procure por itens como "BIOS Features Setup" ou "Advanced BIOS Features". Dentro deste menu, procure pela opção "Boot Sequence" ou "First Boot Device" que deve ser alterado para uma destas opções: "A,C", "A,CDROM,C", "Diskette", "Legacy Diskette" ou ainda "Floppy".

Alterando a sequência de boot para inicializar primeiro pelo disquete

Feito o procedimento, saia do menu pressionando ESC e depois encerre o SETUP salvando a alteração, o que geralmente é feito selecionando a opção "Save & Exit SETUP". O sistema deverá inicializar corretamente pelo disquete.

Particionando o disco com o FDISK.EXE

O utilitário particionador de disco do MS-DOS e do Windows 9X/Me sempre foi enigmático para muitos, mas aqui nós vamos destrinchá-lo em detalhes! Para acessá-lo, basta digitar FDISK no prompt de comando. Na minha demonstração o utilitário está em inglês, porém quem utilizar a versão em português não terá dificuldades para compreender as opções. 

Caso o disco rígido seja maior do que 512 MB e você esteja instalando o Windows 95 OSR 2 ("B"), OSR 2.5 ("C"), 98 ou Me, a primeira tela que o FDISK exibe diz respeito ao suporte à unidades de tamanho maior.


Basicamente o texto diz respeito à utilização do sistema de arquivos FAT32, que é uma versão aprimorada do antigo sistema FAT16 utilizado desde as primeiras versões do MS-DOS. Esta versão atualizada suporta partições maiores do que 2 GB (limite do FAT16). Não há motivos para não usar o FAT32 (a não ser que você pretenda fazer um dual boot com alguma versão antiga do DOS ou do Windows), assim sendo, digite "Y" (ou "S" na versão em português) e tecle Enter para exibir a tela de opções.


Como o disco está vazio, deve-se primeiramente criar uma partição DOS do tipo primária. Para isto, selecione a opção 1. Na nova tela, selecione 1 novamente.


O utilitário então fará um teste de integridade no disco e perguntará se todo o espaço disponível deverá ser usado pela partição primária.


Esta é uma importante decisão. Responder Sim aqui fará com que todo o espaço disponível no disco seja alocado em uma única partição (a C:). Ao meu ver sempre é interessante manter separado em duas partições distintas os arquivos do sistema operacional (partição C:) e os arquivos pessoais do usuário (geralmente a D:). Para isto, tecle "N" nesta tela.

Para fins didáticos irei criar duas partições de 1 GB, uma para o sistema operacional e outra para os dados pessoais. Você pode escolher qualquer divisão de sua preferência, apenas é bom deixar ao menos 1 GB de espaço na partição do sistema operacional, principalmente no caso do Windows 98 e Me. No meu caso, entrei com o valor 1024 (1 GB em notação binária) e apertei Enter.


O FDISK irá confirmar a criação da partição. Pressione Esc para voltar à tela inicial.


Para que o Windows possa ser inicializado, a sua partição deve estar marcada como Active (ou Ativa). Para isto, na tela inicial selecione agora a opção 2. O utilitário perguntará qual partição deverá ser marcada como Active, que no nosso caso é a 1. Tecle Enter para confirmar e em seguida Esc para voltar à tela inicial.


Agora é o momento de criar a partição para os dados do usuário. Para tanto, na tela inicial, selecione novamente a opção 1 em seguida a opção 2 ("Create Extended DOS Partition"). O FDISK sugere que a partição estendida seja criada com o restante do espaço disponível no disco rígido, o que é o desejável. Assim sendo, não altere o valor sugerido e pressione Enter.


O FDISK então avisará que não existem unidades lógicas definidas para a partição estendida e sugere o tamanho máximo disponível para a definição. Este valor será a capacidade de armazenamento da unidade D:, então é interessante que seja o restante do espaço no disco. Para isto, não altere o valor sugerido e pressione Enter.


O utilitário então confirmará a criação da unidade lógica (no nosso caso a D:) com o tamanho total disponível. Pressione Esc para voltar à tela inicial.


O FDISK também permite excluir partições e unidades lógicas (opção 3 da tela inicial) caso você queira reorganizar o particionamento. Como curiosidade, ele também permite excluir partições em outros formatos (Non-DOS, opção 4) como NTFS e sistemas de arquivos do Linux. 

Note que caso você queira "zerar" o disco e começar novamente o processo, é necessário fazer o caminho inverso: excluir primeiro a unidade lógica (opção 3), depois a partição estendida (2) e finalmente a partição primária (1).


Voltando ao nosso procedimento, sempre é bom conferir como ficou o particionamento. Para isto, selecione a opção 4 ("Display partition information") na tela inicial.


Estando tudo OK, pressione Esc para voltar à tela inicial e Esc novamente para encerrar o FDISK, que exibe um aviso indicando a necessidade de reiniciar o sistema antes de proceder com a formatação das partições.


Formatando as partições

Após o sistema reiniciar é hora de formatar as partições criadas. No caso da partição do Windows, deve ser executado o comando FORMAT C: no prompt do sistema, que primeiro solicitará uma confirmação e após a formatação (que pode levar vários minutos) pede que se entre com o rótulo do volume (até 11 caracteres). Digite o nome de sua preferência e pressione Enter. Em seguida é hora de formatar a unidade D:, o que é feito de forma análoga através do comando FORMAT D:.


Na próxima parte deste artigo irei mostrar os preparativos e a instalação do Windows. Até lá!

Próximo:

Comentários

  1. Creio que o melhor S.O dessa época, sem dúvida foi o Windows 98 S.E, a Microsoft conseguiu realmente acertar os erros dos seus antecessores, e deixar ele estável e para bom uso, as telas azuis aconteciam muito menos.O piorsem dúvida, foi o M.E, tanto que ficou popularmente conhecido como "Merda Edition" uhhuhuhahahahahahahaahhaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida o 98 SE foi bom para o seu tempo... na época porém eu preferia deixá-lo em dual boot com o NT 4.0 que era um sistema 32 bits puro-sangue: NT para coisas sérias e o 98 para jogos, pois o NT não tinha suporte ao DirectX. Quanto ao Me, realmente foi o pior da série. Outro apelido dele na época: Bug do Millenium hahahahaha

      Excluir
  2. Dos Windows 9x em casa usei o 95, 98 e o Me. Não cheguei a usar o 95 OSR2 nem o 98 SE que todos dizem ser o melhor. Por incrível que pareça não tive o menor problema como o Windows Me, pelo contrário, gostava dele. Dei uma sorte hehehehe

    ResponderExcluir

Postar um comentário