RetroTeste – Intel Pentium II

Os benchmarks do blog estão de volta e em grande estilo, com a avaliação dos meus exemplares do clássico Pentium II. Confira!


Introduzido em 1997, o Pentium II foi um marco dentre os chips x86 por unir a microarquitetura P6 do Pentium Pro com o conjunto de instruções MMX, além de diversos aprimoramentos como um suporte melhorado a softwares de 16 bits (os quais ainda eram muito populares na época), o maior ponto fraco do Pentium Pro.

Outra mudança marcante foi no formato: o Pentium II passou a vir em um elegante cartucho batizado de SECC.


Ele trouxe também uma nova plataforma chamada de slot 1, enterrando definitivamente o suporte ao soquete 7 por parte dos chips da Intel (a AMD e a Cyrix continuaram com o soquete 7 até 1999).


O sistema de resfriamento já vinha integrado no cartucho:


Possuo os modelos de 350 e de 400 MHz. O último foi adquirido novo na caixa e o seu unboxing pode ser conferido aqui.


A revisão inicial do Pentium II, chamada de Klamath, trazia litografia de 350 nm. No ano seguinte foi lançada a Deschutes com a litografia reduzida para 250 nm, o que melhorava o rendimento térmico e elétrico. As demais características são as mesmas, como o cache L1 de 32 KB (dividido entre instruções e dados) e o L2 de 512 KB operando na metade da frequência do chip - em função disto as placas-mãe slot 1 não tinham nenhum tipo de cache, ao contrário das soquete 7.

Os meus exemplares são do núcleo Deschutes com o barramento frontal de 100 MHz. Vale lembrar que nos Pentium II o multiplicador é travado.



Uma curiosidade: como não houveram mudanças de arquitetura (apenas a litografia) podemos simular os modelos iniciais de 233 e 266 MHz do Pentium II apenas reduzindo a frequência do barramento frontal para 66 MHz. 😀

Benchs

Para não ter que ficar demonstrando a toda hora as plataformas de testes usadas, criei uma página que mostra todas elas. Confira lá!

Como dizem, em processadores de mesma arquitetura “contra frequência não há argumentos”. Desta forma os resultados escalaram conforme o aumento da frequência:



Em relação aos demais processadores testados pelo blog, salvo em alguns benchmarks mais antigos para MS-DOS (que podem não ser aptos a mensurar o desempenho de chips mais modernos, sendo mantidos no rol em função dos mais antigos), os Pentium II dominaram os testes como era esperado.

Até a próxima!

Comentários

  1. Bastante interessante e nostálgico ler sobre o Pentium 2 e o aumento de desempenho conforme a frequência. Numa parte dois, poder-se-ia simular um Celeron desligando o Cache L2. Pode-se fazer testes com o K6-2 e colocar em comparação. Boa época do hardware :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa época em que havia competição de verdade. Hoje com poucos fabricantes acontecem muitas distorções, como a desgraça da Nvidia poder fazer os preços (absurdos) que quiser.

      Excluir
  2. Foi o coração do nosso segundo PC de casa, o primeiríssimo de 233MHz comprado em Maio de 1999 em consórcio (quem lembra dessa época? comprado junto de um Videocassete), foi caro, potente, rodava tudo, pra quem saiu de um 386DX foi um avanço enorme, outro mundo.
    Foi o principal PC de casa até 2005, quando meu pai comprou outro PC e deu esse pra mim, foi aí que nasceu o hobby que viraria oficio, foi nele que aprendi na unha a aprender hardware, numa época sem Yotutube, artigos enormes grande parte em sites inglês, futuros upgrades, testes em diversos sistemas operacionais, varias formatações devido aos virus do Kazaa, eMule, enfim, foi nele que aprendi tudo que sei sobre Hardware hoje, uma curiosidade é que no recém lançado Youtube, em 2006 ele rodava os vídeos travando mesmo na resolução padrão de 360p, então passou a rodar em overclock a 350MHz com a ventilação original, os vídeos passaram a rodar sem travamentos, porem os jogos DOS passaram a ter instabilidades, rodou a maior parte do tempo no Windows 98SE, trocado pro Windows 2000 em 2010 (quando comprei meu primeiro netbook, passou a ser somente pc de backup), já que o XP não rodava muito bem nele, porem, em Setembro de 2013, o processador morreu de vez, enfim, o PC descansando em paz depois de quase 15 anos de atividade.
    Acho que nunca mais terei essa sensação hoje em dia do que tive naquele velho PII que chegou como grande novidade, guerreiro durante os 14 anos de vida, Saudades!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais lidas da semana

286 turbinado #6

As idas e voltas da tecnologia

Pentium versus 5x86

Adeus Gotek!