A batalha da quinta geração

O Intel Pentium e o AMD K5 foram colocados frente a frente. Não perca esta batalha! 👊
Os competidores e a plataforma de testes

Todos os processadores foram testados na placa-mãe Asus P5A, em conjunto com a placa de vídeo 3dfx Voodoo 4 4500 PCI, 128 MB de RAM, disco rígido Maxtor de 10 GB e o Windows 98 SE.



Intel Pentium

Também conhecido como Pentium clássico, traz a microarquitetura de quinta geração da Intel com dupla canalização (é quase como se fosse dois 486 operando paralelamente), barramento local de 64 bits, 16 KB de cache L1 (metade para dados e metade para instruções) e coprocessador aritmético capaz de executar duas instruções simultaneamente. A litografia é de 600 nm.

O Pentium será representado aqui por duas versões, de 133 e 166 MHz.



AMD K5

Desde os 8086/8088 até os 80486 todos os processadores da AMD eram baseados nos projetos da Intel, seja através de acordos de licenciamento (até os 286) ou por engenharia reversa (386 e 486). O K5 foi o seu primeiro projeto próprio, que apesar de ser conhecido como o “Pentium da AMD” tinha algumas características de chips de sexta geração como o Pentium Pro, tais como a capacidade de execução fora de ordem das suas unidades de inteiros. Ele também é um chip híbrido RISC/CISC.

Os processadores K5 trouxeram o PR (Performance Rating), um índice criado pela AMD de equivalência de performance em relação ao Pentium. Ou seja, teoricamente o K5 PR166 avaliado aqui teria performance similar à de um Pentium de 166 MHz, mesmo rodando a 117 MHz (ele remapeia internamente o multiplicador 2,5 para 1,75). O cache L1 é de 24 KB (8 KB para dados e 16 KB para instruções) e a litografia é de 350 nm. 


Resultados

O Pentium de 166 MHz liderou todos os ensaios, com o segundo lugar sendo disputado entre o Pentium de 133 MHz e o K5 PR166 - exceto nos testes que usam a unidade de ponto flutuante, onde a fraqueza da unidade da AMD (que perduraria até os K6) fica evidente.


O fraco desempenho da unidade de ponto flutuante derrubou o K5 na média dos resultados. Uma vez que estes processadores possuem o multiplicador destravado é possível fazer várias simulações, como fiz para o Pentium de 100 MHz.


Os resultados de todos os processadores testados pelo blog estão aqui.

Conclusão

Os resultados mostram que a AMD foi, digamos, muito otimista em atribuir o índice PR166 neste exemplar do K5, mesmo em inteiros. Pelo seu menor custo na época o K5 foi uma boa opção para PCs de uso geral, mas para jogos o bicho pegava devido ao anêmico coprocessador aritmético.

Até a próxima!

Comentários

Postar um comentário

Mais lidas da semana