Rebuild #3: juntando-se à Aliança Rebelde (Parte 6 - Reboot)

Chegou a hora de revisitar o terceiro projeto da série Rebuild, que é baseado em um AMD K6-III e uma 3dfx Voodoo3. 😀

Em tempo, confira todas informações do Rebuild #3 aqui. 👍

Uma vez que este PC é baseado no Windows 98 SE, mostrarei algumas curiosidades sobre este clássico sistema, começando pelo Windows Explorer que traz um novo tema visual em relação ao do antecessor Windows 95:

No 98 SE é possível instalar o icônico e bastante odiado Internet Explorer 6:


Entretanto não é possível abrir qualquer página que use uma conexão segura. Se o IE 6 já não era lá essas coisas no seu auge, quando dominou mais de 90% do mercado de navegadores, imagina agora...

Provavelmente o melhor navegador compatível com o 98 SE é o Firefox 2.0.0.20, que até permite abrir a maioria das páginas, mas não vai muito além disso até mesmo pelas limitações do próprio hardware.

Ah, o MS Office 2000... simples, rápido e eficiente, longe da interface rebuscada das versões atuais.

O “pentelho” assistente clipe era odiado pela maioria.

Comecei a dar as minhas primeiras cacetadas em HTML no FrontPage 2000, principalmente para produzir aquelas páginas típicas dos anos 90:

Voltando aos aspectos técnicos do Windows 98 SE, o medidor de recursos mostra o quanto cada ambiente do sistema está sendo utilizado. Para vocês saberem exatamente o que significam cada um dos recursos, vejam esta postagem. Ela é sobre o Windows 95, mas o 98 SE (e o Me) manteve a mesma arquitetura de sistema.

Até mesmo uma versão rudimentar do hoje famoso Gerenciador de Tarefas já estava lá!

Assim como o utilitário de limpeza de disco.

Um aplicativo pouco conhecido do 98 SE é o gerenciador de recursos de rede:

Ao contrário do Windows 95 OSR 2.X, o 98 SE trazia um utilitário para converter as antigas partições FAT oriundas do MS-DOS para FAT32 sem perda de dados.

Vocês acham que a ferramenta de backup só tem no Windows 7, 10 e afins? No 98 SE ela já estava lá!

Por fim, deixo algumas informações sobre o lendário K6-III:

O K6-III foi o primeiro AMD a trazer o cache L2 on-die operando na mesma frequência do processador. Mito! 😎

Um abraço e até o próximo projeto!

Comentários

  1. Bacana!!!
    Fiquei até com saudades do velho 98!!!
    Aprendi muita coisa com ele!!!

    ResponderExcluir
  2. Esta configuração lembra meu K6-2+ (plus, com 128KB de cache L2 full speed) a 550Mhz, 256MB de memória PC133, Placa mãe Socket Super 7 Shuttle 591P (Chipset MVP3, IDE 33, memória EDO ou PC 100), HD de 15GB, e uma Geforce 4 MX 4000. Sugestão: rodar o CPU-Z vintage nessas Cpu's clássicas. Vou fazer o mesmo nesse K6-2 plus! ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal! O Via MVP3 era na época considerado o melhor chipset super soquete 7, melhor até do que o Aladdin V.

      Excluir
    2. Benchmarks do Sandra 99: CPU Dhrystone 1635 MIPS e CPU Whetstone 653 MFLOPS. Benchmark de memória: CPU Memory Bandwidth = 93MB/s; FPU Memory Bandwidth = 95MB/s.

      Os resultados são muito melhores que os do K6-2 na VXPRO. Além do K6-2+ uma CPU melhor, a placa mãe com chipset MVP3 é super7, suporta memória PC100 e tem DMA (UDMA 33MB/s).

      Excluir
    3. Benchmark do CPU-Z vintage INT Score = 936; FPU Score = 3386.

      O K6-2 a 263Mhz na VX PRO fez apenas: INT Score = 429; FPU Score = 1614.
      (Ou seja, o K6-2+ na MVP3 ganhou de lavada, o que era esperado.)

      Link da validação CPU-Z (K6-2+): https: // valid . x86 . fr / unri3h
      (remova os espaços para acessar).

      Excluir
    4. Show! Muito obrigado pela contribuição!

      Excluir
    5. Link do K6-2 plus : https:// valid. x86 . fr /ng7z2f

      Excluir

Postar um comentário