White Power SLI (Parte 3 – Over & Benchs)

Veja como este PC top saiu-se no overclock e nos torturantes benchmarks!


Para conferir a seleção de componentes veja a primeira parte da série, enquanto que a montagem está na segunda parte. 👍

O desafio de overclockar um processador de 105 W

Lançado em 2018, o Ryzen 7 2700X conta com oito núcleos e litografia de 12 nm, sendo o primeiro Ryzen a chegar aos 105 W de TDP, o que exige um conjunto de refrigeração maior dimensionado para ser possível chegar um pouco mais longe. 

Apesar de lindo, o cooler Wraith Prism que acompanha o 2700X não é capaz de dar conta do recado em overclock: consegui no máximo 4,1 GHz em todos os núcleos com 1,4 V de alimentação.


Nesta configuração simplesmente não é possível manter a temperatura sob controle. Em plena carga, o processador chega quase aos cem graus! 🔥


Para todas as avaliações a memória está operando em 3066 MHz:


Apesar das dificuldades, levei adiante os testes. No melhor estilo do blog, os benchs gráficos começam no pesadíssimo 3DMark Fire Strike Ultra (4K), passam pelo Unigine Valley e terminam nos 3DMarks 03 e 2001 SE. 😁





A mensuração de desempenho sintético do processador passa pelo mesmo processo: começam no exigente Cinebench R20 e terminam no clássico Super PI.



Aproveitei para avaliar novamente o SSD Samsung 960 EVO que tenho desde 2017. Ele continua em plena forma, com bons números para uma unidade PCI Express 3.0 x4.


Também mensurei o desempenho do arranjo RAID 0 com os dois discos Seagate Barracuda de 2 TB. A diferença é abissal!


Mas vamos aos resultados, que mostram de forma clara e cristalina que simplesmente não vale a pena fazer overclock no Ryzen 7 2700X, ainda mais com o cooler padrão pelo problema da alta temperatura - nem mesmo com um watercooler vale a pena. O comparativo de todos os PCs testados pelo blog está aqui.

Teste Stock Overclock Diferença
PCMark 10 (Score) 5693 5753 1,04%
3DMark Time Spy Extreme (Score) 5123 5171 0,93%
3DMark Time Spy (Score) 11251 11334 0,73%
3DMark Fire Strike Ultra (Score) 8208 8210 0,02%
3DMark Fire Strike Extreme (Score) 14592 14610 0,12%
3DMark Fire Strike (Score) 24873 24938 0,26%
3DMark Sky Diver (Score) 45368 45908 1,18%
3DMark 11 (Score) 28189 28153 -0,13%
3DMark Vantage (Score) 66658 66773 0,17%
3DMark 06 (Score) 33670 33187 -1,46%
3DMark 05 (Score) 35155 42374 17,04%
3DMark 03 (Score) 149458 145017 -3,06%
3DMark 2001 SE (Score) 69568 66886 -4,01%
Cinebench R15 CPU (CB) 1745 1815 3,86%
Cinebench R15 CPU Single Core (CB) 175 170 -2,94%
Cinebench R20 CPU (CB) 3923 4128 4,97%
Cinebench R20 CPU Single Core (CB) 434 419 -3,58%
CPU-Z Multi Thread (Score) 4838,3 5032,3 3,86%
CPU-Z Single Thread (Score) 467,8 464,6 -0,69%
7-Zip Multi Thread (MIPS) 67447 67913 0,69%
7-Zip Single Thread (MIPS) 4319 4404 1,93%
Super PI 1M (Segundos) 10 10 0,00%
Unigine Heaven (Score) 5396 5368 -0,52%
Unigine Valley (Score) 5084 5151 1,30%
Unigine Superposition (Score) 12535 12569 0,27%
V-Ray CPU (Ksamples) 11721 11996 2,29%
V-Ray GPU (Mpaths) 399 403 0,99%
Handbrake (Segundos) 356 341 -4,40%

Notem também que em testes que usam uma única thread houve perda de desempenho, uma vez que a frequência do Precision Boost do 2700X é de 4,3 GHz e em overclock todos os núcleos ficaram travados em 4,1 GHz.

Enfim, assim como todos os outros projetos do blog, este projeto continuará recebendo atualizações. Por exemplo, em breve quero fazer testes para ver como anda o cada vez mais decadente suporte ao SLI nos jogos, então aguardem!

Comentários