Segundo professor da FGV, o home office deverá crescer 30%

Em tempos de coronavírus, o home office está sendo largamente adotado como um indispensável complemento ao necessário isolamento social. A tendência é que a prática permaneça em alta mesmo após o final da pandemia.


O estudo, denominado de “Tendências de Marketing e Tecnologia 2020: Humanidade redefinida e os novos negócios” foi feito pelo coordenador do MBA em Marketing e Inteligência de Negócios Digitais da FGV, André Miceli, e indica que as relações de trabalho a distância deverão crescer cerca de 30% após a crise causada pelo coronavírus.

Segundo Miceli, os bons resultados obtidos com o home office farão com que a tradicional cultura organizacional seja repensada, e que a tecnologia seja considerada cada vez mais um ativo humano. O passado não mais será um guia para o futuro:


“O home office já se mostrou efetivo. Aliado a isso, você tira carros da rua, você desafoga o transporte público, você mobiliza a economia de outra forma. E você faz com que as pessoas tenham mais tempo para cuidar da saúde delas e que elas possam usufruir de coisas que lhe dão prazer. Sem que você tenha uma redução das entregas e do faturamento”


Ainda conforme o coordenador da FGV, a adoção de metodologias mais ágeis é necessária para os novos desafios que surgem diariamente, como a pandemia em que vivemos. O processo de análise e tomada de decisões precisa estar alinhado com o ritmo das mudanças.

Pessoalmente falando, concordo totalmente com as conclusões do estudo. Há tempos me questiono qual é a necessidade de agrupar 100, 200 pessoas em um mesmo ambiente, para realizar trabalhos que poderiam ser feitos a partir de qualquer lugar do mundo que tenha uma conexão à Internet.

Infelizmente foi necessária uma pandemia e milhares de mortes para que as relações trabalhistas fossem, enfim, repensadas. Muito triste.

Comentários

  1. Muita coisa pode ser 100% nuvem: basta num navegador e pronto. Contudo, há cenários com ERPs internos e coisas do gênero, para os quais sobram VPN e desktop remoto. Nem sempre VPN é viável. Exemplo: quando você tem um ERP porcaria (como tantos por aí), cujos binários escritos na base da POG têm quase 50 MiB. Só para carregar o troço demora vários minutos em conexões lentas. Para piorar: o programa mantém o banco de dados inteiro na memória e a cada modificação trafega uma quantidade enorme de dados. Totalmente inviável para *um* usuário remoto. Imagina para algumas dezenas. ☹

    Daí entra o Terminal Server do Windows Server, que possibilita esses softwares porcarias funcionarem remotamente sem problema. RDP é um protocolo eficiente, robusto e seguro.

    Qualquer hora dessas tenho que dar uma olhada no X2Go para ver a quantas anda. Talvez seja uma solução livre razoável para quem não pode arcar com os custos do Windows Server/Terminal Server:

    https://wiki.x2go.org/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certamente há casos e casos. Aqui estou usando RDP e, olha, não há diferença nenhuma entre eu estar fisicamente na empresa ou não. Muito bom.

      Excluir
  2. Justo agora que inauguraram um prédio novinho?!?!

    ResponderExcluir

Postar um comentário