Cobras fumantes, eterna é a sua vitória!

Em um país de memória curta, onde paspalhos que participam de reality shows (de horrores) são chamados de heróis, foi preciso que uma banda sueca relembre quem foram os verdadeiros heróis. E um deles fez parte da minha família.


Surgido em 1999, o grupo sueco Sabaton felizmente nos mostra que ainda há vida inteligente no mercado musical, e que não precisamos ficar apenas nos dinossauros dos anos 1960, 70 e 80 para termos uma boa música pesada. A bela Smoking Snakes, terceira faixa do álbum Heroes de 2014, presta uma justa homenagem aos integrantes da Força Expedicionária Brasileira que combateram na Itália durante a Segunda Guerra Mundial.

Recomendo fortemente que vocês pesquisem sobre os três heróis brasileiros no Google, é uma história belíssima de bravura e coragem. 


Aqui contarei através de imagens um pouco da história de um dos bravos que serviram na Força Expedicionária Brasileira, o meu tio-avô Gilberto Orlandini, irmão da minha avó paterna. Tenho um grande orgulho de pertencer à mesma família.

Este é o desfile das tropas no Rio de Janeiro, então capital do Brasil, antes do embarque para a Itália:


Os lindos retratos de antigamente. Este é de antes do embarque:


Eis o Band Of Brothers brasileiro. O Gilberto é o segundo da esquerda para a direita. Quem ainda não assistiu à série, recomendo fortemente que assista! 


Aqui no Monte Castello, após a histórica vitória das forças da FEB sobre a 232ª divisão de infantaria alemã. O meu tio-avô novamente é o segundo da esquerda para a direita, tendo integrado o 11º Regimento do 3º Batalhão de Infantaria da FEB. Notem o cenário de completa devastação ao fundo.


Hoje vivemos em um planeta cujas comunicações são instantâneas e onipresentes, porém em 1944 era muito diferente. Um jornal brasileiro, mesmo que de alguns meses atrás, chamava a atenção de todos que queriam saber o que estava acontecendo no tão querido país que eles bravamente representavam. Notem novamente a desoladora devastação ao fundo, algo que apenas um mortífero conflito pode causar.


Em um raro momento de descanso em uma trincheira, ele aproveitava para conferir as notícias:


Foto de um clássico tanque Sherman tirada por ele:


O conflito também atingiu duramente os civis, e não apenas em consequência direta dos combates. Faltavam alimentos e remédios, e aqui os valorosos soldados brasileiros dividiam as suas rações com os camponeses italianos:


A guerra sempre cobra um alto preço. Gilberto foi ferido por estilhaços de uma granada, e esta foto é de logo após a sua alta do hospital de campanha: 


Eis quando, em 1945, a tão esperada notícia sobre o fim das hostilidades na Europa chegou à cidade de Jacarezinho no Paraná, que é a cidade natal do meu tio-avô e minha também.


Os distintivos originais do 3º Batalhão de Infantaria e da FEB da sua farda:



A sua identificação:


Assim como muitos outros heróis que combateram em solo italiano, os atos de bravura do meu tio-avô ficaram registrados para toda a eternidade.



Infelizmente Gilberto Orlandini não está mais entre nós, tendo falecido no ano de 1991. Certamente está reunido em um panteão reservado aos guerreiros que lutaram para livrar o mundo das trevas da tirania nazista, certo de que cumpriu com louvor a missão a ele confiada por Deus. Quanto a nós, cabe jamais deixarmos cair no esquecimento tão sublime feito.

Para finalizar, uma curiosidade: talvez muitos, principalmente os mais jovens, estejam se perguntando o motivo dos combatentes da FEB serem conhecidos como os “cobras fumantes”. Pois bem, como acontece por aqui até hoje em muitos aspectos, notadamente no âmbito político, havia um grande descrédito de que o Brasil pudesse entrar na guerra. Na época circulava uma infame piada, a qual dizia que era mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil enviar tropas para a Europa.

A cobra fumou.


Comentários

  1. Parabéns pela matéria, acredito que ainda alguns desses heróis, ainda, estejam vivos, porém esquecidos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, certamente ainda há muitos deles vivos, porém sem receberem o merecido reconhecimento.

      Excluir
  2. Parabéns pela bela homenagem ao seu tio-avô. Ele com certeza ficaria muito feliz e ver um de seus descendentes homenageando-o desta forma.
    Muito bacana também ter essas raras fotos que na epoca não eram tão faceis de se fotografar assim como é hoje, ainda mais em um ambiente de guerra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado! Realmente as fotos são uma preciosidade histórica, que agora felizmente estão preservadas. Um grande abraço!

      Excluir

Postar um comentário