Apresentando o Pentium clássico (Parte 1 - Benchmarks)

O Pentium representou a quinta geração de processadores x86 da Intel e, embora não tenha sido marcante como o sucessor Pentium Pro, foi também uma considerável evolução.


O contexto histórico

Introduzido em 1993, o Pentium inaugurou a quinta geração dos processadores x86, iniciada em 1979 com o 8086 e que passou pelo 80286, 386 e 486. O Pentium não trouxe nenhum novo conjunto de instruções (como o 386 que introduziu o conjunto de instruções IA-32) porém em muitos aspectos foi uma grande evolução se comparado ao seu antecessor, o 80486.

Dois fatores importantes marcaram este lançamento. O primeiro deles foi quanto ao nome: inicialmente a Intel queria seguir a ordem e batizar o novo processador como 80586, mas o seu pedido de registro do nome foi negado em função de que possuía apenas números e a empresa optou por utilizar o nome Pentium. O segundo fator foi que a partir deste modelo a Intel deixou de licenciar o projeto dos seus processadores para ser produzido por terceiros (como ocorria até o 486), por isto a sua preocupação com a exclusividade do nome. 

Características técnicas

O Pentium não representou nenhuma grande revolução na arquitetura x86, porém foi uma boa evolução se comparado ao seu antecessor, tornando-se o estado-de-arte da época. As suas principais melhorias em relação ao 80486 são as seguintes:

  • Dupla canalização: internamente o Pentium possui praticamente dois processadores 486 operando em paralelo. A canalização denominada de "U" pode processar qualquer tipo de instrução enquanto que a "V" é dedicada a instruções com operadores simples. Nos casos onde o código do software em execução entre em um processo de loop com muitas operações repetitivas e simples, as duas canalizações entram em ação para reduzir o número de ciclos necessários para concluir o processamento;
  • Barramento local de 64 bits, contra 32 bits do 486;
  • Memória cache L1 de 16 KB divido em dois blocos, sendo metade de dados e metade de instruções;
  • Coprocessador matemático redesenhado, com a possibilidade de executar duas operações em paralelo.

Para a análise do Pentium clássico usaremos um exemplar de 133 MHz para o soquete 7, que possui a frequência do barramento externo de 66 MHz, tensão de alimentação de 3,3 V e litografia de 0,35 mícron.


Como o processador possui os multiplicadores desbloqueados, na época muitos espertinhos vendiam processadores Pentium de 100 MHz overclockados como se fossem de 133 MHz, visto que eram bem mais baratos. Em função disto a Intel passou a decalcar o código “i133” no processador (anteriormente todos os Pentium tinham a inscrição “iPP”).


Aqui vemos o Pentium 133 MHz instalado na placa-mãe Asus P5S-B. Os demais componentes de hardware são os mesmos mostrados na série Rebuild #2.


Benchmarks

Mas vamos aos benchmarks! De um modo geral o Pentium de 133 MHz ficou entre o 80486 DX4 de 100 MHz e o Pentium MMX/K6/Pentium Pro, o que era esperado. Comentarei apenas os resultados que de algum modo saíram deste padrão.

Como sempre, acompanhe as tabelas comparativas completas na página de benchmarks clássicos. 😉

Norton System Info 6.01


3DBench 1.0

Neste teste o resultado obtido pelo Pentium ficou no mesmo patamar dos processadores 80386, o que não faz o menor sentido, assim não incluí este resultado na tabela comparativa. O resultado foi idêntico mesmo após rodar o teste por várias vezes, o que indica que o mesmo não é confiável para avaliar processadores acima do 80486.


3DBench 1.0c


SpeedSYS 4.78 CPU


Chris´s 3D


PC-Config 8.20 CPU

Neste teste o Pentium 133 MHz ficou 27% à frente do Pentium Pro de 200 MHz. Realmente o PC-Config não se dá bem com a arquitetura P6.


Doom (Demo 2 – 320 X 240)

Aqui o Pentium e o Pentium Pro ficaram “tecnicamente empatados”. Outro exemplo onde a deficiência em softwares de 16 bits do Pentium Pro fica visível.


Doom II (Demo 2 – 320 X 240)


Super PI 1M

O Pentium 133 MHz ficou 39% atrás do K6 233 MHz, uma diferença menor do que eu esperava.


Quake (Demo 2 – 320 X 240)

Neste jogo o Pentium 133 MHz ficou apenas 23% atrás do K6 233 MHz.


GLQuake (Demo 2 – 640 X 480)

Outro empate técnico entre o Pentium e o Pentium Pro, muito embora o Pro conta com uma Voodoo e o Pentium com uma Voodoo2, bem mais poderosa.


3DMark 99 Max

No índice de CPU o Pentium ficou apenas 28% atrás do K6.


3DMark 2000 Pro

Este teste exige que o processador tenha as instruções MMX, assim sem chance para o Pentium.


Sandra 99


Sandra 99 Memory Bandwidth

Mesmo com módulos SDR-SDRAM (rodando a 66 MHz, mesma frequência do FSB) o Pentium ficou atrás do Pentium Pro com módulos EDO. Os testes do Sandra foram executados no Windows NT 4.0 em ambos os processadores.


Quake II OpenGL (Demo 2 – 640 X 480)

Este jogo mostra realmente ser fortemente dependente do processador, tanto que o Pentium Pro com a Voodoo ficou 20% à frente do Pentium com a Voodoo2.


Em tempo, o Quake III e o Unreal Tournament 99 seriam areia demais para o caminhãozinho do Pentium 133 MHz. Um abraço e até a próxima!

Comentários