“Unboxing” e primeiras impressões: disco rígido Seagate Barracuda de 3 TB (RAID 0)

Confira as minhas impressões sobre esta unidade mainstream da Seagate, que conta com o bom espaço de armazenamento de 3 TB. Serão mostrados dois destes discos em um arranjo RAID 0.


Este é o motivo de eu ter utilizado aspas na palavra unboxing: estas unidades são voltadas ao mercado OEM e de pequenos integradores, e desta forma não contam com qualquer tipo de embalagem ou documentação. É somente um plástico antiestático que envolve os discos.


Eis os discos. O modelo deles é o ST3000DM008.


Estas são as informações sobre o modelo, que conta com rotação de 7200 RPM, 64 MB de cache e interface SATA-600. Note que nem todos os discos (independente do fabricante) de 3 TB ou superiores são de 7200 RPM, assim é bom prestar atenção antes de comprar. Há muitos modelos de 5400 RPM, que não são ideais em termos de desempenho.


O desempenho das unidades individuais medido pelo CrystalDiskMark. Curiosamente uma delas apresenta números ligeiramente superiores, porém esta diferença é irrelevante para compor o arranjo RAID 0.



Como ficou o desempenho em RAID 0. As transferências sequenciais são as mais beneficiadas com a utilização dos dois discos em paralelo.


Estas unidades comporão o armazenamento de massa do meu PC principal, enquanto que os discos utilizados anteriormente (dois Barracuda de 2 TB, modelo ST2000DM001) irão para outro PC para serem aplicados como backup.

Comentários

  1. Uma observação a respeito dos discos Seagate: estou evitando comprar desta marca pois, sempre faço a verificação da integridade dos discos através dos atributos Smart utilizando o software CrystalDiskInfo, e assim como no print que postou , os atributos Read Error Rate e Seek Error Rate, e mesmo Write Error Rate quando disponível na leitura do modelo verificado, os valores são sempre estranhos, ou seja, diferentes de zero, o que não poderia ocorrer com um disco novo como os seus, tirados agora da embalagem, se verificar o mesmo em unidades de outras fabricantes, o mesmo não ocorre... e isso só comprova aquele estudo feito já há algum tempo sobre a durabilidade de discos de diversas fabricantes e lá já dizia que a menor durabilidade eram de discos da Seagate. Triste isso, já que todos a consideravam a melhor fabricante de discos, ao menos antigamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os Seagates de 2 TB que estão sendo substituídos estão firmes e fortes desde 2012, por isso continuei na linha Barracuda. Como todos os valores estão em 100, pensei que fosse algum bug do CrystalDiskInfo.

      Excluir
    2. Pois é. Todos os Seagates que tenho possuem o valor desses atributos bem altos. Tem um valor que se refere a erros de leitura se iguala ao atributo de CRC. Já tentei trocar de cabo e nada. E se o CRC está sendo requisitado à exaustão significa que o desempenho é afetado de alguma forma.

      Excluir
    3. Eu ainda estou achando estranho isso, pois todos os campos ficam com o valor 100. É algo que vale uma investigação mais a fundo.

      Quanto ao desempenho, os números do CrystalDiskMark são condizentes com um disco mecânico de 7200 RPM. Mesmo os meus Barracudas de 2 TB de 2012 não mostram qualquer indício de degradação.

      Excluir
    4. Não... O valor 100 nas primeiras colunas estão normais isso é para efeitos de comparação ... O problema está na última coluna, onde estão os valores hexadecimais, lá sim nos atributos que comentei, deveriam haver zeros.

      Excluir
    5. Sim, mas mesmo os números em hexadecimal não fazem sentido, principalmente o Read Error Rate. Ainda continuo achando que é algum bug do CrystalDiskInfo ou mesmo do firmware da Seagate - ela não se exporia colocando deliberadamente no mercado discos novos que já apresentam erros de leitura, pois o fumo seria grande apenas nos EUA.

      Mas depois do episódio do Meltdown e Spectre, não duvido de mais nada.

      Excluir
    6. E eu acho que realmente são problemas nos discos, uma cliente de meu amigo perdeu um HD externo Seagate com um mês de uso, eu tenho um também e não confio nele por conta desses valores no CrystalDiskInfo, tanto que após recebê-lo já encomendei um da Toshiba que são os melhores atualmente. Outro motivo que descarto ser bug no software é que ele apenas lê o que estão registrados nos atributos SMART do próprio disco analisado e outro fato é que se você analisar discos de outras marcas como a Toshiba que já mencionei e Western Digital (que eu não gostava antes, agora por conta de ver sua durabilidade gosto) , eles não apresentam erros registrados nesses atributos a não ser que estejam no fim de suas vidas úteis.

      Excluir
  2. Me deu saudade do meu RAID 0 de 1 TB que funcionou por anos. Fico imaginando um RAID 0 mecânico com HDs híbridos. Será que chega a utilizar 50% da banda de transferência da interface Sata 600?

    Falando em desempenho de discos mecânicos parece que a tecnologia chegou ao seu limite, né? Por que não tem HDs domésticos de 7.200 rpm com 256 MB, 512 MB ou mesmo 1 GB de cache? Ou HDs domésticos de 10.000 rpm?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que com a popularização dos SSD os grandes fabricantes não estão mais focando seus esforços no desenvolvimento de HDs domésticos além das 7200 RPM, provavelmente este foi o ponto máximo no desenvolvimento de HDs domésticos (Mas posso estar totalmente enganado, afinal o mundo da tecnologia é uma caixinha de surpresas). Ainda me lembro bem, quando em meados de 2012 aposentei meu Quantum Fireball de 40GB, e o substitui por um Seagate Barracuda de 500GB. A diferença de performance dos discos foi gritante. Esta máquina que montei em 2012 me acompanha até hoje, e o Barracuda continua lá, firme e forte.

      Excluir
    2. Por enquanto, restará como diferencial dos HDD alta capacidade (a menor custo) com a tecnologia SMR.

      HDDs ainda vão longe, mas daqui para frente é ladeira a baixo. Lentamente descendo.

      https://adrenaline.uol.com.br/2018/07/18/55793/western-digital-fecha-fabrica-de-discos-rigidos-e-aumenta-investimento-em-ssds/

      Excluir
    3. Os discos mecânicos continuarão enquanto o seu custo por GB for vantajoso.

      Citando o meu exemplo, ter 6 TB de armazenamento com dispositivos flash NAND custaria uma pequena fortuna.

      Excluir

Postar um comentário