AMD Ryzen 7 2700X: overclock e benchmarks

Chegou a hora do Ryzen 7 2700X ser levado ao limite, além de também ser exaustivamente testado e comparado com o antecessor 1700. Confira!


Overclock

O funcionamento básico do 2700X já vimos na postagem sobre a sua montagem, bem como o seu unboxing, assim partiremos diretamente ao overclock. A minha meta é atingir o máximo da frequência possível em todos os núcleos com a tensão máxima de 1,4 V, sem a utilização dos recursos Precision Boost e XFR.

Foram dias intensos de testes na base da tentativa e erro, que me fizeram chegar à conclusão de que a barreira de estabilidade do meu exemplar do 2700X é de 4,22 GHz, frequência que ele atingiu com 1,368 V ajustado no Setup. O valor mostrado pelo CPU-Z é um pouco maior devido ao ajuste do Load Line Calibration:


Para vocês terem uma ideia, em 4,25 GHz (meros 25 MHz a mais, a frequência do meu Harris 286) o processador somente ficou estável com 1,412 V e em 4,3 GHz foram necessários nada menos do que 1,475 V, o que sem dúvida não vale a pena para uso diário. A estabilidade pôde ser verificada pelos próprios programas utilizados nos benchmarks, em especial o PCMark e o Handbrake: com estes, qualquer ajuste inadequado ocasionava erros (além de telas azuis da morte).

Quanto ao overclock da RAM, o que eu suspeitava na postagem anterior se confirmou: não consegui atingir nada a mais além dos 2800 MHz, devido aos meus módulos de 16 GB serem double rank (não existem módulos DDR4 desta capacidade que não sejam double rank). De qualquer modo, é um valor bem acima dos 2133 MHz informados pela AMD nesta configuração.


De qualquer modo, consegui atingir 225 MHz a mais com o 2700X utilizando uma tensão de alimentação menor do que o 1700 (a 4 GHz ele necessitava de 1,375 V). Sem dúvida houve um avanço na revisão Zen+, mas menor do que o esperado. Eu realmente tinha esperança de atingir 4,4 GHz com uma tensão aceitável, mas não deu. Em 4,22 GHz e 1,368 V as temperaturas máximas registradas durante os testes não ultrapassaram os 70 ºC.

Benchmarks

Para os resultados serão feitas as seguintes comparações:

  • Ryzen 7 1700 stock, com o Precision Boost e o XFR ativados;
  • Ryzen 7 1700 @ 4 GHz, o overclock máximo deste processador;
  • Ryzen 7 2700X stock, com o Precision Boost e o XFR ativados;
  • Ryzen 7 2700X @ 4 GHz, para uma comparação direta clock por clock;
  • Ryzen 7 2700X @ 4,22 GHz, o overclock máximo deste processador.

Em todos os testes a RAM estava ajustada para 2800 MHz e o resto do sistema pode ser conferido na postagem anterior. Foram selecionados testes com forte dependência do processador.

PCMark 8 Creative

Os testes da suíte Creative simulam funções de edição de vídeos, fotos e áudio, jogos em DirectX 11 e o desempenho em scripts de páginas web. O teste completo toma cerca de uma hora e revelou-se um bom indicador de estabilidade.


Aqui a diferença entre o 2700X e o 1700 overclockado não chegou aos 3%:

Processador Score Variação
Ryzen 7 2700X @ 4,22 GHz 6686 0,46%
Ryzen 7 2700X stock 6655 2,12%
Ryzen 7 2700X @ 4 GHz 6514 1,06%
Ryzen 7 1700 @ 4 GHz 6445 9,05%
Ryzen 7 1700 stock 5862

3DMark Fire Strike Physics

O Fire Strike é um teste no DirectX 11 em 1080p, e o índice Physics mensura o desempenho do processador nos cálculos de física.


Novamente não há diferença notável.

Processador Score Variação
Ryzen 7 2700X @ 4,22 GHz 21281 2,35%
Ryzen 7 2700X stock 20780 0,92%
Ryzen 7 2700X @ 4 GHz 20589 1,43%
Ryzen 7 1700 @ 4 GHz 20294 17,33%
Ryzen 7 1700 stock 16778

3DMark Time Spy CPU

O Time Spy é um teste no DirectX 12 em 1440p, e o índice CPU mensura o desempenho do processador nos cálculos de física.


Apenas o 2700X overclockado teve algum ganho:

Processador Score Variação
Ryzen 7 2700X @ 4,22 GHz 9442 4,64%
Ryzen 7 2700X stock 9004 0,70%
Ryzen 7 2700X @ 4 GHz 8941 2,49%
Ryzen 7 1700 @ 4 GHz 8718 15,21%
Ryzen 7 1700 stock 7392

Cinebench R15 CPU

O Cinebench renderiza uma cena utilizando todas as threads disponíveis do processador.


Novamente aqui o overclock do 2700X fez alguma diferença:

Processador Score (cb) Variação
Ryzen 7 2700X @ 4,22 GHz 1879 5,91%
Ryzen 7 2700X stock 1768 0,40%
Ryzen 7 2700X @ 4 GHz 1761 2,95%
Ryzen 7 1700 @ 4 GHz 1709 17,44%
Ryzen 7 1700 stock 1411

Cinebench R15 CPU Single

Aqui a mesma cena é renderizada, porém utilizando apenas uma thread.

Processador Score (cb) Variação
Ryzen 7 2700X @ 4,22 GHz 175 1,14%
Ryzen 7 2700X stock 173 5,78%
Ryzen 7 2700X @ 4 GHz 163 1,84%
Ryzen 7 1700 @ 4 GHz 160 10,63%
Ryzen 7 1700 stock 143

CPU-Z

Aqui também todas as threads são utilizadas e o overclock do 2700X fez alguma diferença:


Processador Score Variação
Ryzen 7 2700X @ 4,22 GHz 5155,2 6,28%
Ryzen 7 2700X stock 4831,4 0,25%
Ryzen 7 2700X @ 4 GHz 4819,4 0,02%
Ryzen 7 1700 @ 4 GHz 4818,4 18,84%
Ryzen 7 1700 stock 3910,5

CPU-Z Single

O mesmo teste com uma única thread.

Processador Score Variação
Ryzen 7 2700X @ 4,22 GHz 473,7 1,29%
Ryzen 7 2700X stock 467,6 5,30%
Ryzen 7 2700X @ 4 GHz 442,8 0,05%
Ryzen 7 1700 @ 4 GHz 442,6 13,42%
Ryzen 7 1700 stock 383,2

Handbrake

Este encoder de vídeos também é um bom teste de estabilidade. Foi mensurado o tempo que cada processador levou para codificar o primeiro episódio da série Band Of Brothers (arquivo extraído diretamente do Blu-Ray sem qualquer compactação) utilizando o codec H.264 com o perfil Fast 1080p. Assim, quanto menor o valor, melhor.


O Handbrake usa de forma intensa cada thread do processador e aqui as melhorias da arquitetura Zen+ fizeram a diferença. Curiosamente, este é o tipo de uso que faço bastante no PC.

Processador Tempo (min) Variação
Ryzen 7 2700X @ 4,22 GHz 05:50 -4,86%
Ryzen 7 2700X @ 4 GHz 06:07 -1,09%
Ryzen 7 2700X stock 06:11 -21,29%
Ryzen 7 1700 @ 4 GHz 07:30 -8,44%
Ryzen 7 1700 stock 08:08

GTA V

Dentre os jogos escolhi o GTA V por ser um título ainda muito popular, ser fortemente dependente do processador e ter uma função de benchmark muito bem feita. Os testes foram executados no DirectX 11, em 1080p e com os ajustes gráficos definidos em “Normal” de modo a minimizar a inferência do subsistema de vídeo.


Aqui o processador Zen+ mostrou um ganho mensurável:

Processador FPS médio Variação
Ryzen 7 2700X @ 4,22 GHz 184,87 0,01%
Ryzen 7 2700X stock 184,86 0,18%
Ryzen 7 2700X @ 4 GHz 184,52 8,16%
Ryzen 7 1700 @ 4 GHz 169,46 2,56%
Ryzen 7 1700 stock 165,13

Conclusão

Sem dúvida um destaque dos testes foi o desempenho em stock do 2700X: neste processador, as tecnologias Precision Boost e XFR (mesmo não sendo as versões 2.0, visto que a minha placa é uma X370) foram capazes de extrair o mesmo nível de desempenho atingido com um overclock manual, sem a trabalheira de testar estabilidade e ajustar tensões. Desta forma, leigos que jamais fizeram um overclock conseguirão extrair o máximo de desempenho do processador mesmo deixando todos os ajustes em “Auto” no Setup da placa-mãe. Nesta situação, o cooler Wraith Prism que acompanha o processador é plenamente suficiente.

Quanto à diferença de desempenho entre as microarquiteturas Zen e Zen+, os testes mostraram o que era esperado: no geral a diferença é bem pouca, com maiores variações conforme a utilização. Assim, se você já tem um 1700/1700X/1800X não vale a pena partir para o 2700X, salvo se você conseguir vender o seu processador por um bom preço e/ou seja tarado por hardware como este que vos escreve. Já aos que tiverem um Ryzen de primeira geração de quatro ou seis núcleos, um upgrade para o 2700X traz benefícios bem mais mensuráveis.

O grande ponto positivo desta transição é a compatibilidade dos novos processadores com as placas-mãe AM4 de primeira geração (e vice-versa), necessitando apenas de um upgrade de firmware. Neste ponto a AMD merece os nossos aplausos, ainda mais se compararmos com a Intel que teve a capacidade de lançar duas gerações de processadores de soquetes com a mesma pinagem (1151) que são completamente incompatíveis entre si.

Entre o 2700 e o 2700X, a escolha depende de algumas preferências pessoais visto que a diferença de preço é bem pouca mesmo no Huezil. Aos que não quiserem fazer um overclock manual e não pretendem investir em uma solução de resfriamento melhor, a escolha pelo 2700X é bem mais óbvia pelo seu desempenho out of the box e pela inclusão do cooler Wraith Prism. Já aos adeptos do overclock manual e que tiverem um bom cooler (ou watercooler) pode fazer mais sentido optar pelo 2700 e economizar uns trocados. Quem utiliza um gabinete compacto também estará melhor servido com o 2700, dado a sua menor dissipação térmica (65 W X 105 W).

Enfim, com os Zen+ e a otimização do seu processo produtivo (com a ligeira redução da litografia para 12 nm) a AMD procurou melhorar o grande calcanhar-de-aquiles da primeira geração: a relativamente baixa frequência de operação, o que prejudica o desempenho em aplicações não otimizadas para mais de uma thread. Certamente houve alguma melhora (em torno dos 300 MHz), mas ainda não foi desta vez que os Ryzen adentraram o patamar dos respeitáveis 4,4~4,5 GHz, o que é uma pena. A redução das latências no acesso aos caches e à RAM também mostrou ganhos bastante discretos.

Comentários

  1. Parabéns para a AMD!
    Não apenas pelos bons resultados dos processadores, mas tambem pela retrocompatibilidade em relação as placas mãe.
    Sinceramente perdi a confiança na Intel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando não havia concorrência a Intel podia se dar ao luxo de fazer isso. Agora não mais.

      Excluir

Postar um comentário