#FreteAbusivoSim

Os seguidos aumentos do custo do frete pelos Correios, além do fim do e-Sedex, podem simplesmente inviabilizar o comércio eletrônico brasileiro.



Por mais que o Mercado Livre e outras lojas tenham tentado com a campanha #FreteAbusivoNão, inclusive por vias judiciais, os Correios conseguiram aumentar novamente as suas tarifas. O resultado é este (peço que desconsiderem as datas pois fazem alguns dias que capturei a tela):


O produto em questão custa 90 temeres-picaretas. Não há como pagar tudo isto de frete, sem falar que pelo envio normal (PAC) só Deus sabe quando vai chegar. Enfim, uma venda perdida, com os cumprimentos dos Correios! 

Sim, o Mercado Livre e demais lojas até poderiam fazer parcerias com outras empresas de transportes, o problema é que dadas as grandes dimensões territoriais brasileiras somente os Correios tem uma malha logística capaz de chegar em quaisquer localidades – para as demais empresas, a rentabilidade cai conforme aumenta a distância das capitais e grandes centros.

Antes que me chamem de fascista, privatista, taxista e ciclista, como já afirmei em outras oportunidades sou completamente contra que empresas estratégicas como os Correios sejam entregues a preço de banana à iniciativa privada – o notório método sucatear para privatizar. Em face aos recentes escândalos envolvendo inúmeras empresas, acredito que o leitor não seria ingênuo a ponto de acreditar que as privatizações acabariam com a corrupção.

O que os Correios precisam é de uma mudança de gestão e de um grande saneamento interno, começando com o expurgo da “companheirada” não concursada que foi colocada pelos governos anteriores - somente uma péssima gestão, e coloca péssima nisto, pode fazer que uma empresa como os Correios tenha seguidos prejuízos. Enquanto que os critérios técnicos não sobressaírem aos políticos no preenchimento de funções estratégicas (a recente Lei das Estatais foi um grande passo adiante neste sentido), não há como esperar que uma estatal tenha a mesma agilidade de uma empresa privada. É até injusto.

Comentários

  1. Mas então que o ML e demais lojas disponibilizem como opção entrega por empresas privadas para destinatários cujo CEP seja atendido pelas mesmas, ora! O consumidor levará em conta a diferença de preço e reputação da empresa e escolherá.

    Se o ML quer realmente tomar uma atitude, que comece a diminuir sua dependência do elefante estatal. Ficar apenas xingando no Twitter* não dará em nada.

    * https://www.youtube.com/watch?v=MsD77anCeOA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahh, e o CEP do remetente também, é claro. Imagina a quantidade de vendas que são feitas entre capitais e regiões metropolitanas. Deve ser enorme. Só isso já daria um baque nos Correios.

      Excluir
    2. Concordo plenamente, além de ficar chorando o ML deveria buscar outras empresas de frete, como algumas lojas já fazem.

      Excluir
  2. Realmente, é muito triste a situação que os correios chegaram. Também já deixei de comprar coisas no Mercado Livre em função do recente aumento no valor do frete. Tenho procurado só coisas aqui em Curitiba e região metropolitana, o que, claro, limita muito as opções.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu encaro no máximo até a região sudeste. Acima disto o frete ficou impraticável.

      Excluir

Postar um comentário