Unboxing: processador AMD FX 8300

Depois do lançamento do Ryzen a linha FX está com preço de banana. Com menos de R$ 300 é possível encontrar o FX 8300 que conta com oito núcleos e frequência base de 3,3 GHz.


A arquitetura Bulldozer

Longe de serem uma unanimidade, os processadores FX são capazes de despertar amor e ódio em iguais proporções. O primeiro processador FX surgiu em 2011 sendo baseado na arquitetura Bulldozer, que em comparação com os processadores contemporâneos da Intel (na época eram os Core de segunda geração Sandy Bridge) tinha uma grande deficiência de desempenho em aplicações de uma única tarefa (single thread): de fato, o IPC (Instruções por Ciclo) dos FX é inferior até mesmo em relação aos antecessores Phenom II (arquitetura K10).

A arquitetura Bulldozer emprega o conceito de módulos, que concentram estruturas como o cache L1 e L2, duas unidades de ponto flutuante de 128 bits (que podem ser combinadas em uma de 256 bits) e duas unidades de inteiros, que são vistas pelo sistema operacional como núcleos lógicos. Logo os FX da série 8000 tem quatro módulos, os 6000 três e os 4000, dois. O cache L3 é compartilhado por todos os módulos.

Um fator que pode ter influenciado no baixo IPC dos FX é a sua pipeline, que foi ampliada para 20 estágios (os K10 tem 12 estágios). Uma pipeline mais longa permite que um processador atinja uma frequência de operação maior ao custo de uma menor eficiência, visto que cada estágio da pipeline processa um número menor de instruções. Desta forma, um processador com mais estágios na pipeline precisa operar mais rápido do que outro com menos estágios para obter uma performance equivalente.

Em 2012 a AMD apresentou a arquitetura Piledriver, uma evolução incremental da Bulldozer que traz avanços na dissipação térmica, no IPC (cerca de 15% maior), no controlador de memória e na unidade de ponto flutuante, além de outras melhorias menores.

O FX 8300

Mas vamos ao FX 8300 que é baseado na arquitetura Piledriver.


As suas características técnicas são as seguintes:

  • Oito núcleos de processamento (quatro módulos);
  • Frequência base de 3,3 GHz e turbo de 4,2 GHz;
  • Memória cache total de 16 MB;
  • Controlador de memória DDR3-1866 de dois canais;
  • Soquete AM3+;
  • TDP de 95 W;
  • Tensão de alimentação de 0,82 V a até 1,43 V;
  • Litografia de 32 nm.


Uma vantagem do 8300 é a dissipação térmica de 95 W, o que torna possível utilizar até mesmo as placas-mãe mais baratas baseadas no chipset AMD 760G.


O kit é simples: folheto de instruções e um pequeno adesivo, além do cooler que veremos adiante.


Eis o FX 8300:


Ele conta com 940 pinos:


O cooler que acompanha o pacote é realmente simples e barato. Deve ser capaz de manter a temperatura sob controle (até mesmo pelo TDP de 95 W), mas overclock nem pensar. Felizmente na montagem será utilizado outro cooler.


Ao menos o dissipador vem com o componente térmico já aplicado.


O FX 8300 integrará o meu novo PC de apoio que armazenará os meus backups, além de permitir fazer algumas comparações interessantes como, por exemplo, com o sucessor Ryzen e o antecessor Phenom II. Também vou mandar ver no overclock, dizem que os FX são bons nisto. 😈

Comentários

  1. Aí, sim! Apesar de existirem vários sites com comparativos entre eles, nada como ver aqui no blog. Ansioso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, como eu não recebo hardware de graça para testar acabo demorando um pouco mais.... ou melhor, bem mais! rsrs

      Excluir

Postar um comentário