Ah, os anos 80…

Música presente no jogo GTA V levou-me para um período peculiar da minha vida.



A música em questão é a Send Me An Angel do grupo Real Life. Devia fazer pelo menos uns 25 anos que eu não a ouvia:


Esta música me transporta imediatamente a um momento peculiar da minha vida, quando ainda era um imberbe adolescente e praticava judô. O lugar onde eu treinava também oferecia aulas de dança para as garotas, e quando acabava o treino eu ficava apreciando as danças efetuadas por aquelas lindas meninas com as suas roupas coladas – aliás, não era apenas eu, formava-se uma pequena aglomeração de moleques de quimono apreciando o espetáculo.

Outra música não menos clássica bastante executada nas danças era a Voyage Voyage, do grupo Desireless:


Enquanto que hoje a sexualidade e a pornografia estão escancaradas e podem ser facilmente obtidas em doses cavalares, naquela época era bem diferente. Quando a gente conseguia apreciar uma simples revista Playboy escondido (uma edição inesquecível para mim foi a da Mara Maravilha) já era uma glória, assim ver as garotas com roupas coladas ao vivo era um colírio aos olhos. Sem falar que muitas vezes ficávamos acordados até a madrugada para ver alguma pornochanchada nacional (com a TV no mudo, é claro), que geralmente passava na Band.

Uma curiosidade sobre a imagem de abertura: sem dúvida um dos maiores símbolos da década de 1980, as fitas cassete eram vendidas com diferentes especificações da sua mídia de gravação. As de cromo prometiam uma maior qualidade de áudio, desde que tanto os cabeçotes de leitura e de gravação do aparelho fossem preparados para este composto.

As fitas cassete são dispositivos de gravação analógica que gravam de fontes também analógicas, assim suscetíveis a quaisquer tipos de interferências e ruídos – a cada nova cópia havia uma acentuada queda na fidelidade em relação ao original. Procurar uma música específica na fita era na tentativa e erro, e às vezes a mesma enroscava no reprodutor sendo gravemente danificada.

Este era o maior pesadelo das fitas cassete. O reprodutor portátil (o mais famoso foi o Sony Walkman) era um objeto de desejo

Mas a boa música compensava com sobras as limitações tecnológicas da época, enquanto que hoje ocorre justamente o inverso: a tecnologia que tenta compensar a falta de talento.

Comentários

  1. O meu preferido ainda é o Vice City. Infelizmente são raros os momentos nos quais tenho tempo pra sentar e apreciar o prazer de jogar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Vice City é show, mas GTA inesquecível para mim é o III...

      Excluir
  2. Michael, este seu último parágrafo é a mais pura verdade nos dias de hoje. Foi-se o tempo de música boa, independente do estilo musical.

    ResponderExcluir
  3. Ahhhh, as fitas K7.

    1. Quem nunca ficou pacientemente colado no aparelho "3 em 1" na expectativa de gravar aquele som da sua rádio FM favorita?

    2. Quem nunca desejou ter os aparelho duplo-deck? Só os mais abastados tinham um desses.

    3. Quem nunca ficou com raiva de ter esbarrado a vitrola enquanto gravava aquele LP irado na fita K7 para ouvir no Walkman?

    4. Quem nunca marcava quando começava cada música através daquele contadorzinho mecânico?

    (Eu! Aqui em casa quando comecei a mexer com fitas K7 os aparelhos já não traziam mais esse contador .-.)

    5. Quem nunca limpou o cabeçote e aquele rolinho-guia do gravador com cotonete e álcool?

    6. Quem nunca disse "É, esse cabeçote está em vias de ser trocado" quando passava o dedo no mesmo e percebia que havia um leve buraco na superfície do componente?

    7. Quem nunca teve desejo de ter só fitas Chromo?

    8. Quem nunca preparou sua fita K7 caseira irada e ao tocar em outro aparelho a música ou estava um pouco acelerada ou um pouco lenta por conta de problemas no motor do gravador ou na sua correia?

    8a. Quem nunca ajustou a rotação desse motor para deixar seu gravador "compatível" com os aparelhos mais novos?

    9. Quem nunca pirateou um programa pirata através de programação de rádio para rodar no seu MSX?

    (Novamente, eu! Se bem que nunca tive MSX e também fiquei surpreso quando soube que a pirataria já vinha de bem mais longe. Para quem não entendeu: http://www.hardware.com.br/livros/hardware/evolucao-dos-computadores-pessoais.html)

    10. E quem nunca perdeu TODAS AS SUAS FITAS para mofo, esquecimento, etc?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rapaz, me senti um idoso agora! Eu fazia tudo isso! A única pequena diferença é no item 9: eu jamais tive um MSX na época (eram muito caros, como tudo na reserva de mercado) assim nós copiávamos as fitas para (tentar) carregar no TK85 que o meu primo tinha, e quase sempre dava pau!

      Excluir

Postar um comentário