Unboxing e primeiras impressões: smartphone Asus Zenfone 2

Finalmente chegou o sucessor do guerreiro Moto G2. No meio da mesmice que há dentre os padrões de telefones espertos, a dupla Asus e Intel sem dúvida chama bastante a atenção dos aficionados por PCs como este que vos escreve. Confira aqui se o Zenfone 2 continua sendo uma boa opção de compra agora que o seu sucessor imposto já foi lançado.


Antes de iniciarmos peço desculpas se alguma das imagens não tenha ficado com uma boa nitidez, pois este unboxing foi feito na correria durante o meu horário de almoço com o telefone emprestado de um amigo do trampo. Eu estava há alguns dias sem celular depois do problema com o Moto G2 e não dava para esperar chegar o final de semana para fazer algo mais elaborado. Sorry!

Mas voltando ao tema, a embalagem do Zenfone 2 é bastante discreta como podemos observar na imagem de abertura. No verso há um resumo das suas especificações:


O logotipo Intel Inside seduz os aficionados por PCs:


A sua configuração completa é a seguinte:

  • CPU Intel Atom Z3580 Quad Core (2,33 GHz, 2 MB de memória cache, litografia de 22 nm, 64 bits);
  • 4 GB de RAM LPDDR3-1600;
  • GPU PowerVR G6430;
  • 32 GB de armazenamento interno (com suporte a cartões microSD de até 256 GB);
  • Tela de 5,5” Full HD IPS de 401 ppi (Gorilla Glass 3);
  • Câmera traseira de 13 MP e frontal de 5 MP;
  • Suporte a redes 4G;
  • Bateria de 3.000 mAh.

Sem dúvida o processador destaca-se: é uma CPU para desktops miniaturizada, suportando inclusive as instruções SSE 4.2 e a tecnologia de virtualização VT-x - é uma pena que a Intel tenha saído deste mercado. A quantidade de RAM também é um ponto muito positivo.

Prosseguindo, ao abrir a caixa vemos o aparelho com o filme plástico para proteger a tela:


O pacote é básico: guia de referência, fone de ouvido e carregador.


Os fones de ouvido proporcionam uma qualidade sonora muito boa, com graves e médios bem pronunciados. Sem dúvida é um dos melhores fones que já usei.


O seu design permite um grande conforto na utilização, realmente me surpreendeu.



O carregador e a bateria do aparelho possuem a função de carregamento rápido: segundo a Asus, 60% da bateria é carregada em apenas 39 minutos. Não cronometrei o tempo, mas de fato a carga do Zenfone 2 é bastante rápida.

A duração da bateria também é boa: com o aparelho pendurado no Wi-Fi o tempo todo, ao final de dois dias a mesma ainda conta com cerca de 15% de carga.


O design do aparelho é bastante elegante.


A capa traseira é de plástico, porém a sua textura passa a impressão de ser mais sofisticada. Tem gente que não gosta de capas neste material, já para mim tanto faz, o que importa é a funcionalidade. O controle de volume fica na parte de trás, posição que em minha opinião facilita bastante o manuseio do aparelho com apenas uma mão.


Removendo-se a capa temos acesso aos slots para dois chips SIM e para o cartão microSD. A bateria fica em uma posição de fácil acesso, o que é um ponto muito positivo em caso de substituição.


A câmera traseira do Zenfone 2 fotografa em até 10 MP na proporção 16:9 (4096 X 2304 pixels) e em até 13 MP 4:3 (4096 X 3072). Ajustada para 10 MP 16:9 tira fotos com uma qualidade satisfatória para um celular, porém não há como a comparar com câmeras dedicadas como a Nikon Coolpix L820 que utilizo.

Eis uma imagem tirada com a câmera traseira:


O software

De fábrica o Zenfone 2 sai com o Android 5 “Lollipop” e a interface personalizada ZenUI. O aparelho conta com uma atualização para o Android 6, porém a mesma deve ser feita manualmente baixando-se a imagem no site da Asus. 



Ter 4 GB de RAM realmente é um conforto no mundo Android:


O sistema vem com alguns aplicativos da própria Asus:



O número de bloatwares até que é reduzido:


A ZenUI não é muito intrusiva e muda poucos aspectos da interface padrão do Android:



O maior destaque da interface da Asus é que a mesma praticamente não interfere no desempenho do aparelho. Já tive um Samsung Galaxy SIII e a TouchWiz (interface da Samsung) simplesmente matava o modelo, o que não ocorre com a ZenUI pelo menos no Zenfone 2. Os demais aspectos do sistema são comuns do Android e amplamente conhecidos, logo não os abordarei para não soar repetitivo.

Falando em desempenho, este é o aparelho Android mais rápido que já operei de longe. Sua responsividade é muito boa em qualquer situação e as rolagens de tela são extremamente suaves, assim como a alternância entre aplicações. Não rodei benchmarks nele pois, sinceramente, benchmark em smartphones é algo sem muito propósito para mim - a impressão empírica é o que realmente conta nesta classe de dispositivo. Se você está cansado das travadinhas e engasgos comuns em muitos aparelhos com o sistema do Google, o Zenfone 2 sem dúvida é uma boa pedida.

Conclusão

Os pontos positivos do Zenfone 2 são os seguintes:

  • Configuração de hardware (principalmente o processador e a quantidade de RAM); 
  • Desempenho;
  • Tela IPS Full HD;
  • Fone de ouvido;
  • Recarga rápida funcional;
  • A interface ZenUI não compromete;
  • Poucos bloatwares;
  • Câmera traseira razoável.

Como ponto negativo elenco apenas que o aparelho vem de fábrica com uma versão relativamente antiga do Android e a atualização não é OTA (Over The Air, pelo próprio aparelho), o que pode ser um problema para muitos. Em uma futura postagem demonstrarei como fazer a atualização.

Veredicto

O Asus Zenfone 2 é um dos melhores custo x benefício atualmente na casa dos mil reais, principalmente se você for como eu e não ligar para modinhas e ter sempre o último lançamento. Até mesmo porque o Zenfone 3 não é tão melhor assim: o seu modelo mais barato (o ZE520KL) tem algumas desvantagens como uma tela menor (5,2”) e menos RAM (3 GB), além de custar consideravelmente mais do que o seu antecessor.

Veja também:
Merdas acontecem

Comentários