80386: a primeira CPU x86 de 32 bits (Parte 8 – Navegando na Web com o Windows NT 3.51)

Na oitava postagem sobre o incansável e bravo 80386, mostrarei a como é navegar na Web com o melhor Windows suportado por este processador, o NT 3.51, bem como também alguns detalhes sobre a configuração de redes neste sistema operacional. Sigam-me os bons! :)

EDIT 12/06/2015: confira os procedimentos para a instalação do Windows NT 3.51.



O suporte a redes locais do Windows NT 3.51

A configuração de redes locais no NT 3.51 pode ser feita durante a instalação. Caso você tenha uma placa de rede diretamente suportada a detecção é automática, nada mal para um sistema produzido antes do padrão Plug and Play se tornar popular.

A minha placa de rede (NE2000 compatível) foi automaticamente detectada


O sistema também detecta automaticamente o endereço de I/O e a IRQ utilizada pela placa – só altere estes valores em caso de conflito. Para maiores detalhes sobre estes conceitos recomendo fortemente a leitura da postagem sobre o barramento ISA.



Diferentemente do seu antecessor NT 3.1, o 3.51 já conta nativamente com o protocolo TCP/IP.



Durante a instalação do protocolo TCP/IP é possível habilitar o recurso DHCP (IP dinâmico) caso a sua rede local tenha este recurso.



Também é possível definir o endereço do gateway padrão.



A tela de configurações de rede.



A tela de configurações do protocolo TCP/IP, onde é possível definir os endereços do gateway padrão, do servidor WINS e do DNS.



Definindo o grupo de trabalho.



O NT 3.51 também conta com um gerenciador para a montagem de pastas compartilhadas, acessível pelo gerenciador de arquivos.



Navegando na Web

Da mesma forma que havia feito no Windows 3.11, utilizei aqui o Internet Explorer 5. Esta versão do navegador compatível com o Windows 3.11/NT 3.51 é de 16 bits e no NT ela roda dentro de uma sessão WoW (Windows on Windows): para executar softwares Windows de 16 bits o NT carrega em memória uma versão compacta do kernel do Windows 3.X, sendo que esta sessão fica completamente protegida e utilizando desta forma a multitarefa preemptiva. Embora consuma mais memória, este esquema faz com que softwares de 16 bits rodem com uma estabilidade muito maior no NT – quem já perdeu trabalhos devido às famigeradas GPFs (General Protection Fault ou Falha Geral de Proteção, erro muito comum no Windows 3.X que ocorre quando um software invade uma área de memória ocupada por outro programa, pelo fato do Windows 3.X simplesmente não proteger os softwares na memória) sabe muito bem a que estou me referindo.

A foto abaixo mostra a tela de Opções da Internet presente no Internet Explorer 5. Qualquer semelhança com a tela análoga do IE 11 não é mera coincidência. :p



Como o NT 3.51 é um puro sangue de 32 bits, foi possível utilizar também o clássico Netscape Navigator 4.08 de 32 bits. Muito bom!



Confiram agora como é navegar na Web atual a partir de um 80386 com o NT 3.51. Recomendo muita paciência (aproveitem para curtir a clássica sinfonia 1812 Overture do gênio Tchaikovsky):



Particularmente achei os resultados com o Netscape de certa forma surpreendentes, e vocês? Durante a navegação com o Netscape também surgiu um alerta de falta de memória virtual, e desta forma foi necessário aumentar a mesma.

A tela de configuração da memória virtual, idêntica àquela dos Windows atuais


Como curiosidade, durante a navegação o uso do processador 80386 fica nos 100%:

O topo da utilização do processador durante a abertura da página do Google


E o nosso heroico 80386 cumpre mais esta maratona de testes e simulações. Por ele ser um projeto apresentado em 1985 (enquanto que os 386 “turbinados” da AMD são do início dos anos 1990), considero os seus resultados bastante interessantes. O fato de ser possível abrir a página do Google por si só já é algo memorável, sem sombra de dúvida.

Após todas as simulações feitas, qual seria o veredicto sobre a utilização de um 386 para tarefas cotidianas? Para sistemas de legado que rodem no MS-DOS e tarefas de escritório até que ele vai bem, bem como também para conectividade com redes locais. Já a Web moderna se mostrou complexa demais – é muita areia para o caminhãozinho do 386.

Próximo:

80386: a primeira CPU x86 de 32 bits (Parte 9 – A variação SX)

Anterior:

80386: a primeira CPU x86 de 32 bits (Parte 7 – Navegando na Web)

Veja também:

Instalando o Windows NT 3.51
A história dos barramentos de expansão do PC (Parte 1 - Conceituação e barramento ISA)
Ressuscitando um antigo 286 (Parte 5 – Conectando na rede local)

Comentários

Postar um comentário