Browser Wars: bem-vindo ao mundo real, Microsoft Edge!

Após mais de uma década de ostracismo com o Internet Explorer, finalmente a Microsoft (sob nova gestão, diga-se de passagem) decidiu fazer uma nova investida no mercado de navegadores Web com o Microsoft Edge, codinome Project Spartan, o qual conta com um novo motor de renderização, o EdgeHTML. Em que pese o fato de o Spartan/Edge ainda não estar concluído, confira aqui como o novo produto da Microsoft saiu-se diante dos principais navegadores do mercado nos benchmarks mais populares, bem como também a sua evolução frente ao seu antecessor.

A peleja dos navegadores Web para Windows

Os competidores

Microsoft Project Spartan/Edge 0.11 (x64) - EdgeHTML















Google Chrome 42 (x64) - WebKit

















Mozilla Firefox Developer Edition 39 (x64) - Gecko









Mozilla Firefox 37 (x86) - Gecko









Microsoft Internet Explorer 11 (x64) - Trident











Opera 29 (x86) - WebKit











Sistema de testes e metodologia

O sistema utilizado para os testes conta com a seguinte configuração:

  • Processador Intel Core 2 Quad Q6600 @ 3 GHz;
  • Placa mãe Gigabyte EP45-UD3L;
  • 4 GB de RAM DDR2-1066;
  • Placa de vídeo Nvidia GeForce 9600 GT com 512 MB de VRAM;
  • Windows 10 Build 10074 x64.

Trata-se do meu PC de testes para o Windows 10, uma configuração intermediária para os dias atuais que simula a capacidade computacional de um PC básico para Internet. Veja aqui mais detalhes sobre esta configuração.

Os testes foram realizados com cada navegador de forma isolada e não simultânea. Foram efetuadas três simulações com cada benchmark para cada um dos navegadores, sendo os piores e melhores resultados descartados. Diferenças de até 3% para mais ou para menos serão desconsideradas. O cache dos navegadores foi limpo antes de cada ensaio.

Os resultados



Desenvolvido pela Futuremark, empresa mundialmente conhecida pelas suas suítes 3DMark e PCMark, o Peacekeeper mensura o desempenho em HTML5. Aqui os navegadores da Mozilla lideraram em um empate técnico. Também tecnicamente empatados na sequência vieram o Chrome e o Opera (sendo que ambos usam o motor WebKit), a 13% atrás do Firefox Developer. Spartan e Internet Explorer ficaram na lanterna, o primeiro 43% e o segundo 45% atrás do primeiro colocado.



O Rightware Browsermark testa um pouco de tudo: HTML5, JavaScript e WebGL. Aqui os navegadores baseados no motor WebKit ficaram ligeiramente à frente (4%) dos Firefox. Os navegadores da Microsoft amargaram novamente a lanterna, em média a 38% atrás do Opera.



O Wirple Bmark utiliza HTML5 para montar objetos 3D. Aqui o Opera liderou com folga, 23% a frente do Chrome. Em seguida vieram os produtos da Mozilla (64% atrás em média, tecnicamente empatados), enquanto que o Spartan (83% a menos) e o Internet Explorer (88%) ficam nas últimas posições.



Surgido em 2007, o SunSpider é um dos pioneiros entre os benchmarks para navegadores. Ele mede o desempenho em JavaScript pelo tempo (em milissegundos) que o navegador demora em processar uma requisição, portanto neste teste quanto menor o resultado melhor. Aqui surpreendentemente os navegadores da Microsoft se saíram melhor, com o Internet Explorer liderando e o Spartan logo atrás (a 8% deste). O Firefox aparece em terceiro (a 50% do IE), seguido pelo Chrome (61%), Opera (66%) e o Firefox Developer (70%).



Desenvolvido pelo Google, o Octane 2.0 mensura o desempenho do motor JavaScript. A vitória ficou com o Opera, porém aqui todos os navegadores até o Firefox Developer tiveram desempenho bastante semelhante, com diferença máxima de 16% entre eles. Já o velho Internet Explorer mostra o peso da idade, ficando 46% atrás do líder. Este é um dos benchmarks no qual a Microsoft alega que o Edge apresenta um desempenho melhor do que o Chrome e o Firefox.



Igualmente medindo o desempenho em JavaScript, no JetStream o cenário ficou bastante parecido com o do Octane: liderança do Opera, seguido de perto pelo Firefox, Chrome e Spartan. O Firefox Developer ficou a 17% do Opera e o Internet Explorer mais uma vez amargou última colocação, 32% atrás. Este é o outro benchmark citado pela Microsoft, onde o Spartan teoricamente teria um melhor desempenho.

Conclusão

Desde o final do século passado circula uma piadinha infame na Web de que o Opera é o melhor navegador que ninguém usa. Pelo menos em termos de desempenho, o Opera realmente mostrou-se a melhor escolha liderando a maioria dos testes. Com a utilização do motor WebKit os problemas de compatibilidade com sites que tanto atormentavam as versões anteriores (baseadas no motor próprio Presto) foram bastante reduzidos, deixando o Opera em uma posição bastante competitiva.

O Chrome é uma boa opção para quem utiliza costumeiramente os serviços do Google pela sua forte integração, enquanto que os produtos da Mozilla (principalmente o Firefox “normal”) são ótimas opções de navegadores alternativos ao motor WebKit. Você estará muito bem servido com qualquer um dos três: Opera, Chrome e Firefox, e a escolha entre eles muito provavelmente será em função de recursos e/ou plugins conforme as suas necessidades e gostos pessoais.

O Microsoft Spartan/Edge sem dúvida é um produto bastante promissor que mesmo inacabado já apresentou uma melhora notável em relação ao anacrônico Internet Explorer - sem dúvida vale a pena ficar de olho nele e acompanhar o seu desenvolvimento. Quanto ao fato dos meus testes no Octane e JetStream terem se mostrado divergentes dos divulgados pela Microsoft, muito provavelmente a empresa utilizou alguma versão mais atualizada do Edge e sempre podem haver diferenças de metodologia entre diferentes testes, sem falar que com certeza o hardware utilizado foi diferente.

Quanto ao velho Internet Explorer, é disparado a pior escolha atualmente tanto em termos de desempenho quanto em segurança. O seu uso só é justificável em sites mal feitos que não funcionem de forma alguma em outros navegadores (os famigerados sites IE Only). Felizmente a Microsoft até que enfim decidiu aposentá-lo, mesmo que de forma gradual por questões de retrocompatibilidade. Já vai (muito) tarde e sem deixar saudades.

Veja também:

O Project Spartan enfim foi batizado: será o Microsoft Edge
Microsoft: Edge é mais rápido do que o Chrome e Firefox em benchmarks

Comentários

  1. Muito bom, resta saber se até a versão final, a engine do "beiradas" vai estar ainda mais tunada...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito provável que haverá melhoras, sem dúvida. Eu achei os resultados do Spartan/Edge bastante razoáveis por se tratar de um software ainda nos estágios iniciais de desenvolvimento, e principalmente em função da comparação ter sido feita com navegadores bastante maduros como o Chrome, Firefox e Opera.

      Excluir

Postar um comentário