Windows 10 Build 10049: apresentando o Project Spartan

Em termos de recursos e funcionalidades, a única diferença entre as duas últimas versões Preview do Windows 10 (a 10041 e a 10049) é a presença do novo navegador baseado no Project Spartan que finalmente deu o ar da graça. Conheça aqui esta nova investida da Microsoft no campo dos navegadores Web.

O Project Spartan até que enfim dá a cara a tapa

Obtendo e instalando o Build 10049

Pelo menos até a data em que escrevo este artigo a Microsoft ainda não liberou uma imagem ISO desta nova versão Preview. Desta forma a atualização está disponível apenas pelo Windows Update a partir do Build 10041.



Após o download, basta clicar em Instalar e aguardar o término do processo – no meu PC de testes o procedimento levou cerca de 40 minutos.





This is Spartan!

Conforme afirmei na introdução da postagem, em termos de recursos (excetuando-se correções de bugs, logicamente) a única grande novidade desta nova versão Preview é a tão aguardada aparição do navegador baseado no Project Spartan. Para detalhes sobre os demais aspectos do sistema recomendo a leitura do review que fiz do Build 10041.

A queda na popularidade (bem como o aumento da rejeição) e na participação de mercado do Internet Explorer é notória. Após esmagar a pequena Netscape no final dos anos 1990, o navegador chegou a ter 95% de participação no mercado em 2003 – número que caiu para “apenas” 58% no ano passado, com um agravante: agora os concorrentes do Internet Explorer são muito mais qualificados, e um deles é produzido por uma empresa com um maior valor de mercado do que a própria Microsoft.

Isto acendeu um claro sinal de alerta na empresa de Redmond de que algo precisava ser feito. Após muitos estudos, chegaram à conclusão de que a carga de compatibilidade com tecnologias de legado suportada pelo Internet Explorer é o principal lastro que vinha afundando o navegador. Desta forma, ao invés de tentar simplesmente consertar o Internet Explorer (e muito também em função de que este nome já está um tanto quanto "queimado") decidiram que seria melhor criar um navegador inteiramente novo, cujo projeto foi batizado de Spartan - como ainda não há um nome comercial definido, pelo menos por enquanto chamarei o novo navegador simplesmente de Spartan.

Para este novo navegador foi criado um também novo motor de renderização de páginas, o EdgeHTML, o qual trata-se do antigo motor do Internet Explorer (o Trident) completamente reprojetado, livre de toda a pesada carga de compatibilidade com tecnologias de legado (como os controles ActiveX). Inicialmente o plano era de que o Spartan contasse com ambos os motores de renderização, utilizando por padrão o EdgeHTML porém chaveando para o Trident em caso de incompatibilidades. Porém após diversos feedbacks felizmente a Microsoft mudou de ideia e decidiu deixar o Spartan apenas com o EdgeHTML, relegando o velho Trident apenas para o anacrônico Internet Explorer. Cada um no seu quadrado.

Embora fosse possível testar o motor EdgeHTML nas versões Preview anteriores do Windows 10 (fazendo uma pequena alteração na configuração do Internet Explorer 11), foi apenas a partir do Build 10049 que o novo navegador finalmente deu as caras. Eis o tão aguardado Project Spartan:



O novo navegador, que será distribuído gratuitamente pela Windows Store, possui um design bastante limpo e um tanto quanto minimalista:

O novo Spartan lado a lado com o velho Internet Explorer


O desempenho na renderização das páginas é bastante convincente. Não usei um cronometro oficial para mensurar "pentelhésimos" de segundo, mas na minha percepção a velocidade do Spartan está de acordo com o desempenho apresentando pelas últimas versões do Chrome e do Firefox.

Conforme podemos ver no gerenciador de tarefas, um ponto positivo do novo navegador é que ele já nasceu com uma versão nativa de 64 bits.



Quanto ao consumo de memória, o Spartan com apenas uma aba aberta executando um vídeo no YouTube consome cerca de 330 MB de RAM. Para efeito de comparação, o Chrome 41 de 64 bits na mesma situação consome cerca de 336 MB.



Conclusão

A primeira impressão que tive do Spartan foi bastante positiva e ele tem tudo para enterrar o Internet Explorer definitivamente e sem deixar saudades. Porém a concorrência em pleno ano de 2015 é duríssima, e se o novo navegador da Microsoft poderá fazer frente ao Chrome e Firefox só o tempo irá dizer. De qualquer modo, na pior das hipóteses será outro concorrente bastante qualificado no mercado, coisa que o Internet Explorer não era há muito tempo.

Na minha humilde opinião o sucesso do Spartan dependerá fortemente de como será o seu suporte a extensões de terceiros e como a Microsoft poderá estimular que produtores de extensões para o Chrome e Firefox as portem para o seu novo navegador – até andam rolando boatos de que o Spartan supostamente seria compatível com as extensões do Chrome, fato ainda não confirmado.

Deixo ainda uma recomendação àqueles que quiserem testar o novo navegador: abram a mente e coloquem de lado qualquer sentimento negativo que vocês venham a nutrir pelo velho Internet Explorer ou mesmo pela Microsoft, pois isto com certeza prejudicará o vosso julgamento. O Spartan é um projeto inteiramente novo, bastante promissor e de certo modo necessário, visto que ele poderá evitar que o Google e a Mozilla se acomodem. Competição nunca é demais e quem ganha somos nós!

Por fim, para a continuidade da avaliação do Spartan informo que o mesmo será o meu browser padrão no PC de testes com o Windows 10, logo esperem por muitas novidades. Até a próxima!

Veja também:

Windows 10 Build 10041: a maturação do projeto
Nossas preces foram ouvidas: o Spartan não mais incluirá o motor Trident

Comentários

  1. Eu gostei bastante, perto do antigo e antiquado I.E o Spartan é uma ferrari comparado a um fusca velho sem perspectiva. Como comentado qualquer projeto que revigore o mercado é valido, eu estou usando direto o Firefox, o Chrome para mim anda uma bela merda liquida, só trava, só encomoda e consome muita memória com várias abas abertas. Que o Spartan venha para ajudar a competição a ser mais emocionante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa ideia, vou também comparar o comportamento dos browsers com várias abas abertas.

      Excluir
  2. Nesses últimos reviews não ouvi falar nada sobre o suporte a extensions. Chrome e Firefox dispõe de um ecosistema rico em extras que ajudam bastante. Espero que o indiano não esqueça disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na minha opinião o sucesso ou o fracasso do Spartan depende primordialmente disto.

      Excluir

Postar um comentário