Pentium: a quinta geração dos processadores x86 (Parte 2 - Montagem)

Prosseguindo a série sobre o primeiro processador de quinta geração lançado para os PCs, neste texto mostrarei a montagem dos componentes de um sistema típico baseado no Pentium clássico. Tenham uma ótima leitura!

Processador Pentium de 133 Mhz "espetado" na placa mãe BCM SQ591, com chipset Intel 430VX

A montagem de um processador Pentium Soquete 7 não tem grandes segredos: basta levantar a alavanca de destravamento do soquete, alinhar o chanfro do processador com o do soquete, gentilmente posicionar o processador e abaixar a alavanca de retenção. Após isto não se esqueça de instalar o cooler, preferencialmente com pasta térmica.

Já a instalação dos módulos de memória SIMM de 72 vias é um pouco diferente dos módulos DIMM atuais: deve-se alinhar o chanfro existente tanto no módulo quanto no soquete e posicioná-lo levemente inclinado para trás. Em seguida puxe-o em direção às travas do soquete de memória e o clique característico indicará que o módulo está corretamente encaixado. Como os módulos de memória SIMM-72 são posicionados inclinados para trás, devem ser instalados nos soquetes de "dentro para fora" (iniciando a partir do soquete mais longe da borda da placa) de modo a facilitar a instalação caso seja empregado mais de um módulo, que no caso do Pentium é obrigatório - como vimos na primeira parte desta série, o barramento local do Pentium é de 64 bits e os módulos de memória SIMM-72 são de 32 bits, logo é necessário que os módulos sejam instalados aos pares.


Instalando um módulo de memória SIMM de 72 pinos

Para a conexão dos cabos alimentação da placa mãe de fontes AT, nunca se esqueça da regra básica dos "pretos no meio", que consiste em plugar os conectores de modo que os dois pares de fios pretos fiquem posicionados no centro. Como estes conectores AT podem ser encaixados em qualquer orientação (diferentemente do padrão ATX), tome bastante cuidado!

Correta instalação dos plugues de alimentação AT. Note que os pares de fios pretos ficam centralizados

Como placa de vídeo utilizei uma clássica TNT2 M64 de 32 MB PCI da Creative.

Placa de vídeo TNT2 M64 PCI da Creative

Ligando a máquina

Sempre é emocionante trazer novamente à vida um antigo equipamento que há décadas não via a "luz dos bits"! E em função da imprevisibilidade do resultado devido à idade dos componentes, quando o mesmo liga na primeira tentativa é algo ainda mais satisfatório! Nergasm pleno! :-)

O velho e bom Pentium de 133 Mhz está de volta à vida!

Rodando a todo vapor!

O Setup (programa de configuração da BIOS) da placa mãe BCM SQ591 é comum ao padrão da época.

O Setup da placa mãe BCM SQ591

Um ajuste importante no caso de utilizarmos chips de memória do tipo FPM ou EDO (que eram os mais comuns na época) é quanto a sua temporização, que para um melhor desempenho deve estar ajustada de acordo com a especificação dos módulos. Da mesma forma, ajustar este parâmetro fora da especificação pode levar à instabilidade no sistema como um todo.

Ajustando a temporização da memória principal

A informação de temporização vem destacada nos chips de memória, conforme podemos ver na imagem abaixo. Sempre é importante lembrar que caso módulos com chips de temporização diferente sejam utilizados em conjunto, deve ser feito o ajuste no Setup da placa mãe conforme os chips de maior temporização para não haver problemas de estabilidade.

Geralmente as temporizações mais comuns são -6 (60 ns) e -7 (70 ns).

Verificando a temporização dos chips de memória

A tela do resumo da configuração.



Como é possível ver na imagem, não há ainda nenhum dispositivo de armazenamento instalado. Na próxima parte deste especial demonstrarei a instalação de tais dispositivos bem como a do sistema operacional. Até lá!

Próximo:

Pentium: a quinta geração dos processadores x86 (Parte 3 - A lendária placa mãe Asus P5A)

Anterior:

Pentium: a quinta geração dos processadores x86 (Parte 1 - Apresentação e componentes)

Comentários