A Arte do Overclock (Parte 2 - Técnicas)

Olá amigos leitores! Dando prosseguimento ao tema overclock, nesta postagem irei descrever algumas técnicas para o procedimento. Espero que gostem e como sempre lhes desejo uma boa leitura!



Preparativos


Antes de mais nada, são necessários alguns ajustes no Setup antes de iniciar o processo, que são relacionados às tensões do processador (Vcore) e da memória RAM. Evite deixar estes parâmetros em Auto (padrão em muitas placas mãe) e os deixe ajustados conforme o padrão do fabricante do componente. Pela minha experiência, o ajuste em Auto destes parâmetros pode fazer a placa mãe automaticamente subir as tensões de alimentação destes componentes de uma maneira indesejável, muito acima do que seria realmente necessário

Técnicas - processadores com FSB

No caso dos processadores AMD até os Athlon XP e dos Intel até os Core 2 os conceitos de FSB e multiplicador de clock funcionam da mesma maneira que funcionavam desde os antigos 486 DX2. Para estes processadores o overclock pode ser feito aumentando-se a frequência do FSB ou o multiplicador, muito embora a grande maioria destes processadores possuam o multiplicador travado - neste caso, não há o que fazer senão aumentar o FSB. Por outro lado, aumentar o FSB permite uma melhor performance do sistema como um todo pois este é o barramento que concentra toda a comunicação entre diversos componentes como o processador e a memória RAM. 

Inicialmente, entre no Setup, aumente o FSB em 10 MHz e saia com a opção Save & Exit. Esta alteração até poderia ser feita através de softwares específicos que geralmente acompanham a placa mãe (no caso das Gigabyte é o EasyTune 6), mas prefiro a abordagem clássica de fazer o procedimento pelo Setup - a carga do sistema operacional também é útil para apurar se há uma estabilidade mínima do ajuste realizado.


Em seguida, faça o teste de estabilidade e benchmarks conforme descrito na Parte 1. Se o sistema resistiu, reinicie o equipamento, abra o Setup novamente, aumente o FSB em mais 10 Mhz e faça novamente o ciclo de testes. Caso tenha apresentado instabilidade, veja o tópico sobre os procedimentos a serem tomados abaixo.


Finalmente, sempre é bom lembrar que caso o processador tenha o multiplicador destravado, como os processadores da série Extreme da Intel e os FX da AMD, é possível ao invés de aumentar o FSB subir o multiplicador. O procedimento é análogo, diferindo apenas de que o multiplicador deve ser elevado de 1 em 1X.


Técnicas - processadores sem FSB

Processadores a partir dos Athlon 64 no caso dos AMD e dos Core iX no caso dos Intel usam um paradigma diferente do conceito de FSB. Resumidamente, estes processadores possuem canais separados de comunicação com os chips de apoio da placa mãe e com a memória RAM. É utilizada uma frequência de referência, comumente chamada de clock base, cujo sinal "sincroniza" as frequências dos demais barramentos e a do processador. Diferentemente do que ocorre nas arquiteturas com FSB, alterações no clock base trazem implicações bem mais severas à estabilidade dos ajustes devido ao fato de ser o sinal de referência de todo o sistema.


Desta forma, aplique o procedimento descrito acima para os processadores com FSB porém com uma sutil alteração: ao invés de subir a frequência de 10 em 10  Mhz, reduza o intervalo para de 5 em 5 Mhz. Para tais processadores, porém, caso se deseje obter um maior nível de overclock recomendo fortemente que sejam adquiridos os modelos com final "K" para os Intel e a linha FX para os AMD que possuem os multiplicadores destravados, o que evitaria a necessidade de efetuar alterações no clock base.



O que fazer em caso de instabilidade

Caso o FSB ou o clock base tenham sido aumentados, pode ser que o barramento da memória e o PCI Express tenham subido juntos. No caso do PCIE, verifique se o Setup possui a opção de "travar" a sua frequência em 100 Mhz, que é o padrão do barramento. Faça este ajuste e efetue novamente os testes.


Se a memória RAM estiver rodando acima da sua frequência padrão (o que pode ser facilmente verificado pelo CPU-Z na guia "Memory") você deverá reduzir o multiplicador do barramento de memória no Setup e em seguida executar novamente os testes. Observe que, no caso das memórias DDR, DDR2 e DDR3, o valor estampado nos módulos é o dobro da frequência real que é mostrada no CPU-Z. Por exemplo, um módulo DDR3-1333 possui frequência de 666 Mhz, um DDR3-1600 opera a 800 Mhz e assim sucessivamente.


Feitos estes ajustes ou no caso onde o overclock estiver sendo feito pelo multiplicador da CPU (sem alteração do FSB ou do clock base) e houver instabilidade durante os testes (por exemplo, se o PC congelou, reiniciou ou apresentou uma Tela Azul da Morte), significa que o sistema atingiu o limite para os atuais ajustes. Você deverá tomar uma decisão: parar por aqui ou tentar ajustes mais agressivos em envolvem principalmente alterações na tensão de alimentação do processador e possivelmente da memória RAM.


Caso não pretenda manipular tensões ou se você esteja com o sistema de refrigeração padrão da Intel ou da AMD (não recomendo aumentar as tensões neste caso) então você chegou ao final do processo. Retorne aos ajustes imediatamente anteriores (os quais foram estáveis) e este será o seu overclock final. Parabéns! :-)



Ajuste fino da tensão de alimentação

Caso o sistema tenha apresentado instabilidade e você conte com um sistema de refrigeração capaz de manter as temperaturas sob controle mesmo com uma tensão mais elevada, pode partir para este recurso. Acesse o Setup e aumente a tensão de alimentação do processador (Vcore) em 0,05 V e refaça os testes. Se houver estabilidade (e com as temperaturas sob controle), você pode parar por aqui ou tentar um ajuste ainda mais agressivo aumentando o FSB, clock base ou o multiplicador e reiniciar todo o processo - fica a seu critério.


Se ainda não houver estabilidade, aumente o Vcore em mais 0,05 V e refaça os testes. Note que não é possível aumentar o Vcore indefinidamente pois um valor muito alto pode abreviar substancialmente a vida útil da CPU. Cada processador possui um limite "de consenso" (o Google é seu amigo!) mas de um modo geral não é recomendável subir mais do que 0,2 V no Vcore.


Há também dois outros ajustes que podem ajudar a obter estabilidade. O primeiro deles é a tensão de alimentação dos módulos de memória (geralmente referido como Vdimm ou VDDR) que no caso dos módulos DDR3 o padrão é de 1,5 V. Caso os seus módulos estejam trabalhando acima da sua frequência nominal ou você tenha mais do que dois deles, um pequeno aumento desta tensão pode ajudar - algo como 1,51 ou 1,52 V. Refaça os testes e veja se o sistema estabilizou.


Outro ajuste presente em muitas placas mãe é o Load Line Calibration e serve basicamente para aumentar a precisão e estabilidade da tensão que é fornecida ao processador. Este a princípio é um bom recurso, mas que em algumas situações pode mais atrapalhar do que ajudar pois acaba reduzindo a tensão do Vcore em momentos de utilização intensa da CPU para deixar a saída de tensão mais estável com menos flutuações. Observei esta situação na prática: com o recurso habilitado, a tensão de alimentação do meu Core i7 2600K chega a cair cerca de 0,2 V em picos de utilização. Recomendo que inicialmente deixe este parâmetro habilitado. Caso surja instabilidade e todos os outros ajustes não surtiram efeito, experimente desabilitar esta opção.


Demais ajustes

Os processadores mais recentes da Intel e da AMD possuem um recurso de "overclock dinâmico" que consiste em subir a frequência de operação quando apenas um certo número de núcleos de processamento estiverem sendo usados. Este recurso se chama Turbo Boost nos Intel e Turbo Core nos AMD. Para evitar ainda mais implicações à estabilidade do sistema, recomendo que este recurso seja desabilitado no Setup.


Outro recurso presente nos processadores modernos é o que reduz a frequência e tensão de alimentação da CPU em momentos onde a demanda de processamento não for muito elevada, sendo chamado de EIST pela Intel e de Cool n' Quiet pela AMD. Usar ou não o recurso é uma preferência pessoal. Eu particularmente o deixo desabilitado quando faço overclock pois na minha opinião o overclock é justamente uma técnica para extrair o máximo de desempenho possível do equipamento dentro de certos limites - e este recurso introduz um pequeno "lag" na resposta do equipamento em algumas situações.


Para propiciar economia de energia opto por uma outra aproximação: configurar o sistema nas Opções de Energia presente no Painel de Controle do Windows para Suspender a atividade do computador depois de um certo tempo de inatividade, conforme podemos ver na imagem abaixo.




Opções do gerenciamento de energia do Windows


Chegamos ao final desta parte! Logicamente que overclock é um tema bastante extenso e seria necessário praticamente todo um livro para esmiuçar cada detalhe. Espero que este guia seja um passo inicial e que eventualmente você possa desenvolver o seu próprio roteiro! Na próxima parte demonstrarei uma aplicação prática do conceito que fiz no meu próprio equipamento. Até lá!

Próximo:

A Arte do Overclock (Parte 3 - A Prática)

Anterior:

A Arte do Overclock (Parte 1 - A Teoria)

Veja também:
Dimensionando e escolhendo corretamente a fonte de alimentação

Comentários