Intel Kaby Lake no horizonte

Nem bem os Skylake esquentaram as prateleiras, a Intel anuncia o lançamento da sétima geração dos processadores Core baseada na microarquitetura Kaby Lake, que possui poucas melhorias em relação a atual. Por exemplo, a litografia de 14 nm é a mesma dos Skylake e Broadwell, muito embora o marketing da Intel a chame de "14nm+" devido à supostas melhorias no processo produtivo. Realmente é o fim definitivo do famoso processo Tick-Tock, e em termos práticos, também da lendária Lei de Moore.

Os processadores para computação móvel serão lançados em setembro, enquanto que os equivalentes para desktop chegarão apenas no início do ano que vem.



Como é comum nos últimos lançamentos da Intel, os ganhos concentram-se no motor gráfico integrado, neste caso para uma melhor reprodução de conteúdo em 4K - só não avisaram a Intel que o 4K já é coisa do passado, a modinha agora é 8K... :-)

Quanto ao desempenho x86, novamente os ganhos são modestos: a Intel fala em 12% no "índice de produtividade" e em 19% no "índice Web". Os novos processadores continuarão no soquete LGA 1151, porém serão lançados também os novos chipsets da família 200 - resta saber quanto à compatibilidade com as placas LGA 1151 atuais, o que considerando o histórico da Intel sempre é algo que causa preocupação.

Pessoalmente falando, claro que apenas testes poderão aferir a questão do desempenho, mas se continuar nesta toada creio que somente lá pela décima geração dos Core ficarei minimamente animado em trocar o meu bravo 3770K, que atinge 4,5 GHz sem qualquer alteração nas tensões de alimentação, principalmente considerando os preços de hardware por aqui. E é claro, a torcida para que os AMD Zen cheguem quebrando a banca também é grande, para o bem de todos.

Veja também:

Comentários

  1. Também não me animo muito a trocar de processador com os preços praticados aqui no Brasil, minha máquina me satisfaz, só precisaria de uma placa de vídeo nova e um SSD pra ficar animal. Mudando um pouco de assunto, você achar que um cooler torre de 90mm que mantém o i7 2700k a aproximadamente 60º em full load da conta de um overclock?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É difícil dizer, pois dependeria do modelo do cooler e do overclock, principalmente se haveria ou não aumento do Vcore.

      Excluir
  2. Nem se você tiver um 2600K vale a pena trocar por um Kaby Lake, pois é no mááááximo 30% mais rápido: http://www.hardocp.com/article/2017/01/13/kaby_lake_7700k_vs_sandy_bridge_2600k_ipc_review/1
    Realmente precisamos que a AMD venha arrebentando, porque tá horrível sem concorrência, com preços lá em cima e melhorias quase nenhuma desde 2011.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem falar que qualquer 2600K chega a 4,5 GHz com facilidade (basta apenas um cooler melhorzinho), o que reduz com certeza os 30% de diferença máxima.

      Excluir

Postar um comentário