O encontro de mitos

O grande Silvio Santos novamente mitou ao trazer o Presidente Bolsonaro para participar do seu tradicional programa dominical. Veja aqui as minhas impressões, além de outros assuntos relacionados.


Primeiramente, confiram como foi a participação do Presidente no programa Silvio Santos. E antes de venham com o mimimi de que um Presidente não deveria ir a programas de TV, lembrem-se que o Bolsonaro não foi o primeiro a participar. Aliás, acho algo muito válido para transmitir à população temas que são muito importantes para o futuro do país.


Na minha opinião, ambos mandaram muito bem. Silvio se preocupou em trazer de uma forma mais acessível (temos que lembrar que o seu público, em sua maioria, não são ratos de Internet como nós) assuntos de suma importância como a reforma da previdência. Ele acertou em cheio ao alertar que um dos efeitos colaterais da falta da reforma seria a volta da hiperinflação, pela qual passamos nos anos 80 e início dos 90, algo nefasto que prejudica muito mais os pobres - justamente o contrário do que a lavagem cerebral da esquerda prega.

Portanto, pessoal, é hora de cobrar o(a) deputado(a) e os senadores nos quais você votou (se foram eleitos, logicamente) pela aprovação da reforma da previdência.

Outros assuntos também foram abordados muito bem. Por exemplo, o horário de verão. Eu sempre gostei do mesmo, pelos dias no verão ficarem mais "longos" e assim poder fazer mais coisas após o trabalho, mas o Presidente foi muito feliz ao expor a motivação pelo seu fim. Também gostei da forma humorística com a qual o Silvio (lembrem-se, ele é um senhor de 88 anos!) abordou a questão da posse de armas de fogo, principalmente a diferenciação entre o porte e a posse, algo que ainda confunde muita gente (e que geram críticas injustas ao Presidente).

Na questão dos radares, o Presidente Bolsonaro mais uma vez me fez ter orgulho de ter votado nele nos dois turnos da eleição. Não é de agora que venho notado o inferno que é dirigir no Brasil e, sinceramente, não são estes radares-arapucas que vão evitar acidentes. O aumento do prazo de validade da CNH para dez anos é outra medida muito bem-vinda.

Enfim, acho que a participação do Presidente em um programa muito popular como o do Silvão foi um grande acerto.

Pegando um gancho no tema de política, gostaria de comentar alguns outros assuntos em pauta.

A treta com o prefeito de NY

Como todos devem saber, o Presidente iria até Nova Iorque receber o prêmio de personalidade do ano da Câmara de Comércio Brasil - EUA, porém cancelou a viagem por algumas declarações do prefeito da cidade, Bill de Blasio. Eu acho que Bolsonaro foi muito elegante na sua resposta: eu teria mandado o prefeito explicar onde estão os 850 milhões de trumps do programa de saúde mental que a sua esposa organiza. Em tempo, o prefeito é do Partido Democrata, a esquerda americana. Preciso dizer mais alguma coisa?

Também é constrangedor o silêncio da grande imprensa marrom sobre esse "pequeno" rombo do prefeito.

O corte de verbas das universidades federais

Diversas UFs estão organizando protestos pelo corte de verbas. Eu só posso dizer uma coisa: se preparem companheirada, pois a hora da faxina chegou. Aliás, por mim nem existiriam universidades públicas: deveria ser obrigação do Estado prover educação até o ensino médio, daí para frente seria com cada um: trabalhar e estudar não mata ninguém.

Para efeito de comparação, nos EUA não há uma universidade pública sequer e o país sempre foi e é um grande celeiro de produções científicas, e as suas universidades sempre estão no topo do ranking mundial (enquanto que a USP, considerada a melhor UF brasileira, não fica sequer no top 100).

Sem censura!

Por fim, o Presidente declarou que não pretende regulamentar a imprensa e as redes sociais, em uma linha completamente distinta dos governos que o antecederam. Mas não era ele o fascista que iria trazer a volta da censura? 😂

Comentários