Imprensa da privada

Entrevista com o candidato à Presidência Jair Bolsonaro no programa Roda Viva da TV Cultura foi um show dos horrores. Dos entrevistadores.



Como preconiza a cartilha do bom jornalismo, o jornalista deveria informar com responsabilidade e imparcialidade, sem contaminar-se com preferências pessoais e ideologias político-partidárias. Porém não é o que acontece com a maioria dos profissionais de imprensa brasileiros, que são completamente impregnados pela agenda da esquerda - além da imprensa marrom, temos também a vermelha.

Veja o show dos horrores que foi a entrevista com Jair Bolsonaro, onde os jornalistas entrevistadores basicamente limitaram-se apenas a questioná-lo sobre as ações dos militares no período de 1964 a 1984 (como se ele tivesse feito tais ações), sem nem quererem saber sobre as propostas do candidato caso seja eleito. O tom de indignação de alguns dos jornalistas diante das respostas de Bolsonaro foi algo patético, e olha que eu mesmo não concordei completamente com algumas das respostas dele.


Justiça seja feita. Não são apenas os jornalistas tupiniquins que agem assim, é só ver o que estão fazendo com o Trump. Para esse tipo de jornalista, pouco importam os avanços que o Trump promoveu na economia ou por ele ter enquadrado bonito o gordinho norte-coreano sem disparar um único tiro (aquele mesmo que foi alisado por oito anos pelo bundão do Obama, de forma similar à política do apaziguamento que o ex-primeiro-ministro britânico Neville Chamberlain fez com Hitler na década de 1930). Importa muito mais fazer um carnaval sobre uma moça de família que ele comeu há vinte anos, ou sobre uma frase inserida fora de contexto.

Voltando ao Brasil, aos que acham que o regime militar foi ruim, há algo muito pior: um regime comunista, não por acaso os mais sanguinários de toda a história da humanidade. E tem que ser muito ingênuo (no mínimo) para acreditar que os guerrilheiros perseguidos pelos militares, como aqueles liderados pela trupe da nossa “ex-presidenta”, queriam libertar o país. Eles queriam na verdade trocar o regime militar por um comunista, uma ditadura por outra ainda pior, como fez Fidel Castro. Em suma, esqueça tudo o que você aprendeu com o seu professor de história no colégio pois ele mentiu para você, conscientemente ou não.

Meus queridos e minhas queridas, sempre tenham os dois pés e as duas mãos atrás ao receberem qualquer informação vinda da mídia convencional. Desenvolvam o senso crítico, o gosto pela pesquisa e tomem as rédeas da sua própria opinião, não sejam apenas mais um(a) na legião de alienados, pois é justamente isso que eles querem.

Comentários

  1. PQP!!!!
    Voce conseguiu sintetizar exatamente o que penso!!!
    E ainda acrescento, que claramente nota-se que a esquerda liberou muita grana para a imprensa em geral.
    Uma forma do comunismo dominar uma nação, é com apoio popular, e para isso primeiro dominam a cabeça dos professores (o que se vê perfeitamente no Brasil), assim como a imprensa. Aí a merda ta feita. Sucesso total na lavagem cerebral do povo, garantia de se perpetuarem no poder, por pior que a situação econômica esteja.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esqueci de citar as igrejas tambem. A grande maioria, mas ultimamente certas igrejas estão se desligando da facção vigente, e partindo para carreira solo para tambem exercerem o poder obsoluto. Há varios politicos de igrejas por aí.
      Realmente acho que o Brasil está entrando na idade das trevas.

      Excluir
    2. Sem dúvida os últimos governos usaram verbas astronômicas para publicidade, até mesmo o Facebook levou a sua quirela:
      https://www.michaelrigo.com/2016/07/facebook-levou-mais-de-40milhoes-governo.html

      As eleições deste ano serão importantíssimas, as mais importantes desde o final do regime militar. Dependendo de quem vencer, será a hora de fazer as malas e sair deste antro de podridão, eu mesmo conheço várias pessoas que já fizeram isso.

      Sobre as igrejas, é facilmente perceptível que algumas delas somente existem para os seus fundadores angariarem poder e riqueza, e como são isentas de uma série de tributos isto fica bem mais fácil.

      Excluir
    3. Concordo que essas eleições serão as mais importantes talves da historia do Brasil.
      Mas realmente não confio na urna eletronica.
      Mas mesmo que tenhamos a boa notícia da direita vencer, e depois disso, limparmos a corrupção, e tudo correr muito bem, o Brasil voltaria a ter uma boa economia, desenvolvimento e qualidade de vida somente daqui uns vinte anos. Consideremos tambem que a atual geração de jovens está praticamente perdida e teremos que esperar pela próxima.
      Então nota-se que o prognóstico não é nada favorável.
      Graças a Deus, consegui sair do Brasil, e olhando de fora, vejo como é assustador o estado do país.
      Caso a esquerda ganhe, os que tem condições e/ou dinheiro irão deixar o Brasil. Empresas sairão, pessoas inteligentes sairão, e o que restará será igual ou pior que a Venezuela.

      Excluir
    4. Eu acho que a esperança conta demais, e dependendo de quem vencer sequer esperança teremos.

      E também não confio nas urnas eletrônicas.

      Excluir
  2. Não gosto muito de entrar nessas discussões, mas saiu um artigo do NWT no Estadão hj que me pareceu interessante. Indiretamente, explica um pouco as relações de causa e efeito que fazem a esquerda ser forte no Brasil. Eu sempre disse que Lula é uma consequência direta de FHC, assim como Bolsonaro é uma consequência direta de Lula e Dilma.

    Se o Brasil quer ser capitalista e liberal, precisa provar na prática que capitalismo e liberalismo são bons pra todo mundo, não só para os banqueiros e empresários, enquanto é a classe trabalhadora que arca com os custos da meritocracia e da ausência do estado.

    https://internacional.estadao.com.br/noticias/nytiw,fracasso-das-politicas-capitalistas-torna-o-socialismo-um-atrativo-nos-eua,70002437963

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Li o artigo e achei muito interessante.
      Moro nos EUA, sou contra o comunismo, mas tambem sou contra esse capitalismo carniceiro que temos por aqui. Aqui quem é pobre ta literalmente perdido. As politicas sociais são uma piada. Por outro lado no Brasil, é tudo pelo social. A pessoa nem precisa trabalhar para ter seu salario garantido, e parece que quanto mais pobre mais vantagens tem, até mais do que para quem trabalha duro. Sem falar da anticultura que foi implantada.
      Qualquer forma de extremismo, de direita ou de esquerda é extremamente prejudicial à população e ao desenvolvimento.

      Excluir
    2. ... e apenas completando, enquanto no capitalismo o poder é distribuido entre os que tem dinheiro, no socialismo o poder fica nas mãos apenas do grande ditador que jamais abrirá mão do poder.

      Excluir
    3. Eu acho que nem 8, nem 80. Os dois extremos não são bons, seja o socialismo ou o neoliberalismo. Por exemplo, concordo com a diminuição do tamanho do Estado, porém sem sair privatizando tudo, o que nem sempre funciona ainda mais no Huezil.

      Cada caso é um caso, há setores onde realmente não há motivos para a participação do Estado enquanto que outros são estratégicos e vitais para a soberania da nação.

      Excluir

Postar um comentário