Intel propõe a volta triunfal do botão Turbo

Com certeza os retrowarers devem se lembrar do clássico botão turbo, presente na maioria esmagadora dos gabinetes AT e que foi muito popular até os processadores 80486. Nesta implementação clássica, tal botão ajustava a frequência do processador para rodar softwares antigos que ficavam rápidos demais quando executados em sistemas mais recentes. Por exemplo, um software desenvolvido para os processadores 8086/8088 acabava ficando rápido demais quando executado em um 80386, e o botão turbo na verdade “pisava no freio” do 386 para ser possível rodar o software.

Na implementação moderna proposta pela Intel, o botão turbo serviria como uma forma de fazer um overclock rápido e fácil do processador, com garantias de estabilidade e durabilidade do próprio fabricante. Somente os processadores com o multiplicador destravado (a famosa família “K”) suportariam este recurso, que inicialmente estaria presente em notebooks - não há dúvida de que logo migraria para desktops e gabinetes avulsos.

O processo tradicional de overclock requer bastante estudo e principalmente muita paciência, não há garantias de sucesso e sempre envolve alguns riscos. Como entusiasta e amante da computação clássica prefiro o método tradicional, mas com certeza a tecnologia proposta abriria ao grande público a possibilidade de extrair mais dos seus equipamentos antes de descartá-los, além de resgatar o charme do clássico botão turbo. Se funcionasse também com processadores "não K" seria perfeita.

De qualquer modo, palmas para a Intel.

O botão turbo do gabinete do meu 80386 DX de 40 MHz 


Veja também:

Comentários

  1. Isso já não é implementado de forma segura e confiável no Turbo Boost?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida, mas o botão turbo permitiria um controle direito do utilizador, enquanto que o Turbo Boost é automatizado conforme o uso do processador e utilizadores comuns não entram no Setup para alterar esta configuração. O botão turbo deverá ser tipo um "overclock for dummies".

      Excluir
    2. Não seria melhor a Intel fazer uma pressão nos fabricantes de hardware para habilitarem por padrão o recurso quando disponível? Fico surpreso em saber que assim já não o fazem. Se bem que não duvido de nada, pois o que tinha de placa com BIOS miseráveis que em plena época dos Core 2 Duo ainda desativavam o suporte a NX bit era de causar indignação. No caso do Turbo Boost, nem a desculpa do suporte por parte do sistema operacional pega, pois é 100% implementado em hardware (apesar de ser possível desativar dentro do SO: http://caixaseca.blogspot.com.br/2013/09/desabilitar-turbo-boostturbo-core.html).

      Excluir

Postar um comentário